Segunda-feira, Julho 09, 2007

Minha metafísica é carioca: ‘entre mortos e feridos, salvaram-se todos’.

A frase, beirando o genial, é do cronista José Carlos Oliveira, numa entrevista concedida a Clarice Lispector. (Depois eu falo mais sobre essa faceta da bela Clarice.)

O que prova que a entrevista é, definitivamente, uma arte perdida. Um entrevistado não diz uma pérola como essa simplesmente por inspiração divina. É preciso fazer perguntas que o instiguem a isso. E ouvir sua resposta com atenção. Conquistar sua confiança, deixá-lo relaxado, tranqüilo, a ponto de abandonar o discurso pré-fabricado, que todo mundo usa quando vai se apresentar para o mundo, e deixar o que está por baixo aparecer um pouco mais na superfície.
A propósito, a pergunta da entrevistadora, tão brilhante quanto a resposta, foi: Carlinhos, o que vem depois da morte? Por favor não tire a esperança dos que crêem.
Notaram que a partir dessa provocação só poderia vir uma conclusão à altura?

Também respondendo a uma indagação de Clarice, a artista plástica Fayga Ostrower falou sobre a dificuldade enfrentada pelos artistas e intelectuais para conseguirem viver exclusivamente do seu trabalho. Era exatamente o que movia sua entrevistadora, que, para garantir o leitinho das crianças, principalmente depois de se separar do marido, um diplomata, passou a colaborar com revistas como entrevistadora e redatora.

Quem quiser conferir esse lado pouco conhecido de uma das maiores autoras de literatura no Brasil – e provavelmente no mundo – pode conferir duas jóias raras lançadas recentemente por aqui: o “Entrevistas”, de onde saíram as informações que cito neste post; e o delicioso “Correio Feminino”, que reúne pequenos textos elaborados para revistas nos anos 1950 e 1960, sob pseudônimos, com o objetivo de aconselhar as jovens senhorinhas que começavam a engatinhar na revolução feminina (não a feminista, notem bem) e se viram ligeiramente desorientadas, já que os paradigmas da geração de suas mães já não serviam mais e o novo paradigma ainda não tinha sido negociado com a sociedade. Mas isso já é assunto para outro post. Quem sabe?

-Monix-

%d bloggers like this: