História

Semana passada, mais precisamente na sexta, 5 de junho,  essa foto completou 20 anos. Lembro bem Não, vou ser sincera: eu pensava que lembrava fielmente dessa cena, sob todos os aspectos inesquecível. Mas pesquisando para postar a imagem percebi que a Dona Memória* –  sempre ela! -,  fez  das suas e eu havia perdido alguns detalhes (ainda bem que a Dona Internet é bem mais organizada…).  Não lembrava, por exemplo da fileira de tanques ser tão longa, nem que a certa altura o Tank Man subia em cima do primeiro, tentando falar com o piloto. A imagem é icônica e está para minha geração assim como está a da menina vietmanita pra geração anterior.

O aniversário da foto e dos protestos na Praça da Paz Celestial foram cuidadosa e previamente reprimidos na China, como era de se esperar. Sobre o tal manifestante mantém-se o mistério, acabamento perfeito para os heróis e as lendas – até hoje não se sabe quem é, se está vivo ou morto, se foi preso ou fugiu. Mas o gesto está gravado no álbum coletivo da humanidade. O vídeo está disponível a um clique, e vale a pena ser revisto. Mesmo eu, que achei já tê-lo visto o suficiente nesta encadernação, voltei a me emocionar com aquele homem enfrentando canhões com duas sacolas nas mãos e invertendo os papéis: confrontado, o tanque tenta contornar, mas agora é o homem a ameaça. O piloto vai pra esquerda e o homem vai também; a máquina torna pra direita e ele a acompanha, e por um instante a gente acredita que ele vai vencer.

Ou, talvez, por alguns instantes, ele tenha mesmo vencido.

Helê

*Minha amiga Maria João Amado ensinou, eu já disse aqui, mas não custa lembrar:  “A memória é uma senhora velha e louca que joga comida fora e guarda trapos coloridos”.
Há uma foto, bem menos impactante, feita por um fotógrafo que estava na rua, a alguns metros da cena. Veja nesse blog do New York Times.

5 Respostas

  1. Essa cena é uma das coisas que mais me comove. Até hoje.

    Gostar

  2. Sem sombra de dúvida, este foi o ato mais corajoso ao qual eu me recordo de ter assistido.
    Pena que o mundo inteiro tenha mudado pouco, mas a nossa coragem não pode mudar jamais.
    bjs.

    Valeu, André :-)
    Helê

    Gostar

  3. Eu tinha 20 anos. Muitas vezes parece ter sido há muito tempo, outas antes de ontem. Mas ao rever fiz as contas e vi que o tempo esse sim é um mago. E que o mundo não mudou muito, se não é no Brasil, na China, pode ser EUA, Coréia ou Russia… Tanto faz a questão é continuar lutando.

    É, Gisele, stay strong, struggle on!
    Beijo,
    H.

    Gostar

  4. Como desconhecemos nossa força, não?

    Gostar

  5. Eu acho essa foto tão emblemática. Eu tinha… bem, não interessa quantos anos eu tinha na ocasião, mas eu chorei com o episódio, pra mim é, desde sempre, o paradigma da resistência pacífica.
    E por falar em resistência x truculência, que absurda, desproporcional e violenta a ocupação da USP pela polícia essa semana, hein?

    Poizé, minina, seria esse o tar do eterno retorno?

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: