Identidade & poder

Impressionante como, no Brasil, basta que os negros afirmem sua identidade para que muitos, não-negros em sua maioria,  se ocupem de tomar para si a responsabilidade, a autoridade e o direito de decidirem sobre a identidade dos outros. Imagine qualquer grupo social retratado na imprensa  tendo sua identidade questionada sistemamticamente. Os supostos favelados, os assim chamados ricos, os pretensos brancos, os supostos classe média. Pois não passa uma semana nesse país sem que uma matéria na imprensa retrate os quillombolas como “supostos”, uma maneira, no mínimo, mal-educada de iniciar uma fala, qualquer que seja. Embora nenhuma dessas matérias dedique mais de 3 linhas para aprofundar a questão da identidade, todas elas debocham e desacreditam daquilo que constitui o interlecutor ou personagem como tal, desmantelando de antemão qualquer fato ou reivindicação a ele relacionado. Afinal, se duvidam de sua existência, todo o resto fica também sob suspeita.

Impossível não fazer a correlação com a discussão sobre cotas, que leva inevitavelmente à discussão sobre identidade negra. Há comissão em universidade para isso, intelectuais de diversos matizes a discutir, estatísticas para todos os gostos a opinar sobre algo que antes nunca pareceu ser uma questão: quem é negro no Brasil. Nunca antes na história desse país, como gosta de dizer o presidente Lula, essa questão foi tão discutida, ou, com o perdão da redundância, questionada.

O fato é que a elite brasileira – e entendam aqui este grupo de maneira ampla e diversificada, cabendo os adjetivos branca, intelectual, econômica e tantos mais – acontece que a elite brasileira não aceita nenhuma identidade que não seja por ela outorgada. Quando ela diz quem são os pobres, pretos, favelados, remediados, infratores, delinquentes não há suposições. Basta que qualquer desses grupos tome pra si aquilo que lhe é carimbado como defeito e o transforme em atributo para que a elite lhes queria confiscar a identidade, fragilizando-a.

Helê

Anúncios

5 Respostas

  1. Nossa, Helê, só hj li. Muito bom msm.

    Gracias, Rê.
    Bj,
    H.

    Gostar

  2. Brilhante, Helê. Permita-me dar nome a esta turma, encabeçada pelos Alis (descendente de sírios!), Magnollis (descendente de italianos!) e Maggies (descendente de ingleses?) da vida, que se arvoram a “taxonomistas” da negritude: SÃO REACIONÁRIOS. Essa é a palavra, que tem origem em “reação”, e é usada para identificar o comportamento de grupos resistentes a mudanças sociais, em geral preocupados em preservar um status quo que lhes privilegia. No que diz respeito às discussões sobre a situação do negro no país, essa ação reacionária já atingiu o nível do insuportável. Virou uma guerra ideológica, encabeçada pelas Organizações Globo, historicamente reacionária nesta questão. Não é de hoje que a posição dos Marinho é esta. No depoimento de Abdias Nascimento ao livro “Fala, Crioulo”, de Haroldo Costa, o grande mito da luta antirracista no Brasil lembra que foi enxovalhado pelo jornal quando criou o Teatro Experimental do Negro. Isto nos anos 50… A guerra é antiga, e remonta à Abolição da Escravatura, quando se discutiam – mesquinhamente, desumanamente, vergonhosamente – os “prejuízos” ao país que seriam causados pela libertação dos escravos, considerados semoventes do patriarcado rural. A Abolição foi uma guerra travada pelos jornais entre membros da elite, a qual pertenciam, inclusive, os abolicionistas. Essa mesma guerra é retomada agora, mais de um século depois, na questão dos quilombolas e na questão das cotas. E como em toda guerra, vale a máxima de Churchill: We shall overcome. We’ll never surrender.

    Oportuna lembrança essa do Churcill, Chris; gracias.
    Besos,
    Helê

    Gostar

  3. nossa, helena, que texto incrível. Esse seu último parágrafo é tão, mas tão representativo de como as elites pensam. que coisa.

    Gostar

  4. Como eu entendo a sua posição.
    Basta ver as discussões sobre a inscrição – 100% negro – nas camisetas que…argh!!! Seria pra rir se não fosse tão demente.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: