Conversas supremas

Outubro 31, 2006

– Cara, você viu que absurdo dois jornais darem manchete de primeira página pra separação da Marília Gabriela e do Gianecchini?!
– Ah, minha filha, mas um homem daquele solteiro é notícia em qualquer lugar do mundo!

Helê

Outubro, 30, 2006

O presidente Lula foi reeleito ontem com quase 61% dos votos validos dos brasileiros – e um numero de votos maior que o obtido na vitoria sobre Jose Serra em 2002. Recebeu agora mais de 58 milhoes. No 2o turno há 4 anos, foi eleito com 52,79 milhoes. A vitoria é sem precedentes porque o presidente foi fustigado sem tregua por quase 1 ano e meio, num movimento unissono da midia escrita – os jornaloes e os revistoes – e da TV. O desgaste da midia foi tao grande que ela chega ao final da ingloria batalha com sua credibilidade em frangalhos, o presidente ileso.
Deu no ônibus azul.

-Monix-

Outubro 27, 2006

Outubro 27, 2006

Pessoa2 – Lendo a conversa da Frida sobre o padre lindão, lembrei de uma historia bizonha q soube dias desses…

Um certo alguém, amigo do amigo, que é gay, tá namorando um cara. Até aí, belê. Só q o namorado dele é italiano, boniton… e… padre. Olha q legal?

Cerumana2: Que história cômica… O cara ainda é padre ou largou a batina?

Pessoa2: Que largou o quê mizinfin… Tá la de batina ainda, na Itália. Feliz e contente. E o outro, aqui do outro lado, igualmente feliz e contente pq… tanã… ele conseguiu um emprego em uma paróquia… E o pior é q o amigo do amigo trabalha na paróquia com um padre q sabe da história e não pode falar porque…. porque…. porque… ele tb é gay e tb tem um causo

Cerumana2: hahaahahahahha! Shame and scandal in the paróquia!

Pessoa2: Entonces, minha nega, relaxa, vc, a outra Frida e todos, ninguém vai pro inferno não… já tá lotado.

La Otra Frida

Outubro 04, 2006

Agora, a Zel tem a palavra:
tenho e sempre tive sonhos de viver num país do qual possa me orgulhar, além de amar (e eu amo). vejo hoje um país melhor que há 10 anos; e é também melhor hoje que há 5 anos. apesar dos pesares acho que vai melhorar mais ainda, desde que cada um faça sua parte, mas isso leva muito tempo, deve ser medido em dezenas de anos. qualquer um que estudou um pouco de história devia se tocar disso. depois de tantos anos de ditadura, opressão, falta de informação e formação de consciência política, demora pras pessoas perceberem que política não se faz com panfletos e partidos somente, que cidadãos são imprescindíveis. hoje somos apenas votadores e reclamadores de botequim; os cidadãos estão se formando ainda, nascendo, por nascer. talvez o dia em que o brasil for um país realmente de dar orgulho eu já não esteja mais aqui. não faz mal: estou fazendo a minha parte.

Tem mais, o post é grande e muito bom. Recomendo a leitura.

-Monix-

É cada uma…

Outubro 26, 2006

Pessoas apareceram por aqui procurando:
– simpatia para parar de mentir (putz, fala sério!)
– quando estou louca me beija na boca me ama no chão letra(um virundum!)
– mantra para o dia de hoje (comassim?!)
– frases de uma garota debochada (formô.)

Helê

Conversas supremas

Outubro 23, 2006

Pessoa: Eu fui numa reunião hoje que tinha um homem lindo. Depois que descobri que era padre. Primeiro pensei no desperdício, depois achei ainda mais excitante.

 

Cerumana: Olha que pervertida!

 

Pessoa: Menina, se eu pagasse cada vez que eu penso uma bobagem, já tava abaixo da linha da miséria!

 

Cerumana: E eu!
Mas olha só, a gente vai direto pro inferno porque o limbo acabou.

 

Pessoa: Juuuura! Eu não soube! Acabô quando?

 

Cerumana: Não sei direito, mas o Bentão acabou com isso. Agora é infrerno direto.

 

Escrevem ao mesmo tempo:
Pessoa (suburbana): Não tem mais parador? Cerumana(igualmente suburbana): Agora tem só expresso.

 

 

Pessoa: Vamos todos pela seletiva, hahahaha! E ainda escrevemos juntas.

 

Cerumana: Pobre é assim, pensa logo na Avenida Brasil! Hahahaha!

 

Frida

Âpideite da Otra: O limbo acabou, mas o purgatório não, suas doudas.

Chove Chuva

Sábado, Outubro 21, 2006

Chove há uns dois ou três dias no Rio de Janeiro e vocês que não estão ou não são daqui não sabem o que isso significa. Em linha gerais, um trânsito sempre muito ruim e pessoas meio atarantadas, porque o carioca não é impermeável. Sim, a gente não gosta de dias nublados como cantou a gaúcha Adriana, mas é mais que isso, a gente não sabe conviver com chuva. Completa incapacidade. Carioca deixa de ir a lugares, por exemplo, por causa da chuva. Chega a ligar pra justificar: ”Pô, Fulano, foi mal não ir no teu aniversário, mas é que na hora de sair tava aquela chuva, né?” Eu fico imaginando uma cidade como Londres, por exemplo, (ou como me disseram que é Seattle) onde as pessoas não podem se dar a esse desfrute, ou ficariam imobilizadas para sempre. Aqui não, o cara sai de casa com chuva, encara o trajeto até o trabalho chovendo e quando sai ainda fica na portaria com aquela cara de besta, como se estivesse chovendo pela primeira vez em meses. Cena tipicamente carioca: na saída do metrô, todo mundo aglomerado, como guarda-chuva na mão, olhando pra chuva, como se fosse passar dali a 30 segundos. É assim, a gente não se acostuma, é como se houvesse alguma coisa errada naquele cenário.

Pensando nessas bobagens, reuni várias canções sobre a chuva ou nas quais ela desempenha papel importante. Parei em 50, entre nacionais e estrangeiras. Então sofri pra selecionar 10 que gosto muitíssimo; as outras ficam armazenadas para outros dias de toró intermitente. Não pude deixar de fora as ”Garotas do Tempo”, que cantaram uma das mais democráticas, generosas e esperadas chuvas da música pop, aquela que trazia homens ”for each and every woman”.

Ouça, e comente, enquanto o sol não reaparece. E bom finde, se for possível, com essa chuva…

Helê

Que vergonha!

Outubro 21, 2006



Olha, todo mundo já falou da manipulação da imprensa, antes e melhor que eu. E já há manifesto e abaixo-assinado contra o comportamento da imprensa nessas eleições. Mas mesmo assim, dá licença de usar o blogue pra falar da manchete do Globo de hoje, que é inacreditável. Diz o seguinte, sobre uma foto de Lula e Alquiminho no debate:Petista confirmou que Freud mandou comprar dossiê. Donde o apressado leitor, de passagem pela banca, deduz que ontem, no debate, Lula teria confirmado a tal compra. Então aquele um pouco menos apressado lê a matéria, ainda na primeira página: O petista Gedimar Passos reafirmou à Polícia Federal no dia 18 de setembro, três dias após ser preso com parte do R$1,7 milhão que seria usado para compra o dossiê contra os tucanos… O grifo é meu, gente, pra vocês não duvidarem do que eu custei a acreditar: o jornal reapresentou uma matéria de um mês atrás como se fosse nova, junto a uma foto de ontem, que lhe confere o sentido que o jornal que dar à notícia.
Cara, eu fiquei chocada. E envergonhada, juro. E com mêda do que vão aprontar até o dia 29 – que nunca custou tanto a chegar…

Helê

Outubro 19, 2006

Ai, Helê, jura que eu vou ter que confessar meu voto pra governador aqui? Tudo bem, por você eu tomaria banho gelado no inverno, então vamos lá.

Eu tenho um critério para votos no segundo turno, e costumo segui-lo, há muitos anos, por isso raramente anulo meu voto (mas já anulei – e me arrependi). A eleição em dois turnos é feita para que na primeira etapa os eleitores escolham a melhor opção e, na segunda, bloqueiem a pior alternativa. Essa é a idéia.
Meu critério é simples: entre um candidato com história política, qualquer que seja, e um candidato que se enquadre no que eu chamo de “arrivista”, ou seja, aquele que acabou de chegar, eu sempre fico com o primeiro. Se tem uma coisa que eu realmente não compro é esse discurso da despolitização da política. Fulano é um ótimo administrador, é sério, etc e tal. Ok, então quando eu for presidente de uma multinacional, contem comigo para contratar Fulano para Diretor Financeiro. Mas estou votando para governador do meu estado. Quero alguém que saiba o que está fazendo. E sim, amigos leitores, por pior que soe aos nossos ouvidos traumatizados, essa criatura estará fazendo política. Exemplo: entre César Maia e Luiz Paulo Conde, voto no primeiro, tapando o nariz, porque com certeza tem muito mais estrada que o segundo.
Segundo esse meu critério, votarei no Sérgio Cabral. A juíza que me desculpe, mas vai ter que comer muito feijão com arroz ainda pra ganhar meu voto. Não me orgulho disso, não faço campanha, não recomendo, mas a sócia perguntou e eu não podia me furtar a dar meus motivos.

-Monix-

Da série Diálogos Musicais

Outubro 19, 2006

Retomando aquela linha de posts musicais, está rolando no Dufas Dial a partir de hoje o encontro entre Ritas – que apesar de décadas de distância, mantém a mesma frieza e desprezo pelos homens que passam em suas vidas, sejam eles o Chico Buarque, Seu Jorge ou Zeca Pagodinho. As duas inclusive já estão escaladas para um outra seleção de mulheres ”danadas’, pra dizer o mínimo. Mas isso fica pra depois.
Por ora, ouçam, curtam, comentem.
Helê

%d bloggers like this: