Ora iê iê ô

8 de dezembro, dia de Oxum
e de N.Sra da Conceição

Helê

Bento

Cláudio Luiz, consultor de moda papal.
Não deixem de ler.
-Monix-

Reminiscências

Quando John Lennon morreu eu tinha exatos 11 anos e foi a primeira vez que presenciei um evento mundial. Porque todo mundo (e depois eu percebi que todo o mundo) falava no assunto. Lembro vivamente de dois episódios: o primeiro deles, o Erasmo Carlos na tevê chorando copiosamente e dizendo que ensinaria ao filho quem foi John Lennon. O segundo, que pra mim foi mais intrigante, foi entrar na papelaria do bairro e ver o atendente e um freguês, que para os meus parâmentros daquela época eram velhos e ”caretas”, comentados chocados a morte de um músico cabeludo e roqueiro. Lembro até hoje a sensação que a cena me causou e o interesse imediato despertado por aquela pessoa cuja morte era capaz de mobilizar até mesmo pessoas tão distantes dele – geograficamente, culturalmente, ideologicamente. Devia ser alguém realmente especial aquele por quem um músico chorava como quem perdia um amigo, e que era tão importante que seria ”ensinado” a um filho. De fato, era tudo isso, porque hoje, 25 anos depois de morto, ele ainda é uma referência no mundo – musical, política, cultural. E eu ainda continuo interessada nele.


Helê

Tô pas-sa-da!

Acabei de ler o último livro do Harry Potter

Helê

Dicas simples (quase óbvias), porém valiosas

  • Nunca diga a uma mulher que ela está nervosa.
    Se ela não estiver, ficará.
    Se estiver, não precisa de confirmação.
  • Só pergunte a uma mulher ”o que foi?” se quiser realmente saber o que aconteceu. Demostrar um falso interesse é pior que interesse nenhum.

Helê

%d bloggers like this: