Mentiras que parecem verdades*

Todo mundo já percebeu que a tal liberação feminina era papo furado, né?
Que ninguém conquistou nada, que o sistema estava precisando do dobro de mão de obra pela metade do custo, blablabla.
Então do alto da minha liberdade de ir e vir no engarrafamento, do meu direito a trabalhar 9 horas por dia, da minha opção não-voluntária por essa vida louca vida, ando tendo muita saudade de uma vida que nunca vivi. De ter tempo para criar os filhos, para cuidar dos mais velhos, ler, costurar, cozinhar, aprender crochê. Eu gosto dessas coisas.
Gosto de trabalhar, também, mas não tanto assim.

* D’après Bonazzi & Eco
|Monix|

%d bloggers like this: