Salvando palavras

Li um artigo do Sérgio Rodrigues* que lamentava o desaparecimento da palavra “maremoto”, substituída pela implacável “tsunami”. É um texto curtinho, bem escrito, com sacadas bem humoradas mas não óbvias e no qual o autor, embora se ressinta da perda, aceita e registra a inovação, sob protesto.

Não vejo outra maneira de lidar com as palavras, com a linguagem, ente pulsante e maleável, que é de todos e de ninguém. Nós que mantemos com ela relação mais intensa somos assediados pelas dúvidas sobre onde ceder e como resistir, onde encontrar a regra definitiva – como se fosse exata isso que nem é ciência, mas organismo vivo complexo e mutante.

Eu vivo oscilando entre acolher e até mesmo defender o novo – como presidenta – e recusar aberrações como “inicializar” (cruz credo!). Por um lado, persigo com sanha assassina o onipresente  “complicado” , essa erva daninha que contamina todo tipo de discurso e qualifica tudo:  o trânsito, o aumento do salário, o Oriente Médio e o banheiro químico. Tudo é complicado; nunca mais as coisas estiveram congestionadas, distantes, complexas ou inviáveis. Confesso, porém, que acompanho certos modismos, tipo, usar “tipo” como vírgula ou dois pontos na fala – mas vamocombiná que tem gente que usa como respira, chato demais!

Tudo isso para dizer que eu não me considero uma conservadora apegada e intransigente, mas  quero me juntar ao  Sergio nesse lamento pela supressão de  “maremoto”. Mais uma palavra que se vai, empobrecendo a língua e a todos nós. Seria louvável uma iniciativa como a do “Save the words”, que estimula o visitante a conhecer e adotar novas palavras, espalhando-as, salvando-as do esquecimento. Os responsáveis pelo site afirmam que  “90% do que escrevemos é comunicado por apenas 7 mil palavras“.  Desconheço a fonte da informação mas me parece verossímil. Lendo os jornais ou assistindo ao notíciário televisivo tenho a impressão de que usam bem menos, uma mistura de preguiça, pressa e descaso tamanha que às vezes sequer conseguimos distinguir onde termina uma matéria e começa outra.

Se de fato as palavras são roupas que a gente veste, talvez estejamos botando fora algumas que ainda nos cabem, deixando de lado tantas outras clássicas e úteis, e repetindo muito alguns  modelos. Apesar de ter à disposição um guarda-roupa vasto, diversificado e belíssimo.

Helê

*compartilhado pela Monix, que por sua vez compartilhou link do Alex Castro.
%d bloggers like this: