10 Livros que marcaram minha vida


– Coleção Para gostar de ler, da Ática: existe até hoje (ôba!). Tenho certeza que o fato de ler crônicas do Drummond, Rubem Braga, Veríssimo, Paulo Mendes Campos me ajudou – e muito – a gostar de ler.

Ed Mort, Luís Fernando Veríssimo. Na verdade é a obra, mas acho que foi o primeiro dele que li. Apesar do título, reúne outras crônicas que não se resumem a este personagem. Com o Veríssimo constatei que o humor faz cócegas no cérebro – e até mesmo no coração. Ele tem lugar cativo no bloco dos meus pensadores favoritos e virou até tema da minha dissertação de mestrado.

Solte os cachorros, Adélia Prado. Até então nunca tinha experimentado uma prosa tão poética; e nunca o feminino tinha sido um tema relevante pra mim.


Grande sertão veredas, João Guimarães Rosa. Definitivo, marcante, mexeu com a maneira de olhar o mundo, de estar no mundo. Consulto como alguns consultam a bíblia, como um livro cheio de sabedoria, portador de todos os estilos (poesia, drama, épicos, etc.) e que sempre tem algo a me dizer. É mais que um livro, é um lugar, pra onde sempre retorno e de onde nunca mais saí.

Sem açúcar com afeto, Sonia Hirsch. Mudou minha maneira de encarar alimentação, pra sempre.

Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres, Clarice Lispector. Indicado por uma professora de português inesquecível, chamada Alair, mineira, que me apresentou esse e outros tesouros.

Ópera do malandro, Chico Buarque. Eu li o livro, comprei o disco, representei a peça (naquela época da vida em que quase todo mundo acha que vai ser atriz/ator). E é dele, né? (supiro!…)

O menino do dedo verde, Maurice Druon. Possivelmente o primeiro livro que eu li. Só isso já justifica, não?


Cem dias entre céu e mar, Amyr Klink. Livro despretensioso, que apesar ou por isso, me enriqueceu muito. Despertou minha curiosidade por certo tipo de literatura (vamos chamar apressadamente de “literatura de aventura”), que me levou a lugares muito distantes em vários sentidos, como o Everest, o pólo sul, e me apresentou personagens fascinantes como Roland Amundsen, por exemplo. Às vezes o valor de um livro também está no fato dele servir como uma espécie de introdução a outros.

Mothern – manual da mãe moderna, Juliana Sampaio e Laura Guimarães. Oh, sim, inevitável. O livro simboliza ”o conjunto da obra”, digamos assim, que inclui o blogue, o livro de visitas, os hiperlinks afetivos estabelecidos a partir de então… Relaciona-se também com a experiência mais revolucionária da minha vida, que está sendo a maternidade.

Não são necessariamente os melhores, ou os mais belos, nem todos são favoritos. Mas deixaram marcas indeléveis.

Helena Costa

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: