Helenices & Julices

Janeiro 25, 2007


Cúmulo da ironia: a gente passa a adolescência e boa parte da juventude escapando dos pais pra transar, ok. Depois, quando os filhos são pequenos, a gente só conseguir dar umazinha em paz quando a mãe dorme em casa pra cuidar do bebê.

*
Deitada na cama eu abraço a Júlia completamente, em conchinha, e deliro em voz alta:
– Filha, cresce mais não, fica assim desse tamanho.
– Porque mãe? (Sempre eles, os porquês).
– Pra eu sempre te abraçar assim.
– Mas quando eu quecê você vai podê me abaçar assim tamém!
Eu sorrio e suspiro. Só não peço pra ela assinar porque ela ainda não sabe.

*
Da série escatologia m(p)aterna: o que é pior, ter que parar de almoçar pra ir ”limpar” a criança – que do banheiro berra pra todo prédio ouvir que acabou…
Ou
ensiná-la a fazer sozinha sua higiene e ela aparecer na sala, enquanto você almoça, com o papel higiênico na mão perguntando se já tá limpinho?

*
Férias. Nós duas no escritório, eu no computador, ela desenhando. O Gil cantando ”Eu preciso aprender a só ser”. Ela pergunta:
– Mãe, coração responde?
– Como assim, filha?
– Ele falou aí, ‘o coração respondêêê’…

Helê

Anúncios
%d bloggers like this: