Afinidade

Não é o mais brilhante mas é o mais sutil, delicado e penetrante dos sentimentos. O mais independente, também. Não importam o tempo, a ausência, os adiamentos, as distâncias, as impossibilidades: quando há afinidade, qualquer reencontro retoma a relação, o diálogo, a conversa, o afeto, no exato ponto
em que ele foi interrompido, ontem ou há 40 anos.

 É não haver tempo mediando a vida. É uma vitória do adivinhado sobre o real. Do subjetivo sobre o objetivo. Do permanente sobre o passageiro. Do básico sobre o superficial. É rara. Mas quando existe não precisa de códigos verbais para se manifestar. Ela existia antes do conhecimento, irradia durante e permanece  depois que as pessoas deixaram de estar juntas.

O que você tem dificuldade de expressar a um não afim, sai simples e claro de sua boca diante de alguém com quem tem afinidade. É ficar de longe pensando parecido a respeito dos mesmos fatos que impressionam, comovem ou mobilizam. É ficar conversando sem trocar uma palavra. É receber o que vem do outro com uma aceitação anterior ao entendimento. É sentir com. Nem sentir “contra”, nem sentir “para”, nem sentir “pelo”.

É sentimento singular, discreto. Não precisa nem do amor. Pode existir quando ele está presente ou quando não está. Independe dele mesmo sendo sua filha. Pode existir a quilômetros de distância. É adivinhado na maneira de falar, de escrever, de andar, até de respirar. É linguagem secreta do cérebro, ainda
não estudada.

Além de prescindir do tempo e ser a ele superior, ela vence a morte porque cada um de nós traz afinidades ancestrais no inconsciente e que se prolongam nas células dos que nascem de nós e vão para encontrar sintonias futuras nas quais estaremos presentes mesmo mortos (mortos?) há tantos anos. É ter estragos
semelhantes e iguais esperanças permanecentes. É conversar no silêncio, tanto das possibilidades exercidas quanto das impossibilidades vividas.

É retomar a relação no ponto em que parou sem lamentar o tempo da separação. Porque ele (tempo) e ela (separação) nunca existiram. Foram apenas a oportunidade dada (tirada) pela vida, para que a maturação comum pudesse se dar. E para que cada pessoa possa ser, cada vez mais, a expressão do outro sob a forma ampliada e refletida do eu individual aprimorado. Sensível é a afinidade. E exigente, apenas de uma coisa: que as pessoas evoluam parecido. Que a erosão, amadurecimento ou aperfeiçoamento sejam domesmo grau. É o mais sutil e delicado dos sentimentos.

Artur da Távola

Conheci este texto décadas atrás e desde então, e até hoje,  a imagem da minha amiga Andréia Araripe se forma a medida que percorro essas linhas. Nossa amizade modificou-se, recuperou-se, persistiu. E hoje, prestes entrar ali na Casa do Quarenta,  procuro valorizar cada vez mais o que persiste na minha vida, quem resiste a este implacável senhor, o Tempo. Em casos raríssimo em que a relação mantém-se com graça, humor, cumplicidade, afinidade, aí é preciso mesmo muita gratidão por essa que é um benção. Faz-se necessário reconhecer isso sempre que possível, afagar o outro quando sentir necessidade – mesmo que seja um dia como outro qualquer, numa tarde comum em que a singela lembrança da exsitência da amiga nos acalma, acolhe e satisfaz.

Viver na mesma cidade seria pedir demais, né, Deca? Tudo bem, não se pode ter tudo –  eu fico feliz com quase tudo ;-)

Outro que foi escrito pra você foi esse aqui:

“Everyone has a “best friend” during each stage of life- only a precious few have the same one.”

Helê

3 Respostas

  1. Obrigada, amiga linda! Você me fez chorar…
    bj no coração

    Beijoca estalada!
    Helê

    Gostar

  2. Que lindo, Hele!

    Gostar

  3. Diferentemente de você, só conheci esse poema ano passado e em uma comunidade do orkut, o que não deve ser tão confiável, mas daí fui verificar se era do Artur da Távola mesmo e descobri que sim, mas mesmo que não fosse, achei que foi a maior definição que alguém possa dar a AFINIDADE, que é um sentimento para mim inexplicável, ainda que esteja na moda falar dela nos BIGS BROTHERS da vida (ETA COISINHA CHATA ESSE PROGRAMINHA)., agora então postado nesse blog que para mim é muito familiar e virou meu vício, já que larguei o cigarro, passei a gostar ainda mais dele.
    Agora a pergunta não quer se calar. Essa Andréa que você se referiu, é uma Andréa que era muito sua amiga qdo você estudou no Colégio Pentágono?
    Isso é uma mera curiosidade.
    Gde abçs do seu fã.rsrsr….
    André.

    Sim, André, é a Andréia Araripe. E obrigada pelos elogios ao blogue, até aqui tem se mostrado um vício inofensivo :-D
    Abração,
    Helê

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: