Uma velha louca

Outro dia uma pessoa vinda diretamente do meu passado me definiu como alguém que: casou usando uma peça de roupa da filha do ex-prefeito Pereira Passos; teve um tio-avô citado no livro/filme “Minha Vida de Cachorro“; e cujo antepassado mais famoso foi excomungado, sendo sua descendência considerada infame por cinco gerações (escapei por pouco!).

O interessante é que tudo isso é verdade. Mas são coisas de que nem eu mesma lembrava. Por algum motivo, para aquela pessoa com que convivi durante alguns anos, mas que depois desapareceu no mundo, rumo a outros caminhos, estes foram os traços marcantes da minha passagem pela vida dela.

É de se pensar nas peças que a memória nos prega. Como somos lembrados? Do que nos lembramos? Por quê?

Minha memória é uma velha louca, que cada vez guarda menos trapos coloridos, mas volta e meia me lembro de um detalhe da vida de alguém, de uma frase que me disseram, de uma situação que na ordem maior das coisas não teve a menor importância. Mas lembro.

Lembro também em qual cinema assisti determinados filmes, e com quem. De outros, não recordo nem de tê-los visto, mas consulto minhas anotações e sei que sim.

Meu filho vez em quando me espanta com memórias de coisas que eu disse das quais não tenho o menor registro. Para ele, foram importantes. Me divirto pensando em como se lembrará de mim e de sua infância, quando tudo isso já for passado.

Lembrar é uma forma de relacionar nosso “eu” de hoje com o “eu” que nos trouxe até aqui. Mesmo quando as lembranças são ruins, pode ser bom, ou pelo menos útil.

Agora com licença, que já ia me esquecendo de uma coisa… o que era mesmo?

-Monix-

 

 

Anúncios

3 Respostas

  1. Adorei, Monix.

    Gostar

  2. Hahahahahahaha!
    Eu não usei essas lembranças para definir você, propriamente; exemplifiquei meu “de careta a Monca não tem nada!”.
    E esses fatos me marcaram porque ô histórias familiares apetitosas! Eu nunca tive nada disso na minha família – uma sucessão tediosa de casamentos e batizados e coisa & tales. A única coisa emocionante foi descobrir (num livro do finado Círculo do Livro) que meu avô materno, aviador na revolução paulista, se divertia voando dentro de túneis.

    Gostar

  3. VOANDO DENTRO DE TÚNEIS?????
    Sem mais.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: