Da série “Poesia sem querer”

Ontem fiquei comovida ao ver a Lia Luft na tevê contando sobre a pergunta feita pela neta:
‘Vovó, de noite as estrelas-do-mar brilham na água?’
Fiquei pensando nessa imagem fabulosa e na capacidade das crianças de serem poéticas assim, sem querer, como quem faz da queda um passo. Como quem faz do assovio, canção.
Como quando a Júlia, meu filhote, com menos de dois anos, anunciou o anoitecer animada, apontando para o céu:
‘Mamãe, a lua acordou!’

***
O que me leva a um post amarelado no fundo da pasta, quase esquecido, resgatado agora pela coincidência ‘lunar’:

Amor e limites

A avó chega para visita semanal repleta de agrados, beijos e chamegos, amor transbordando em bolsas e abraços. Cumpre zelosa e dedicadamente a função de avó, mimando a neta, fazendo-lhe as vontades, ora descarada ora disfarçadamente, como sói acontecer com as avós.

Além de tentar advinhar os desejos e antecipar as querências, a avó também se compraz em apresentar à neta as belezas da vida. Mas nesta agradável empreitada, às vezes esbarra em impossibilidades:

_ Julhinha, olha lá: aquela é a lua!
_ Pega, Vovó, pega!!

Helena Costa

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: