De dentro dos muros

Zona do Crime é uma alegoria, ainda que bastante verossímil, sobre o que perdemos quando abrimos mão, voluntariamente, das conquistas obtidas a partir de sucessivos pactos sociais elaborados ao longo dos séculos: as instituições, a lei e a ordem estabelecida (termos que vêm saindo de moda em velocidade assustadora), o Estado de Direito. Construir muros altos para impedir o mundo exterior de entrar pode se transformar numa armadilha. Em nome de nos mantermos seguros contra o que vem de fora, talvez estejamos nos transformando em carcereiros de nós mesmos. E pode chegar o dia em que o portão do condomínio fique fechado tanto para quem quer entrar quanto para quem quer sair – um efeito colateral indesejado, mas não de todo imprevisível.

***

Não sei se essa divagação faz sentido para quem não assistiu o filme.  Na dúvida, assista.

-Monix-

A propósito do mesmo tema, o filme faz uma bela dobradinha com o Amor Líquido do Zigmunt Bauman (livro que ganhei de presente da sempre constante Ana Paula).
Anúncios

Uma resposta

  1. […] seus próprios olhos. (De quebra, o prédio é bacanérrimo.) Quadrinhos: Persépolis No cinema: Zona do Crime Na internet: Novo Duas Fidas Livro: Amsterdã, de Ian […]

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: