O Eterno Deus Mu Dança

E então nosotras fomos ver o show do Gilberto Gil no Teatro Municipal, mais uma vez graças à gentileza de uma leitora que nos presenteou no dia do aniversário do Dufas.

Eu acho o Gil um dos maiores gênios de uma geração rica em genialidades. Mas nem sempre foi assim. Quando comecei a me entender por gente e formar meu gosto musical, lá pelos anos 1980, eu era uma mocinha muito metida a intelectual e me encantei perdidamente pela complexidade vanguardística de Caetano Veloso. Eu pensava em Gil como alguém que entregava diversão, em canções tipo Punk da Periferia, enquanto Caetano produzia pérolas como O Quereres, Outras Palavras, Língua. Caetano era ‘cabeça’, Gil era pop (ou seja, menos interessante).

Até que fui estudar o movimento Tropicalista para meu trabalho de conclusão de curso da graduação, e eis que descobri que Caetano tinha Gil em tão alta conta que chegou a ameaçar abandonar a carreira musical se ele não voltasse a compor e cantar. Isso chamou minha atenção e a partir de então comecei a prestar muita atenção à sofisticação sutil deste “outro” baiano.

As canções de Gilberto Gil têm sempre várias camadas. Eu estava parando na primeira. Quando comecei a desdobrá-las, me apaixonei por sua obra e descobri que sim, trata-se de um gênio.

Sua vida é também muito interessante, e é ela que está sendo comemorada com este show batizado lindamente de “Gilberto Gil Sinfônico – Concerto de Cordas e Máquinas de Ritmo”. Os 70 anos do artista incluem alguns desvios de rota, como o ano em que ele se formou administrador de empresas e foi trabalhar em uma multinacional, em São Paulo. Alguém duvida que teria sido o primeiro CEO negro do Brasil? Mas ele tomou outra bifurcação, foi ser astro da música, e se tornou o melhor ministro da Cultura que o país já teve. Ou seja.

O show é de uma delicadeza ímpar, a emoção transbordando do palco para a plateia, que apesar de calorosa foi respeitosa, reverente. Não foi um show de um artista jovem, com músicas para dançar e pular e aplaudir e gritar. O repertório, escolhido cuidadosamente para refletir seus 50 anos de carreira, trouxe canções especiais, algumas pouco conhecidas, outras novas. O virtuosismo do Gil instrumentista e sua incrível capacidade vocal, aos quase 70 anos, comoveram a todos, inclusive a ele mesmo.

O espetáculo foi gravado e em breve será lançado um DVD comemorativo, com direção de Andrucha Waddington. Só digo uma coisa: comprem.

Monix, com um agradecimento especial à querida Geide

 

Anúncios

3 Respostas

  1. Mônica, eu ainda tenho em algum lugar em casa o trabalho sobre Tropicalismo X Titãs que eu, você, o Flávio e o Ricardo fizemos para o Messeder… O Gil, a meu ver, tem toda a complexidade intelectual do Caetano, com uma vantagem, que é a espiritualidade. Mas me diga, a voz dele anda em dia? Porque das últimas vezes que o vi ao vivo achei que não estava 100%. Beijão.

    Gostar

    • É, eu devo ter esses trabalhos também, tanto o de Cultura Brasileira (era essa a matéria? nem lembro) quanto a monografia que eu e Ric fizemos depois.
      A voz do Gil me chamou a atenção. Ele cantou lindamente, o tempo todo, impressionante para um homem de 70 (!!!) anos.

      Gostar

  2. Foi realmente um show inesquecível, por todos os motivos! Viva Gil!!!

    Gostar

Deixe uma Resposta para Monix Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: