Bye, Greg

House se aproxima do fim e eu aguardo ansiosa, torcendo para que termine à altura do fascinante personagem criado por David Shore, brilhantemente interpretado por Hugh Laurie. Sentirei muitas saudades desse crápula charmoso, mas é o que se pode esperar, depois de oito temporadas.

Sou uma veterana nesse tipo de programa: acompanhei finais históricos como os de Friends, Seinfield, e Sex and the City , além de outros menos famosos mas igualmente bacanas como Will & Grace, Brothers & Sisters e Os anos Incríveis. E aprendi que, mais doloroso que o fim, é ver uma boa série virar um pastiche de si mesma. Em geral, na 3ª temporada a série atinge a maturidade: já existe certa familiaridade com os personagens, mas ainda é possível surpreender, divertir e emocionar. Poucas conseguem chegar à quinta mantendo o interesse; na sétima já forçam a barra.

Amo House desde sempre, vocês sabem, desde que este blogue era laranja e antes do programa ter sido o mais visto no mundo. Mas, seguindo a ordem natural dos seriados, perdeu fôlego com o tempo. Nas duas primeiras temporadas, esse doutor genial e intratável fascinou a audiência – além de nos alarmar com uma quantidade inimaginável de doenças bizarras. Depois, os responsáveis pela série realizaram um exercício ousado: após demarcar com firmeza os contornos do personagem, foram retirando dele características que o definiam para observar o que sobrava.  O médico manco, solitário, viciado, misantropo, voltou a andar em uma das temporadas, na outra reencontrou a ex-mulher, depois brigou com o único amigo, deixou o vício e por fim se apaixonou. O começo das temporadas sempre trazia uma pergunta: quem é House sem a bengala? E sem Vicodin? E sem Wilson? Quem é House apaixonado? O mais incrível é que a todas ele resistiu e continuou a ser Gregory House.

Outra estratégia dos roteiristas foi criar oponentes para o protagonista. Alguns foram episódicos, outros permaneceram por quase toda uma ‘season’, como um diretor do hospital, Vogler. Nem todos funcionaram – o policial que o perseguiu era chatíssimo; o melhor de todos foi o psiquiatra vivido por Andre Braugher, o único que parecia realmente à altura de House e que conseguiu dobrá-lo no memorável episódio “Broken”, talvez o melhor da série. Nesse especial que abriu a sexta temporada, House está internado num manicômio, curando-se do vício, e vai ao inferno. Tem atitudes absurdas, sofre feito um cão e por isso fica mais humano, frágil e vulnerável como nunca. Exceto pela temporada seguinte, quando finalmente vive um romance com Cuddy. Aliás, quanto mais vulnerável House, maior a maestria de Hugh Laurie: nessas situações ele demonstra todo o seu talento, entregando todo o desespero do personagem com apenas um olhar ou uma respiração fora do compasso.

Esse clip mostra alguns desses momentos: 

Na série como na vida “irreal”, o maior problema de House é House, um personagem extraordinário, coerente dentro do caos de sua lógica, que nos intriga, exaspera e, no último minuto, encanta. Mas nenhuma série vive de um único personagem, por mais fantástico que ele seja.  As tramas paralelas nunca empolgaram realmente. Cameron e Chase talvez, Foreman e Thirteen em alguns momentos, Taub e suas mulheres nunca. Nas últimas temporadas, sobretudo na oitava, os roteiristas estão repetindo situações, casos e até personagem: a Park de agora é apenas uma reencarnação da outra estudante CDF esquisita, a Masters da temporada 7.

Embora o programa já tivesse enfraquecido, teria sido excelente se terminasse na temporada passada, com House confirmando sua inabilidade para o amor ou superando a si mesmo e a todas as expectativas. Mas não o fizeram, e com a inesperada saída de Lisa Edelstein, nunca saberemos se eles teriam conseguido ficar juntos.  Como de costume, a 8ª temporada teve um excelente começo, com o médico preso, mas durou apenas um capítulo. Logo ele estava solto e sem freio, como o House lá do começo, praticamente sem limites, fazendo tudo aquilo que já o vimos fazer.

Então quando o fim se confirmou eu não lamentei verdadeiramente, porque a série já deu o que tinha que dar. E reconhecer o fim o torna mais palatável, por incrível que pareça. Como disse no início, desejo apenas que os roteiristas se despeçam com a excelência que cabe a esse personagem que nós odiamos amar.

Helê

Anúncios

4 Respostas

  1. Helê, morro de vontade quebrar o contrato social e dizer verdades incomodas. Ou apenas verdades. As vezes eu faço. E, como não sou um gênio, não arregimento admirações, como House. Às vezes desconfio de quem não gosta do Greg (rs): que povo sem sal, sem ironia, sem demônios internos. Mas, é só um personagem, né. E, sendo assim, vc tem toda a razão. Deviamos lembrar dele no auge. E o auge foi na sétima temporada. Acho que Hugh Laurie não vai encontrar outro personagem desse calibre. Como Sara Jéssica Parker e sua Carrie; Kiefer e Jack Bauer; Jenifer Aniston e Rachel, etc, etc.

    Quebrar o contrato social: é exatamente isso, é um das razões dele nos causar tanto fascínio, não é? Certerio, Gei.
    Obrigada por comentar, bj,
    Helê

    Gostar

  2. Helê, a gente sabe que tem que acabar, que já está se esgotando, etc. Mas que vamos morrer de saudades dele é inegável! 😦 Adorei o post, e as imagens tbm, geniais!

    Nossa, muuuita saudade do House. Ainda bem que ainda teremos Hugh Laurie 😉
    Bj,
    H.

    Gostar

  3. …e eu afinal só li agora o post!!! E… concordo com você, a série já deu o que tinha que dar. Mas sou do tipo que me vicio, e por enquanto não sei como vou viver sem House. Não quero nem pensar nisso…

    House: nosso Vicodin. 😀
    Beijo,
    Helê

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: