Alô, povão, agora é sério!

Então é isso: o verão carioca, insolente como ele só, já chegou.  O maçarico tá ligado, nenhuma mísera nuvenzinha no céu, mil coisas acontecendo na cidade, várias desculpas para beber. Num movimento migratório típico, já estão em solo carioca diversos visitantes e muitos exilados saudosos e sedentos – conto por alto uns três queridos presentes na cidade hoje, entre eles a Musa do G.R.B.C. Me chama que eu vou. A constatação definitiva de que desprezamos o solstício e mudamos de estação é que amanhã acontece na Lapa o primeiro grito do Carnaval 2011. Os Parasitas Garbosos já confirmaram presença e a aliança com o Me Chama.

O Estandarte do Sanatório Geral vai passar.

E não digam que eu não avisei ;-).

 

Helê

Anúncios

Parem as máquinas!

(Dar esse grito é o sonho de todo jornalista…do século passado, of claro).

Por favor, inaugurem suas agendas de 2011 anotando o compromisso abaixo, a estreia teatral do texto de Your Highness, Fal Azevedo:

Todos os detalhes no Minúsculos assassinatos e alguns copos de leite.

 

Clássicos

Esbarrei sem querer em um post do blog da Estante Virtual que me deu aquela vontade descarada de copiar. Como eu resisto a tudo, menos às tentações, estou a me apropriar da ideia, que consiste em perguntar aos leitores:

Quais são os seus clássicos?

Lá eles restringiram a pergunta à literatura, mas aqui amplio a questão para a música e o cinema. O conceito utilizado é o de Ítalo Calvino:

“Um clássico é um livro [disco, filme] que nunca acaba de dizer o que tem para dizer”

Achei absolutamente adequada essa definição, que se encaixa perfeitamente na minha classificação – que não revelarei por ora. Invertendo o fluxo natural do blogue, fico à espera das respostas de vocês antes de explicitar as minhas (ou as nossas, se a Sócia topar a enquete).

Pense com calma, como o querido aí de baixo.

Helê

Variações

Essa foto aqui

me lembrou esse curta aqui:

Helê

Domingo é…

8 de dezembro

Ora iê iê ô, Mamãe Oxum!

“E quem me ajuda
No meu caminhar nessa vida
Pra ir na corrida do ouro
É Oxum, é Oxum”

(Minha fé, Murilão gravado por Zeca Pagodinho)

Oxum é a rainha das águas doces, reina nos rios e cachoeiras. Senhora de todas as riquezas, é a mais bela das Yabás, a mais vaidosa, dengosa e sensual. Grande mãe, protege as crianças e  rege a fertilidade.

Helê


Fluminense – campeão brasileiro 2010

Parabéns, Sócia e demais leitores tricolores.

Helê, flamenguista, carioca e magnânima

%d bloggers like this: