Da série “Li e gostei muito”

Sandálias e Calcinhas
Um dia desses estávamos chegando em casa depois do trabalho e o Zé me pediu para ir à padaria. Eu disse que primeiro ia trocar de sapatos, meus pés estavam doendo porque as sandálias que eu estava calçando tem umas malditas fivelinhas que no fim do dia parecem pregos.
Quando desceu do carro ele olhou pros meus pés e disse:
“Bonita essa sandália, é nova?”
E eu:
“Nova? Faz uns três anos que eu comprei esse sapato!”(aliás, elas já estão mais prá lá do que prá cá)
“Eu não reparo muito nessas coisas, você sabe. Mas me pergunta a cor da calcinha que você está vestindo hoje que eu sei. É rosa.”
Gente, pode isso? E eu só tenho uma calcinha rosa.
Pensando bem, fiquei lisonjeada. Dezoito anos e ele ainda repara na cor das minhas calcinhas. Há de se admirar uma coisa dessas.
Dani, no Pausa para o cigarro

Como eu já disse para a autora, é pra ficar mesmo; eu ficaria. Porque romantismo e tesão nem sempre estão onde nos ensinaram a procurar, mas sim onde os encontramos. E pra tanto, carece estar disposto e disponível para ser surpreendido pelo desejo nas dobras inesperadas do cotidiano…

Trilha sonora do post: Pecado Original, de Caetano Veloso

Helena Costa

Para aqueles que ainda acham que o Katrina foi um acidente natural

“O aumento da intensidade e da freqüência de furacões no Caribe, as alterações nas chuvas e no nível do mar nas regiões costeiras da Argentina e do Brasil, a redução das geleiras na Patagônia e os Andes são fenômenos que mostram o impacto do aquecimento global na América Latina.”
A afirmação – extraída de um relatório elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e pela Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Naturais do México – deu o tom das discussões que marcaram a 10ª Convenção da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP-10), realizada em Buenos Aires, de 6 a 17 de dezembro.
(…)
A conferência foi marcada pelas críticas dos países em desenvolvimento aos países desenvolvidos – principalmente os Estados Unidos, que assinaram o Tratado de Kioto, mas não o ratificaram – de estarem fazendo poucos esforços para reduzir as emissões de gases que causam o efeito estufa.
Os EUA são responsáveis por quase 40% das emissões de gases do planeta, mas durante a reunião, seu representante, o enviado especial do Departamento de Estado dos EUA, Harlan Watson, não aceitou nenhum tipo de crítica: “Não somos os vilões desse filme. Estamos focados nas ações ambientais muto mais do que outros países que seguem o Protocolo de Kioto”, afirmou.

Bom, se eles não são os vilões, quem será? Godzilla?

-Monix-

%d bloggers like this: