Era um Vez

Como aprendemos com a Mani, que por sua vez bebeu na fonte original do psicanalista Bruno Bettelheim, os contos de fadas falam “de todos os níveis da personalidade humana, comunicando de uma maneira que atinge a mente ingênua da criança tanto quanto a do adulto sofisticado.” Ou seja, através das famosas histórias da Carochinha, tratamos de sentimentos comuns a todos nós, tais como inveja, medo, raiva, medo da morte – e aprendemos a lidar com problemas existenciais de uma forma simples, “deixando questões complicadíssimas ao alcance das crianças”.

Engraçado que eu não tinha ainda lido o livro do Bettelheim e já implicava com as versões politicamente corretas de canções infantis tipo ‘não-atire-o-pau-no-gato-não-devemos-maltratar-os-animais’. Não que eu seja a favor de que se atirem paus em gatos nem dos maus tratos aos animais, é claro que não. Mas acho que intuitivamente identificava nesse revisionismo um processo que no fundo desenriquece (opa, acho que inventei uma palavra!) o imaginário infantil. A sequência inevitável desse caminho seria uma esterilização dos contos de fadas – já pensaram uma Chapeuzinho Vermelho que chama a Sociedade Protetora dos Animais para cuidar do Lobo Mau (ou seria o Lobo Psicologicamente Desajustado)? Ou uma boadrasta da Cinderela que cuidasse muito bem da filha do marido com a primeira esposa? E a resolução de conflitos, onde fica?

Porque a gente aprende, quando se aprofunda um bocadinho no tema, que a madrasta malvada nada mais é que uma forma que encontramos para lidar com a raiva que temos da nossa própria mãe, sem precisar direcionar a ela nosso impulso destrutivo. É mais saudável odiar a madrasta da Cinderela do que nos voltarmos contra nossa figura materna.

Portanto, que fique bem claro que eu sou super a favor de que se preservem os contos de fadas em suas versões originais, inclusive contando-os para crianças pequenas com as perversidades neles incluídas (entre os meus contos de fadas favoritos destaco Rapunzel, Moura Torta e outros bem pouco inocentes).

Isto posto, não deixo de me divertir com os crossovers que vêm sendo feitos com os personagens de contos de fadas, ou a pura e simples atualização daquele universo.

Encantada, a princesa que foi jogada na Nova York do século XXI, sonha com um sapatinho Manolo Blahnik?

A Ju Sampaio compartilhou no seu indispensável Reader uma notícia da BBC sobre o lançamento, na Espanha, de um livro que traz as princesas dos contos de fadas para uma realidade bem mais próxima da nossa – com direito a Prozac e vegetarianismo, entre outras coisas. Parece quase tão interessante quanto Fábulas, a saga de quadrinhos adultos que mostra personagens clássicos vivendo em uma comunidade clandestina na Nova York contemporânea: o Príncipe Encantado é o ex de todas as princesas (e obviamente um cafajeste do pior tipo); Branca de Neve é a chefona durona; e o Lobo, após tomar forma humana, fica bem mais, digamos… fazível. Nham, nham para ele. 😉

 -Monix-

Anúncios

6 Respostas

  1. É por isso que eu amo voces!!!

    Gostar

  2. […] Posted on Quarta-feira, 27 Janeiro, 2010 by dufas Comentários da Mani nos posts sobre contos de fadas, que mereceu vir para a porta da frente: Cara, a Cinderela é uma revolucionária! […]

    Gostar

  3. Já que me citaram (pôxa, brigadinha :))…
    Cara, a Cinderela é uma revolucionária! Escravizada e explorada por uma tirana ela conseguiu dar a volta na madrasta e nas irmãs e IR NO BAILE DO PALÁCIO!
    Claro, precisa ler a história no original e não aquela bobagem água com açucar da Disney. E a Bela adormecida? Ela é a atriz principal , o príncipe só aparece no final pra dar um beijinho…
    Aliás, quem quiser uma heroína dramática e proativa deve procurar a Pele de Asno.
    As histórias com bichos são as preferidas até os três ou quatro anos e o Lobo Mau é campeão histórico.

    Gostar

  4. […] os contos e as fadas Posted on Terça-feira, 26 Janeiro, 2010 by dufas A Anna V. deixou um comentário bem bacana e divertido sobre o último post da Outra que eu ia responder lá, mas decidi trazer aqui pra sala. Eu implico […]

    Gostar

  5. Ana Paula, já escrevi exatamente a mesma coisa sobre Atirei o Pau no Gato… que coisa! Sobre os contos de fadas, aqui em casa vivemos uma fase de total obsessão pelo Lobo Mau. Então é Chapeuzinho Vermelho e Os 3 Porquinhos non-stop. Das outras histórias, a única que não conto porque acho podre é a da Cinderela, que é uma idiota completa. Primeiro, por se submeter àquela situação com a madastra e irmãs feias. Segundo, porque ela só é heroína porque é bonita. No baile, ela não fala nada com o príncipe, tanto que ele nem sabe o nome dela! Uma songa-monga. Diferente da Branca de Neve, que é uma mulher que, vá lá, se adapta às circunstâncias. Quando ela percebe que o que tem à mão é uma casa com 7 anões, respira fundo e vai à luta. É do tipo que faz do limão uma limonada, o que dá para a gente apreciar.

    Gostar

  6. Concordo. Sou supercontrária às modificações politicamente corretas e chatérrimas das canções infantis. E não vejo nada demais em cantar “boi da cara preta” pros nenens dormirem, pelo contrário. Aliás, já escrevi alhures que acho até que cantar “atirei o pau no gato” ajuda as crianças a não atirar o pau no gato de verdade, uma vez que permite que elas escoem a agressividade na fantasia, evitando que precisem concretizar os instintos.

    Eu adoro esse livro do Bettelheim, só pra constar.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: