A primeira corrida a gente não esquece

Domingo passado  vivi essa experiência fantástica que é correr pela primeira vez uma corrida oficial, com direito a número na camisa, chip no tênis, linha de chegada e tudo o mais. E olha, é realmente emocionante, tudo: o frisson antes da prova, a diversidade de atletas, a incerteza da sua própria capacidade, o tesão da conquista.  Que no meu caso  era correr durante toda a prova, sem caminhar. Só isso, para o meu corpinho balzaca original de fábrica, iniciante e vários quilos acima do ideal, já seria o máximo. E foi.  Quando vi a placa indicando que faltavam 300m, e pude avistar o portal de chegada, eu percebi que ia conseguir. Aí me emocionei, deu um bolo enorme na garganta e eu quase não consigo respirar! Tive que ser meu próprio Bernardinho : “Não chora, criatura, não agora, concentra!”. Deu certo e eu cruzei a linha de chegada esbaforida, mas felicíssima comigo mesma e com meu feito.

Nunca achei que poderia correr, sempre tive pouca capacidade respiratória (fumei por 15 anos). Mas caminhava desde sempre, desde que descobri que era uma atividade física mas também um tempo pra estar comigo mesma. Então comecei a correr, primeiro distâncias curtas – até ali aquela árvore, agora até aquele carro – sem nenhuma orientação, e em pouco tempo eu corria durante 30, 40 minutos, na rua (Maracanã included). Mas aí veio a gravidez, a tireóide escangalhou e o mofo deu na farinha. Agora, setecentos anos depois, eu consigo algo que pensava não estar mais ao meu alcance, e essa é uma conquista inestimável. Além de ser uma experiência absolutamente nova, algo que eu nunca fiz antes na vida – e não é à toda que a tal propaganda virou um ícone, porque acertou na veia: a primeira vez tem um sabor único e especial (que a gente prova cada vez menos com o passar do tempo).

Pois essa foi a minha estréia no circuito das corridas de rua – por uma dessas ‘coincidências’, um circuito para mulheres que leva o nome do planeta que rege Libra, meu signo, no mês do meu aniversário, algumas semanas antes de trocar de pele e celebrar. Excelente maneira de se despedir da velha idade e saudar a versão 3.9 que se aproxima.

http://o2porminuto.uol.com.br/

Créditos: Louise Chin e Ignacio Aronovich

Evento CIRCUITO VÊNUS – RJ – 2ª ETAPA
Tempo Final 00:35:52.90
Modalidade 5K
Classificação Total 851
Classificação por Categoria 154
Pace Médio 00:07:11
Vel Media Total 8,36

Helê

PS: Sem falar no cenário, viu? Que correr no Aterro do Flamengo, tendo a Baía de Guanabara, o Pão de Açúcar e o Cristo ao fundo,  é um looosho!

PS2: No site da New Balance tem uma animação sobre corrida que é sensacional, “Amor e ódio”. Sabe aquelas introduções de site que a gente sempre pula? Se vc se interessa por corrida, veja. E este link nem é patrocinado (quem me dera!)

%d bloggers like this: