Enfim

 

Temos nossa presidenta.

Depois do Chile. Bem depois da Argentina.

(Nos Estados Unidos, o presidente negro veio antes da presidenta mulher. Aqui, esperamos que seja apenas uma questão de ordem dos fatores.)

Agora é torcer pelo Brasil, torcer para que dê tudo certo. Agora é Dilma. É a vez da mulher.

-Monix-

Na reta

No segundo turno eu tentei vencer minha preguiça paquidérmica algumas vezes para argumentar em favor da minha candidata. E para minha surpresa não ouvi nada realmente consistente – a maioria era ainda mais preguiçosa que eu, e se escondia atrás do primeiro argumento que encontrava pela frente. Coisa tão rasa e superficial que não durava 2 minutos de conversa e evaporava. Segue aqui a derradeira tentativa de botar pra correr uma ou duas justificativas mais esfarrapadas que desculpa de adolescente:

Sei lá, eu não confio na Dilma. Não gosto dela. Nem dele.

Seguinte, pessoa: ela é candidata à presidência, ela não vai passear com seu cachorro, nem guardar a senha da sua conta. E, vem cá, precisa gostar? Você também não vai dar uns amassos nela nem virar BFF. Entenda que votar é algo que nem sempre a gente faz com tesão. Eu já votei com lágrimas nos olhos, filho no colo, emocionada até as orelhas. E já fui lá cumprir meu dever – mas sempre com feliz por ter essa opção. Tem uma geração para a qual essa frase não faz muito sentido, mas olha: poder votar é algo muito recente. E faz parte do aprendizado da democracia perceber que votar pode dar menos ou mais prazer, mas não deve nunca ser “taked for granted”. Gostar eu gosto de cerveja e de praia. Por um presidente eu espero ter menos emoções e mais informações sobre suas habilidades, alianças e projetos.

Eu já não gostava dela, agora que ela é contra o aborto e o casamento gay...

Essa frase então, mon dieu!, é emcimadomurismo muito mal-disfarçado. Sabe o que eu ouço quando me falam isso? Eu já não queria mesmo me meter e agora, oba!,  tenho uma justificativa para não me comprometer com essa história. Foco, gente: quem levou a conversa para esse lado e por que? Qual é o real poder de um presidente nestas questões? Isso orientou o seu voto para o legislativo, onde elas realmente importam? E, seriously, o Serra e o Índio têm a postura que você espera sobre esses pontos?

Cara, campanha não é um troço bacana, sobretudo no 2º turno. Não sei se em algum lugar do mundo inventaram outro jeito, mas aqui é phoda. A Dilma fez concessões durante a campanha. Não é agradável, concordo. Mas, sinto muito, amigo, that’s politics. Também não gostei desse papo de “mãe dos pobres”, por exemplo. Acho péssimo ter que play the mom card para provar o valor de uma mulher. Mas da mesma maneira que o eleito não vai governar só pra mim ou pra minha classe, a campanha é pensada para todos, inclusive para aqueles para quem esse discurso cola. Paciência e foco, para separar o marketing da essência.

Vou anular meu voto.

Olha só, eu já anulei meu voto algumas vezes. Eu tenho respeito enorme por que faz essa escolha que, quando consciente e consistente, é difícil e até dolorosa. Gente que eu admiro muito politicamente, como o meu pai, por exemplo, fez essa opção e eu não tenho vontade de convencê-lo do contrário. Do mesmo modo que não tento modificar um peessedebista convicto e informado.  Mas me incomoda, chega a pinicar a consciência, o voto nulo da preguiça ou do descompromisso.

Votar dá trabalho, gente. Porque pensar é grátis mas ninguém disse que era simples. O discurso que aparece aqui com alguma coerência é fruto de alguma queimação de mufa e muita conversa, leitura, além do acompanhamento das ações do governo ao longo do mandato e não apenas durante a campanha. Eu não sou e nunca fui de partido algum, portanto minha escolha não segue um alinhamento, mas resulta de muito questionamento.

Evite o atalho, revire suas convicções, ouça com a mente aberta. Se depois disso você resolver anular o voto por convicção e não por comodismo, apenas para tirar o seu da reta, beleza. Pior que se arrepender de ter votado errado, é se omitir diante de algo tão importante, pelo qual tanta gente lutou, quanto escolher o presidente da república.

Helê

Cidadania para los ninõs

Eu não poderia deixar de  comentar nossa participação no Bloco da Dilma no domingo passado. Para nosostras, duas cascudas, ex-balzacas, “meio intelectual e meio de esquerda”, foi mais uma manifestação política pública à qual participamos, não sem alguma preguiça, ainda mais num domingo cinzento. Mas essa teve um sabor especial porque levamos os fridinhos.

Foi uma experiência pitoresca a primeira passeata dessas crianças que, queira Deus, vão assistir à eleição da primeira mulher à presidência do Brasil – e mais tarde poderão dizer que participaram, de algum modo. Estavam animados e mais questionadores que nunca: “Mãe, o que é democracia?” “O que é partido?” “A Dilma e o Lula também votam?” “Porque ele escolheu ela pra ficar no lugar dele, mamãe?” Nós, polvas como só as mães conseguem ser, tentávamos passar lições de Cidadania 1 e 2, olhar o trânsito, segurar a mão dos rebentos e D. Monix ainda tuitava, vejam vocês.

Na verdade eles queriam detalhes, porque são ambos Lula kids, nascidos em 2002, de casais de histórico de esquerda . A minha fridinha quase chorou quando soube que o Lula, que ela adora, não ia mais ser presidente (“POR QUE não?!”), mas embarcou na campanha da Dilma, talvez antes que eu, “porque ela é do Lula, né, mamãe!”. Lo friducho, também com o voto firme, não teve dúvidas quando viu Cláudio Luiz chegando, estiloso, com uma camisa do Santo Guerreiro: “Mãe, o Serra é o dragão e a Dilma é o São Jorge!”.

Então, pssouas indecisas e eventuais peessedebistas que estejam nos lendo: como não votar na candidata dos nossos filhotes fofos? Heim? Heim? (Alô militância, últimos dias de campanha, temos que usar todas as armas! E você aí, que tá torcendo o nariz, isso não é golpe baixo, é da mais altíssima cepa!).

*

Ainda teve o plus a mais de encontrar cazamigue da timeline, a galera com quem tuitamos. Haline, na verdade, foi o estopim de tudo: com um singelo “ué, leva a cria” me fez considerar a possibilidade. Quando dei a ideia para a pequena pessoa ela aderiu entusiasticamente e ainda sugeriu chamar a tia Moniquis e o pequeno, e lá estávamos nós, com mais a Lôra, su maridón e o filhote, além da Sabrina. Não ficamos muito tempo juntos porque o prazo de validade dos meninos venceu, mas foi uma delícia essa espécie de tuitação em 3D.

*

Momento Hoje eu vou assim para passeata: eu dizendo pra filhota que nos eventos do PT o povo veste vermelho. Toca a procurar uma roupa dessa cor, revira armário e tals. Aí vou me vestir e lembro-me da minha camisa branca, agora vintage, com a frase “A esperança venceu o medo”, que tem ainda outro adicional histórico: tenho uma foto vestindo essa roupa com a pequena no colo, com dias de vida (Lula Kids, num disse?). Dúvida entre essa e a vermelha do Mengão (que inclusive já me deixava pronta pra torcer mais tarde). Vesti as duas e pedi a opinião da menor. “Mãe, a branca te deixou balofuda, a vermelha justa ficou melhor”. Em 2010, a estética venceu a história.

*

Agora vou falar à vera pra vocês: sabem qual foi o ponto máximo da passeata pra mim? A hora que uma alegre e elegantíssima pssoua chegou pra mim e pra Mô e disse assim, na lata “Ei, vocês são minhas blogueiras favoritas! Você não disse que era pra gente se apresentar? Então!” Eu dei logo um abração, que eu sou disso, vocês sabem. La Outra, entre emocionada e atônita, só perguntava, “Mas quem é você, qual o seu nome?” E a leitora ainda chamou o marido e apresentou: “Essas são as Duas Fridas que eu leio sempre e tal”. E eu, eufórica, dizia pra Monix: “Deu certo, deu certo!” Corri e pedi pro Príncipe registrar o momento, porque aqui é assim, nós é que corremos pra tirar foto com leitor. Foi rápido e confuso – no mei da passeata, olhando as crianças – mas foi uma alegria enorme, emocionante mesmo, G., conhecer você e sentir esse carinho. Mirem-se no exemplo, leitores e leitoras!

 

Fãs da fã

Helê, com a revisão e aprovação da Monix

PS: Sem querer insistir, assim como quem não quer nada…aviso que estamos perto do comentário 3000, portanto, há mais uma Mariola Dufas em jogo…

Pideite!: Agora com foto da Gei – devidamente autorizada, que a gente não tá aqui pra fazer outing de ninguém, hohoho.

Das causas impossíveis

Salve São Judas Tadeu!

Poderoso São Judas, dá pra fazer meu salário durar mais que o mês?

Ou pelo menos empatar?

‘gradicida,

Helê

Leve

Helê

(Com assunto mas sem tempo!)

Força na peruca

Olívia Palito, Tin tin, Betty Boop, Luluzinha

Charlie Brown, Astroboy , Obelix, Wilma,

Smurfete, Salsicha, Josie & the Pussycats, He-man

Thundercat, ________ (1986), Calvin, Hommer Simpson

________(1993), ________(1995), Calvin Dexter, ________(2000)

 

Complete o quadro e ganhe uma mariola.  Respostas nos comentários, please.

Helê

French Kiss

 

Mais uma foto sensacional do Big Pictures, na cobertura da greve na França.

Helê

 

%d bloggers like this: