Serendipity – revisitada

O texto que segue foi publicado orinalmente em 1º de novembro de 2005. O comentário da Vera no post Mandando bem, no qual ela conta que chegou aqui  pelas mãos da Isabel Allende ;-)  me levou a resgatá-lo do porão, tirar-lhe a poeira e colocá-lo novamente aqui na sala de estar. Como uma maneira de agradecer a simpatia e a generosidade dessa nova leitora. Devo admitir que também fui influenciada pelo excelente livro que leio em que Destino e Fado são personagens. Serve ainda como aperitivo para a um post ainda em gestação sobre revolução digital.

Espero que não reparem: o post é requentado mas ainda preserva o saber sabor*, creio eu.

Acontece comigo, não é raro, de cair de amores por certas palavras. A ponto de ficar ouvindo e pensando nela, como quando a gente cisma com uma música, ou quando se enamora por gente mesmo. Pode ser o som, o significado, a origem, mil coisas podem provocar esse enamoramento – assim como quando a gente se apaixona “de verdade”. Minha mais recente paixão foi por serendipity:

Serendipity: the faculty or phenomenon of finding valuable or agreeable things not sought for (Merriam-Webster Online Dictionary)
(A capacidade ou o ato de encontrar algo agradável ou valioso sem que se esteja procurando por isso. TTS – tradução tosca e safada)

Convém lembrar que a conheci entrando num blogue que parece abandonado, que constava nos favoritos de outro, no qual entrei porque o título era o mesmo de uma música de Cat Stevens. Ou seja, era um caso claro daquilo que eu lia, porque eu realmente não procurava por aquela informação. Fiquei fascinada com o som, com o sentido e com o fato de não haver correspondência em português para esta palavra. (Parece-me significativo que exista na língua de colonizadores). Tratei então de conhecê-la melhor, o que só fez aumentar minha admiração: a palavra serendipity tem pedigree, certidão de nascimento, pai conhecido, árvore genealógica. Numa busca simples pela internet sabe-se a primeira vez em que foi usada, por quem e baseada em que.

Encanta-me sua precisão e especificidade: não designa apenas o acaso, qualquer acaso, mas aquilo que se encontra de bom, sem intenção. Não é o resultado de uma pesquisa, tão pouco uma descoberta qualquer que cairá no esquecimento em curto prazo. Trata-se de algo necessariamente bom, útil, interessante ou agradável, que encontramos sem que estivéssemos procurando.

Pode ter surgido no século dezoito e vindo do Oriente, mas para mim é extremamente atual e tem tudo a ver com a grande rede, a blogosfera e tudo o que contém ou está contido nesses espaços. Porque não foi por outra força, senão por serendipity, que eu pude estar no lugar e na hora certos frequentando o melhor dos botecos, redimensionando distâncias e redefinindo conceitos (como ‘virtual’, por exemplo). Não foi por outro fenômeno que eu (re)encontrei amigas de uma infância imemorial. Não fosse pela ação poderosa da serendipity e eu não estaria hoje aqui, escrevendo com a Monix esse blogue. Fosse Serendipity uma divindade e eu renderia graças.

Helê

*Só hoje (28/11) notei a troca, mas ‘saber’ também funciona. Pra vocês verem que a minha culinária é tão ruim que erro até nas palavras relacionadas com o tema, tsc, tsc, tsc…

6 Respostas

  1. Serendipity seja louvada!

    Gostar

  2. Eu não conhecia ainda o post. Lindo, lindo. E é como a Vera disse aí em cima: parece mesmo que o termo foi feito para o mundo virtual…

    Também acho, Dani, que é uma palavra muito apropriada para esse nosso espaço…
    Beijão!
    Helê

    Gostar

  3. Descobrir este blog foi, para mim, um caso de serendipity.
    Um beijo, alias, dois.

    Dois pra vc também, Gaby, de nosotras!
    Helê

    Gostar

  4. Olá Helê,
    Primeiro super obrigada pelo carinho. E agora aprendi a seguir este blog, como também achei na página as informações sobre as duas fridas ( agora sei que a outra é a Monix) e algo da história do espaço. As palavras, para quem gosta, são como instrumentos musicais. O reino do “serendipity” deve ser o mundo virtual. Há encontros aqui muito inusitados e que se tornam essenciais. Quanto a ser o serendipity uma dividande e quem te disse que não é? Aliás, uma não, várias e femininas. Se o amor é Afrodite, o êxtase é Baco e tantos outros , serendipity são as Moiras; que vão tecendo seus fios, trazendo-nos o imponderável. Tão poderosas que até Zeus diante delas se curvava. Ah o acaso…. faz surpresa prá nós! Um beijo, agora serei avisada sempre que houver post novo e venho aqui passear.

    Que beleza, Vera das Alterosas (isso é que é nick, viu?)!
    Coincidência você falar nas Moiras, que eu conheci por causa do livro que acabei de ler, ‘Fated’. É tão bom que merece um post, que farei em breve, prometo.
    Beijo grande e aquele abraço.
    Helê

    Gostar

  5. Serendipity e synchronicity porque justamente hoje eu pensei nesse post :D

    Beijos,
    Seal

    Toca aqui, sista! o/\o
    Helê

    Gostar

  6. Pô, depois de cinco dias de jejum, esperava um post novo… Mas tudo bem, “vale a pena ver de novo” é melhor que nada…

    Chris, dear, você é o único a reclamar da nossa periodicidade…
    E cinco anos depois vc nem lembrava mais desse, vai, se eu não entregasse vc não reclamaria, adorável rabugento ;-D
    Beijoca!
    Helê

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: