Amigas de fé

Dizem que mulheres não são boas amigas.

Outro dia minha amiga* Carol lembrou deste assunto, lá no Facebook (nossa praça pública virtual, onde tudo acontece nesses dias que correm). O bordão é antigo, clichê que se reforça a cada piadinha, charge, reportagem (?) de revista feminina, propaganda: homens são amigos de verdade; mulheres só conseguem competir entre si. Para ilustrar o estereótipo, recorro a uma anedota que é quase uma parábola:

Dois casais de amigos se encontram casualmente. Os homens se dirigem um ao outro com as costumeiras ofensas que não passam de elogios disfarçados:

“E aí, viado? Tá mais gordo, hein?”

“E você, quando vai ser a inauguração do aeroporto de mosquito?”

Ao passo que as mulheres se cumprimentam com elogios protocolares:

“Querida, quanto tempo… para você, parece que o tempo não passa!”

“Você também está ótima! Cada vez mais elegante!”

Quando se afastam, o marido comenta: “Fulano é gente boa demais, me amarro nesse cara.” E a mulher responde: “você reparou com a Fulana engordou? Que horror, será que é problema de tiroide?”

 

Assim são os relacionamentos entre homens+homens e mulheres+mulheres, segundo o senso comum. Não me arrisco a formular uma hipótese (necessidade de controle patriarcal? distúrbios de auto-estima de toda uma população feminina? inveja do pênis ao contrário?), prefiro simplesmente discordar.

Ao longo da minha vida conquistei alguns amigos de fé, mesmo, tipo irmãos camaradas. Muitos deles são homens; a maioria, mulheres. Quando olho pelo retrovisor e lembro dos momentos difíceis da minha vida, minhas amigas estão sempre lá, segurando minha mão e ajudando a fazer a travessia. Nos momentos de sucesso e grandes conquistas, também – nada da inveja, competição, despeito. Apenas a alegria verdadeira compartilhada comigo. Gosto de pensar que também tenho sido uma amiga assim, que está presente quando é necessário dar apoio e também quando só o que se quer é alguém para aplaudir e curtir uma boa notícia.

Não acho que eu tenha tido mais sorte que ninguém. Pode ser que para algumas mulheres seja mais difícil encontrar amigas em quem confiar. Mas me parece que a história da vida privada é feita de solidariedade feminina – sem a qual custo a acreditar que seria possível sobreviver em épocas mais difíceis para o “sexo frágil” de então.

Meninas que se casavam cedíssimo e não tinham ideia de como cuidar da própria saúde após o início da vida sexual. Essas mesmas meninas que eram mães em idades em que hoje ainda se brinca de boneca (metaforicamente ou não). Mulheres que precisavam conhecer ervas que curassem, óleos que embelezassem, comidas que alimentassem. Mulheres que teciam e costuravam, as próprias roupas e as de toda a família. Todos esses conhecimentos – e muitos outros – eram transmitidos por essa rede de solidariedade, que existe até hoje, mas que tomou outras formas, talvez menos visíveis.

Não aceito mais esse clichê. Não posso – não seria justo com minhas inúmeras e maravilhosas amigas.

 

-Monix-

 

*E assim já começo o post desmontando a tese: minha amiga Carol é uma boa amiga. 🙂

 

 

 

Anúncios
%d bloggers like this: