Apelo


Eu tive um tio chamado Antônio de quem eu guardo as melhores lembranças e as maiores saudades. Ele morreu cedo, porque ‘os bons morrem jovens’, já disse o Renato Russo – que também se foi cedo, vítima da mesma doença. Mas no tempo em que esteve entre nós meu tio Antônio foi o tio, para várias gerações da nossa família, de presença marcante para primos e irmãos mais velhos e mais novos, e ainda para os filhos deles. Ele foi, e ainda será por muito tempo, o fio condutor e o elo de ligação na ”Via-láctea da nossa família”, como ele me escreveu num cartão de agradecimento, transcrito abaixo.

Uma das lembranças mais doces e antigas que eu guardo do meu tio Antônio é de quando eu e meu irmão chegávamos na casa da minha vó, íamos correndo pro quarto dele e pedíamos para ele colocar pela milésima vez o disco do Pluft, o fantasminha, da Maria Clara Machado. Já era um disco diferente de todos porque era azul. Depois, tinha um elenco fantástico, encabeçado pela Louise Cardoso, que nos contava uma história genial sobre um fantasma que tinha medo de gente. Naquela época sem fita cassete ou dvd, aquela era a nossa história de estimação, que a gente conhecia de cor mas queria sempre tornar a ouvir. E hoje, quase trinta anos depois, eu sou capaz de lembrar de diálogos inteiros, das canções, do primo Xisto e da prima Bolha como se tivesse ouvido o disco ontem.

Eu gostaria muito de colocar esse disco pra minha filha escutar – porque é maravilhoso e por causa do valor sentimental que tem para mim. Já tentei consegui-lo via internet, em saldos; já encomendei ao meu irmão, que é perito em achar discos raros e também teria todo interesse em resgatar esse pedaço de infância da nossa vida, mas nada. Agora uso o blogue pra fazer esse apelo, meio que parafraseando o Exupéry que pede para avisá-lo se alguém souber do Pequeno Príncipe. Quem tiver esse lp e quiser vender, grava-lo, reeditá-lo, ‘escreva-me depressa dizendo que ele voltou’. Será uma maneira simbólica de unir meu tio e minha filha, formando mais uma constelação da nossa família.

Essas palavras são de gratidão
e carinho
nada como ter o sol, o mar
florestas e sobrinhos.
Sobrinha minha, ponto + ponto
formando uma só linha
Que joga meu coração como pipa
ao mais alto céu que a vista ‘via’
A via láctea da nossa família.

Antônio Luiz da Costa, dezembro de 1982

Helena Costa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: