Aqui entre nós

Helê

Assunto

Outro dia estava em uma reunião e minha interlocutora tentou fazer uma comparação entre determinada situação de trabalho e uma propaganda da(o?) B*tic*rio. Aí eu tive que fazer aquela famosa cara de paisagem e dizer que não sabia do que ela estava falando, porque não assisto televisão.

Era uma reunião tensa, em que várias coisas difíceis foram ditas, mas este foi o único momento em que ela esboçou uma reação mais, digamos, intensa. Deu um pulo para trás na cadeira e perguntou: “Quem não assiste TV?” Eu devo ter feito uma cara meio ridícula, e ela, tentando consertar, emendou: “Que assunto têm essas pessoas?”

Bom, achei melhor não responder, mas vá lá: além de temas de interesse mais geral, tipo filmes, livros, política, restaurantes, viagens, notícias, eventualmente até fofocas de celebridades (ninguém é de ferro), na maior parte do tempo falo de coisas que aconteceram comigo, ué. Falo sobre meu filho, minha família, meu namorado, meu trabalho, sei lá. Falo da minha vida, e não da vida dos outros, eu acho. Nunca parei para medir (alguém sabe se já inventaram algum tipo de assuntômetro?), mas uma coisa eu garanto: falta de assunto é um mal de que eu definitivamente não padeço.

-Monix-

Update: contribuição das Organizações Drops para o debate
bom, veruca, vc vê. eu, que vejo televisão o dia todo faço a mais absoluta questão de não saber nada. Quando a minha boa mãe entra no meu quarto dizendo “você viu que…”, imediatamente eu começo a ouvir aquele som que o Homer Simpson ouve quando a Marge fala com ele, aquele nhomnhomnhomnhomnhom enquanto no cerebrinho dele a gente vê ele dançando tango com um macaco. Ao contrário da Monca que busca a informação, eu vivo aqui, nessa bolha suspensa, morreu, não sei, casou, ah?, ministro qual?, que terremoto?, foi? Leio os mesmo livros, ouço Chico-Bach-Paulinho da Viola-Premê-Vanzolini, vejo o mesmo Henrique V e só sei quando descobrem um dinossauro novo ou um templo novo no egito (cês viram aquele em alexandria que prova que os faraós da dinastia dos ptolomaicos seviam aos antigos deuses? do carááááleo), pq meu irmãozinho – que sabe bem o monte de estrume que eu sou – faz os mais divertidos clippings do universo, e me abastece. “Bi, o vaticano comprou outro telescópio, aqueles cornos”. E o pior, eu nem quero debater. Nas minha raras mesas de bar, começou aquele assuntinho “a visão do diretor”, “a viagem do lula pra cuba”, “a sociedade a nível de universo”, eu pego meu copo e vou pro balcão. Quer dizer, velha, chata, inútil e alienada, ainda por cima. E, pra piorar tudo, ainda roubo e-mails de vcs pro livro novo. É uma calhordice sem fim, minha mãe tem razão.
Fal

%d bloggers like this: