Mas é preciso ter raça

Fazia tempo que eu não sentia tanta vergonha. Terminava a entrevista com a bela Lucrécia Paco, a maior atriz moçambicana, no início da tarde desta sexta-feira, 19/6, quando fiz aquela pergunta clássica, que sempre parece obrigatória quando entrevistamos algum negro no Brasil ou fora dele. “Você já sofreu discriminação por ser negra?”. Eu imaginava que sim. Afinal, Lucrécia nasceu antes da independência de Moçambique e viaja com suas peças teatrais pelo mundo inteiro. Eu só não imaginava a resposta: “Sim. Ontem”.

Lucrécia falou com ênfase. E com dor. “Aqui?”, eu perguntei, num tom mais alto que o habitual. “Sim, no Shopping Paulista, quando estava na fila da casa de câmbio trocando meus últimos dólares”, contou. “Como assim?”, perguntei, sentindo meu rosto ficar vermelho.

Quando você for convidado pra subir no adro da Fundação Casa de Jorge Amado pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos, dando porrada na nuca de malandros pretos, de ladrões mulatos e outros quase brancos, tratados como pretos, só pra mostrar aos outros quase pretos (e são quase todos pretos), e aos quase brancos, pobres como pretos, como é que pretos, pobres e mulatos e quase brancos – quase pretos, de tão pobres – são tratados…

Ela estava na fila da casa de câmbio, quando a mulher da frente, branca, loira, se virou para ela: “Ai, minha bolsa”, apertando a bolsa contra o corpo. Lucrécia levou um susto. Ela estava longe, pensando na timbila, um instrumento tradicional moçambicano, semelhante a um xilofone, que a acompanha na peça que estreará nesta sexta-feira e ainda não havia chegado a São Paulo. Imaginou que havia encostado, sem querer, na bolsa da mulher. “Desculpa, eu nem percebi”, disse.

E não importa se os olhos do mundo inteiro possam estar por um momento voltados para o largo onde os escravos eram castigados. E hoje um batuque, um batuque com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária em dia de parada e a grandeza épica de um povo em formação nos atrai, nos deslumbra e estimula. Não importa nada: nem o traço do sobrado, nem a lente do Fantástico, nem o disco de Paul Simon… Ninguém, ninguém é cidadão.

A mulher tornou-se ainda mais agressiva. “Ah, agora diz que tocou sem querer?”, ironizou. “Pois eu vou chamar os seguranças, vou chamar a polícia de imigração.” Lucrécia conta que se sentiu muito humilhada, que parecia que a estavam despindo diante de todos. Mas reagiu. “Pois a senhora saiba que eu não sou imigrante. Nem quero ser. E saiba também que os brasileiros estão chegando aos milhares para trabalhar nas obras de Moçambique e nós os recebemos de braços abertos.”

A mulher continuou resmungando. Um segurança apareceu na porta. Lucrécia trocou seus dólares e foi embora. Mal, muito mal. Seus colegas moçambicanos, que a esperavam do lado de fora, disseram que era para esquecer. Nenhum deles sabia que no Brasil o racismo é crime inafiançável. Como poderiam?

Se você for à festa do Pelô, e se você não for… Pense no Haiti, reze pelo Haiti. O Haiti é aqui. O Haiti não é aqui.

“Fiquei pensando”, me disse. “Será que então é verdade? Que no Brasil é difícil ser negro? Que a vida é muito dura para um preto no Brasil?” Eu fiquei muda. A vergonha arrancou a minha voz.

Trechos em itálico: “Então é verdade, no Brasil é duro ser negro?“, reportagem de Eliane Brum publicada na revista Época de 19/6/2009 (via Blog do Sakamoto, no Reader da Ju Sampaio)
Trechos em negrito: Haiti, Caetano Veloso

-Monix-

7 Respostas

  1. No jogo de ontem, entre Grêmio e Cruzeiro, o jogador Elicarlos, do Cruzeiro, foi chamado de macaco pelo argentino Maxi Lopez, do Grêmio. Elicarlos registrou queixa. É o segundo episódio envolvendo jogadores argentinos proferindo ofensas racistas no Brasil – o outro, salvo engano, ocorreu contra o jogador Grafite, ex-São Paulo. Nos anos 60, quando Pelé jogava no Santos, numa final de Copa Libertadores, o Rei sofreu o mesmo tipo de ofensa da torcida do Boca Juniors, desta vez em solo argentino. O maior jogador de todos os tempos respondeu em campo,marcando dois gols e sagrando o Santos campeão da competição. O que dirá a Justiça brasileira no caso do Maxi Lopez? Que o que acontece nas quatro linhas “morre” ali dentro, como afirmou, estupidamente, Luiz Felipe Scolari (aliás, ex-técnico do Grêmio)? Até quando vão continuar tratando manifestações racistas como “mal entendidos”?

    Gostar

  2. Monix, acho que vale a pena ler este post do Nassif com o texto do Rui (que provavelmente apareceu num post que ele tb fez com esse texto). link: http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2009/06/23/o-preconceito-contra-os-filhos/#more-31236
    Entendo o título do seu post com é preciso ter firmeza / grande determinação (definições possíveis para raça), porque no mais, concordo com o final do texto do Rui.
    “P.S.: eu vivo repetindo: cachorro pode ter raça; gato pode ter raça; gente pode, no máximo, ter cor diferente. Raça? Somos todos da RAÇA HUMANA (ainda que muita gente se esforce para me convencer do contrário)!!!”

    Gostar

  3. VERGONHAAAAAA! VERGONHA NACIONAL!

    SE ME PERMITE, VOU FAZER UM LINK PARA O SEU POST NO MEU BLOG. POIS FICOU IMPRESSIONANTE O TEXTO COM OS TRECHOS DE HAITI.

    ISSO PRECISA PARAR!!!

    BJS

    Gostar

  4. Fato. Aqueles comentários estão impossíveis de ler. Sugerir que uma ruiva teria recebido o mesmo tratamento, dizer que os negros de autoestima baixa e por isso levam ‘pra esse lado’, é muito triste.

    Ficou muito emocionante essa montagem com trechos de Haiti.

    Gostar

  5. eu li 3 comentários e parei por ali. que nojo, que vergonha… 😦

    Gostar

  6. o mais incrivel é alguem precisar do depoimento dessa moça pra saber q tem racismo no brasil…

    alex, o mais incrível é alguém ler esta mesma reportagem e continuar duvidando. dá uma olhada nos comentários à matéria da época. é coisa de arrepiar. bjs, monix

    Gostar

  7. Realmente é difícil tecer qualquer comentário a respeito de uma situação como essa.
    É vergonhoso que isso ainda possa existir no nosso país mestiço.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: