Dia Internacional da Amizade

Sexta-feira, Julho 20, 2007


É hoje, gente, então eu deixo aqui um beijo estalado pra cada uma das leitoras e leitores que passam por aqui exercitando esta outra nova maneira de ser amigo, em que o blogue serve de pretexto, encontro e acolhida.

E um abraço apertado pra minha Sócia, que teve essa iluminada idéia e me pegou pela mão pra iniciar esta aventura.

Helemotiva

12:16 PM

A tragédia da imprensa Sexta-feira, Julho 20, 2007

Julho 20, 2007

– Digam vocês aí qual é a relevância de observar com lupa a dor alheia? Porque exibir, fotografar ou filmar um ser humano recebendo a notícia da morte de um parente? Qual a relevância em saber se a vítima estava grávida, viajava com netos, tinha trinta anos? Para quê estampar fotos de uma família nas bancas de todo país? Por que tornar mais trágica a tragédia, mais sensacional e espetacular o que já é tristemente grandioso?

– Também não é um pouco demais estampar na capa do jornal as fotos do acidente, dos parentes das vítimas e da Marta Suplicy rindo? Eu também achei que ela falou uma m*rda sem tamanho, perdeu uma chance maravilhosa de ficar calada, mas fazer essa associação dois dias depois do acidente, na primeira página do jornal, foi de uma irresponsabilidade, falta de respeito, chega me deu vergonha.

– O sensacionalismo repugnante da imprensa também produz coisas que chegam a ser engraçadas, de tão toscas. Como o jornal do Rio (acho que o Extra) que estampou a manchete ‘Galã da globo escapa do vôo da morte’, ou coisa que o valha. Não, ele não perdeu o vôo no trânsito ou desistiu na última hora. Ele ligou para a Tam para comprar a passagem, mas como o telefone estava ocupado, ele viajou por outra companhia. Foi isso mesmo que você leu, criatura, foi assim que ele perdeu ‘vôo da morte’.

– E agora a globo consegue transformar em notícia o toptop de um assessor da presidência, como se isso fosse tão importante quando a apuração das razões do acidente! Mais: o gesto do cidadão transformou-se imediatamente em postura oficial do governo diante do acidente e das famílias das vítimas. Ah, francamente!

Helê

%d bloggers like this: