Culpa? Não, obrigada.

Culpa é, digamos, um bem comum, democraticamente distribuído. Todo mundo vez ou outra cede a esse sentimento estéril, mesmo que saiba de sua inutilidade. Estive pensando porque que a gente é assim (como já fez o Cazuza). Culpa pra quê? Qual a função desse sentimento pesado e opressor como um bloco de concreto sobre o peito? Ocorreu-me uma possibilidade: que a gente se culpa pra ter uma explicação. Frente ao injustificável, ao incompreensível, ao inaceitável, toma-se pra si a culpa pelo acontecido, para ter a ilusão da compreensão e do controle. Na falta de justificativa para o fim de um amor, para a morte de um amigo, para injustiça de uma criança doente, para aquilo que nos parece totalmente irracional, a gente racionaliza se culpando, das maneiras mais absurdas e patéticas possíveis.

Falsa e perversa solução. Talvez se, numa atitude mais zen, aceitássemos o fato de que não sabemos quase nada, se abríssemos mão da fantasia de que é possível controlar o incontrolável – a vida – nos culpássemos menos (a verdadeira culpa, a mais nociva, é a auto-impingida. A culpa que nos jogam no colo só se aninha se encontrar acolhida). Talvez, se pudéssemos ser menos arrogantes com a vida pudéssemos ser também mais generosos e solidários conosco.

A culpa, como qualquer fantasma, não resiste ao confronto. Na maioria dos casos, ela simplesmente não procede: nada que pudéssemos ter feito diferente poderia realmente mudar os fatos. Em outros tantos, jamais saberemos. Nos que resistem, se encarada com coragem e franqueza, a culpa fica do tamanho que tem, quase sempre menor que o imaginado. Para ter alguma serventia não deve ecoar insistentemente, apenas marcar em negrito uma advertência. Assim, deixa de ser uma bola de ferro amarrada no pé pra ser só um carimbo: não repetir.

Helê

(Publicado originariamente em preto e branco em 29 de março de 2006)
Advertisement

3 Respostas

  1. Post muito legal, mas não concordo com vc quando diz que a culpa é ampla e democraticamente distribuída pelo mundo. Gente ruim não sente culpa.

    Os grandes fdp do mundo não sentem culpa nenhuma, apesar de todo o mal que causam a um montão de gente.

    Sentir culpa é coisa de gente que é boa, que faz autocrítica, que tem noção do que é ética, do que é justiça. Mas que, de vez em quando, pisa na bola (ou acha que pisou), como qualquer ser humano normal. Sentir culpa não é pra qualquer um.

    mil beijos

    Interessante seu ponto de vista, Meg. Tô pensando sobre, ainda não cheguei a uma conclusão. Mas agradeço um monte, adoro quando me devolvem a bola desse jeito, e tenho que repensar o que escrevi.
    Beijo enomis,
    Helê

    Gostar

  2. Perfeito, Hele. Assino embaixo.
    bjs

    Gostar

  3. ponto de vista interessante, e concordo plenamente! gosto muito da maneira como vc escreve, venho aqui quase todos os dias… informação e diversão…
    beijo.

    Obrigada, Marciana, estava sumida, heim? Apareça mais.
    aquele abraço,
    Helê

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers gostam disto: