Diário d’além-mar – parte final

– O que mais dificulta a compreensão nem é o sotaque, é o vocabulário. Em Portugal fechado é encerrado, estacionamento é parque, pedágio é portada, cardápio é ementa, chope é imperial, celular é telemóvel. Isso sem falar nos indefectíveis eléctrico, autocarro, comboio.  Para treinar, só com muito José Saramago, Miguel de Souza Tavares, Inês Pedrosa e outros.

– Por falar em literatura, livros e CDs são caros. Só vale a pena comprar o que realmente não chegou ao Brasil, como o novo fado dos Deolinda ou os romances históricos da Maria Helena Ventura. DVDs não são compatíveis com a região do Brasil, portanto só compre se tiver um aparelho desbloqueado.

– Quem tiver tempo de pegar a estrada rumo ao norte do país pode anotar duas dicas preciosas. A primeira são as ruínas de Conímbriga, muito interessantes por mostrarem uma cidade romana com toda sua dinâmica urbana: casas, termas, o fórum, o anfiteatro… Tudo muito bem preservado e acompanhado por um museu cujo acervo inclui apenas objetos encontrados no sítio arqueológico. A outra é a aldeia de Gondramaz, na região das Aldeias de Xisto. Uma preciosidade encarapitada na serra da Lousã, com casas e ruas de pedra e, principalmente, muita paz e tranqüilidade. No final da aldeia há um restaurante que oferece hospedagem em esquema de turismo rural. Vale a pena fazer um rápido desvio caso se esteja indo a Coimbra, para um almoço numa típica aldeia portuguesa. Ou até um pernoite em plena serra. Mas não vá sem reserva, pois as instalações são pequenas, o esquema é bem caseiro e o atendimento é limitado a alguns dias da semana.

– Por fim, uma informação importante e útil para quem vai à Europa: os países membros do Espaço Schengen, com o qual o Brasil tem acordo, não exigem visto prévio, mas é necessário provar que tem meios de subsistência por um período máximo de três meses, além de seguro saúde por todo o período da viagem. A má notícia é que como não há análise prévia, o viajante pode ser recusado na entrada do país e ter que voltar para casa (mas quem cumpre esses requisitos geralmente é aceito). A boa notícia é que uma vez concedido o visto, é possível circular livremente pelos outros países, quase como se estivesse fazendo uma viagem doméstica.

Tô de volta, pessoas. Agora prometo que mudo de assunto. (Ou não!)

-Monix-

Ainda eleições

Pois é. Percebia-se no Rio de Janeiro ontem, um dia após a eleição municipal, um clima de ressaca amarga – pelo menos para os 49% de eleitores que votaram no Gabeira e viram a derrota ser decidida por míseros 55 mil votos. Considerando que mais de 900 mil elitores deixaram de votar, há muito o que lamentar. E haveria muito o que aprender e repensar, mas tenho dúvidas profundas sobre a capacidade dos políticos cariocas, em especial os de esquerda – seja lá o que isso signifique  atualmente – de reciclagem e humildade, tão necessárias para o exercício da (boa) política.

Resta-me agora acompanhar, com algum interesse e grande curiosidade, as eleições americanas. Entendo nada da política daquele país – disso sabe o mestre Idelber – e não tenho grandes ilusões a respeito do Obama. Visto daqui, ao sul do Equador, ele  é, antes de tudo,  um americano.

Mas para o imenso contingente de afrodescendentes daqui e de lá, ver um negro na presidência dos Estados Unidos possui um espetacular e inegável apelo simbólico. Como se vê nessa fotografia precisa de Callie Shell complementada pelas informações da legenda:

© Callie Shell / Aurora for Time: These two boys waited as a long line of adults greeted Senator Obama before a rally on Martin Luther King Day in Columbia, S.C. They never took their eyes off of him. Their grandmother told me, "Our young men have waited a long time to have someone to look up to, to make them believe Dr. King's words can be true for them." Jan. 21, 2008.

A fotógrafa acompanhou o senador Obama em campanha nos últimos meses. Tendo trabalhado  por alguns anos na Casa Branca, procurou nesse trabalho fugir das poses estudadas e dos sorrisos burocráticos, privilegiando flagrantes (tanto quanto isso é possível com um político) e bastidores.  O resultado reúne fotos belas e inusitadas.

Veja mais em Travels with Barack e em Portrait of a candidate .

Helê

28 de outubro, dia de São Judas Tadeu

Viva São Judas Tadeu, patrono das causas desesperadas e das causas perdidas, aquele que traz “visível e imediato auxílio onde o socorro desapareceu quase por completo”, como diz a oração.

Porque Dufas também é fé.

Ah, e parabéns pra muito querida Juliana Sampaio, aniversariante de hoje, querida para sempre.

Helê

Dicas d’além-mar parte 3

– Em Portugal, muitos museus e atrações turísticas têm entrada gratuita aos domingos pela manhã – alguns até meio-dia, outros até as duas da tarde. Vale a pena se informar e aproveitar. Por outro lado, segunda-feira é dia de museus fechados. Mas nem todos. Há alguns que fecham às terças, como por exemplo o Palácio Nacional de Sintra. É importante dar uma olhada em um guia de viagens atualizado ou pesquisar na internet, ou, ainda, perguntar nos centros de apoio ao turista, para não dar com a cara na porta. Os horários de abertura e fechamento também variam, é bom ficar atento. (Em Coimbra perdemos o Convento de Santa Clara por 10 minutos!)

– Algumas atrações oferecem ingressos combinados. Para conhecer os conventos de Alcobaça, Batalha e Tomar (os três são próximos e todos valem a visita, cada um com suas características próprias), é possível comprar um bilhete único, com prazo de alguns dias para utilização, por 12 euros. Em Sintra, é possível escolher dentre as principais atrações (Parque e Palácio da Pena, Monserrate, Castelo dos Mouros, Mosteiro dos Capuchos) e comprar bilhetes combinados com prazo de dois dias.

– Aliás, Sintra vale uma visita mais demorada, talvez até passando a noite por lá. Uma dica preciosa: o circuito da Pena, que fica numa encosta, é atendido por uma linha de ônibus (434), o que evita a longa caminhada ladeira acima.

– Momento “Dufas Também é Cultura”: você sabe a difenrença entre castelo e palácio?

-Monix-

Diário d’além-mar parte 2

– Há cantos de Portugal que só se pode conhecer de carro. Quem tiver tempo para isso, deve reservar uns dias para a estrada. Mas antes planeje bem o itinerário (ou se perca, que também é coisa boa de se fazer viajando). As estradas têm uma sinalização bastante irregular, e de repente o motorista se vê sem saber bem para que lado seguir. À parte isso, são rodovias bem cuidadas, mesmo as vias secundárias – e provavelmente por causa disso mesmo, as portagens (pedágios) são caras. Funciona assim: na entrada da rodovia há uma cabine para retirar o bilhete, emitido por uma maquineta (cuidado para não entrar nas cabines sinalizadas de verde, estas são para portadores de passes especiais). Na saída da rodovia, há cabines com funcionários, onde é calculado o valor devido em função da distância percorrida. Um sistema justo, mas dependendo do quanto o cidadão rodar, pode sair caro.

– Muito cuidado com os caminhoneiros. Nós que estamos acostumados com os amigos de fé irmãos camaradas, que dão passagem sinalizam e ajudam a enfrentar as dificuldades das estradas brasileiras, não estamos preparados para os motoristas de caminhão de Portugal.

– A rede de comboios (trens) atende boa parte da Grande Lisboa e é bem eficiente. Mas aqui, definitivamente, não é a Inglaterra. Os trens atrasam.

Depois conto mais.

-Monix-

O F.A.Q de Deus

THE OFFICIAL GOD FAQ

Um das coisas divertidas em que “tropecei” depois que descobri o Stumble upon.

Helê

Um chameguinho pra vocês

… enquanto estou longe.

Helê

%d bloggers like this: