Se beber, não digite

tumblr_mhb67dwb301qha2b0o1_500

(Na Etsy)

E “não publique nada na internet nesse meio tempo”, disse a Dani Arrais, num post de 2009 no  Don’t Touch my Moleskine.

E não mande mensagem do celular, digo eu, em 2013. Porque, né? Quemnunca?

Antes o risco era  estar relaxado em casa, tomando uma dose, achar que teve uma epifania e correr pro computador. Aí, mais uma dose é claro que eu tô a fim, você decide – por que não? – publicar seu pensamento incrível. Que no dia seguinte cintila como uma incontestável bobagem. Se em 2009 esse risco estava restrito aos blogueiros, ou à intimidade do e-mail, hoje não há mais limite. Agora, o vexame pode ser público e internacional: o advento do  Feicibuqui multiplicou muito A Chance (lá em casa essa é a abreviatura de “Ó-a-chance-de-dar- merda!”).

Mais por curiosidade do que propriamente por receio, uma vez baixei um programinha que prometia evitar que você enviasse um e-mail quando estivesse alguns drinks acima do resto da humanidade. Instalei, entendi mais ou menos como funcionava e esqueci. Até o dia em que respondia um e-mail inocente para uma amiga, tarde da noite, e  apareceram na tela várias contas para eu resolver antes de mandar a mensagem (você configura um horário para acionar a função). Confesso que nem era complexo, umas dez continhas (87-39; 59+-43)  que tinham que ser resolvidas certas, todas, em, sei lá, 60 segundos. Olha, não sei você,  mas pra mim funcionou que foi uma beleza: complicou de um jeito que, se tivesse bebido, eu teria dormido no primeiro “vai um”.

vodka

Pois é preciso urgentemente inventar algo semelhante para o celular, A Chance só piora. Como ele se  tornou  inseparável, você sempre tem à mão a possibilidade de se expressar livremente como só os bêbados fazem. Pode acontecer num dia em que você nem tinha programado beber, mas encontra uma amiga, conversa vai, chopp vem…. Entre inúmeros efeitos colaterais, o álcool aumenta exponencialmente a  sinceridade. O sujeito bebe e fica muito sincero. De uma sinceridade insuportável.  E desnecessária. Muitas vezes também fica emotivo.  Aí manda um torpedo com o poder devastador de um míssil nuclear. No dia seguinte não se arrepende de beber, mas clama aos céus: “Por que não tiraram o celular da minha mão?!?!?!”

Bora inventar um aplicativo ou fazer um celular que já venha com bafômetro, e ao invés da Lei Seca a gente institui a Lei Muda. Você pega o aparelho, e só pelo seu agradável hálito de cevada (#sóquenão) o aparelho trava. Melhor: como bêbado costuma ser um bicho insistente, ele diz MENSAGEM ENVIADA  – e em letras microscópicas: para um rascunho para vc ver amanhã se é isso mesmo que você quer dizer, seu mané. Podia pelo menos pedir uma confirmação, gente. 

you-do-not-want-to-send-this-drunk-text-300x169

Helê

Atualizando: o sempre bem-informado Álvaro Barbosa avisa que tem um app chamado Drunk Text Savior pra quem tem Icoiso. Utilidade Pública Dufas.

Advertisements

6 Respostas

  1. Hele, isso está simplesmente espetacular, irretocável, perfeito! E nao é sinceridade de bebada! Vera, sóbria desde o almoço ao meio-dia e sacudida por Django Livre no intervalo.

    Gostar

  2. O post, o post, hic, hic…

    Gostar

  3. Amei kkkkk

    Gostar

  4. Muito isso mesmo!!!!!

    Gostar

  5. inspiradíssimo,Helê..rsrs
    e como diz o pessoal do À Gerência – Se Beber, Se Dirija…. rs
    bjs

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: