Duas medidas

O jornal Valor Econômico publicou em seu suplemento de fim de semana reportagem sobre uma polêmica envolvendo o programa de animação Café Central, exibido em Portugal. No desenho, uma das personagens é uma prostituta que fala com sotaque brasileiro. A visão preconceituosa sobre a mulher brasileira rendeu uma série de protestos, e já circula um “manifesto em repúdio ao preconceito contra as mulheres brasileiras em Portugal“,  com pouco mais de 1.200 assinaturas.

É claro que essa visão estereotipada a respeito das brasileiras é ofensiva e deve ser criticada. Tentei assinar o manifesto, mas a petição está fechada pelo autor, por isso não consegui.
Mas não pude deixar de pensar o quanto é irônica a reação que nós brasileiros temos quando somos alvo de preconceito vindo “de fora”. Pois não percebo essa mesma energia sendo consumida para combater os preconceitos aqui dentro. A mulher brasileira é retratada com vulgaridade não apenas por portugueses (e demais “gringos”), mas principalmente por nós mesmos, por nossa TV, nossas propagandas, nossas músicas, nossas manifestações culturais. Nossa informalidade de comportamento, nossa menor repressão sexual (em comparação a países mais conservadores) é interpretada, tanto por estrangeiros quanto por nativos, com uma dupla medida: os homens são latin lovers, as mulheres são periguetes.
Quando movimentos sociais organizados protestam contra a representação estereotipada ou preconceituosa da mulher brasileira na mídia, todos gritam: patrulha! censura!, mas isso fica aqui entre nós. O que não pode é vir alguém de fora falar a mesma coisa. Aí sim somos valentes e sabemos defender a “honra” da mulher brasileira. Aí sim, de repente, o discurso politicamente correto deixa de ser uma chateação e passa a ter valor. Isso fala muito sobre a (falta de) empatia de que a classe média brasileira é capaz.
-Monix-
Advertisement

3 Respostas

  1. É isso.
    E mais: sem levar em conta que na boca de brasileiro o que são os portugueses?
    “Senso de humor” só daqui pra lá?

    Gostar

  2. Pois é, quando a top mais famosa do país, usando calcinha e sutiã, sugeria que se usasse “o charme da mulher brasileira” para negociar a fatura do cartão de crédito – quase morri de vergonha. Dela, da propaganda, da marca de roupas FEMININAS que se prestou a isso. Um deserviço a mulher brasileira.
    Mas parece que pouca gente se importou, tudo “bom humor”, feminista e chata é que não entende piada.

    Gostar

  3. perspicaz como sempre! não tinha pensado nisso, mas é verdade.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: