Fragmentos de um discurso… de alhures

A maior prova de que a polícia brasileira é pura e simplesmente um reflexo do que esperamos dela é que nenhum grito de guerra coletivo, cartaz viralizado ou vídeo com cinco causas defendeu o fim da polícia militar, treinamento para os policiais, menos truculência etc. As negociações são pontuais e se limitam a pedir que a PM bata menos nos estudantes – e só.
De resto, continuamos mandando a polícia para quem precisa de polícia.

(26 de junho)

***

A manobra (já parcialmente frustrada) da presidenta Dilma ao propor uma Constituinte para fazer a reforma política, na minha nada abalizada opinião, foi uma tentativa hábil de entregar ao Congresso o filho que não foi parido nem embalado. Dilma tem se esforçado por assumir o (possivelmente) único papel que lhe cabe no momento, que é o de organizadora dessa bagaça. Algo na linha “vamos tentar ouvir a ‘voz das ruas’, traduzir os anseios disformes em iniciativas concretas, e endereçar os assuntos por uma perspectiva nacional”.
Mas para mim o ponto mais questionável dos pactos anunciados ontem nem é esse. A sugestão de transformar corrupção dolosa em crime hediondo me soou demagógica e, por consequência, cheirou a pizza. Porque é uma ideia que continua partindo do pressuposto errado: o de que corrupção é algo ligado aos políticos, mais especificamente aos deputados.

1003642_647044815323485_2109374496_n
Criminalizar a corrupção não vai ter efeito nenhum enquanto o Brasil não entender que os mecanismos que levam nossas estruturas a serem tão facilmente corrompíveis são os mesmos que nos tornam péssimos motoristas-furadores-de-sinal. O pensamento de que a lei é boa e serve para todos os ~outros~, mas que ~eu~ tenho bom senso e sei quando posso flexibilizar a regra a meu favor, “só um pouquinho”, “só desta vez”, “só porque eu sei que não tem nada de mais” é a origem comum que degenera nossa relação com as regras. Que, boas ou ruins, têm que ser cumpridas enquanto estiverem vigentes. Se não concordamos com a regra, vamos trabalhar para mudá-la. Enquanto isso, cumpra-se – ou locupletemo-nos todos.

(25 de junho)

***

Como diz o Alex Castro, ninguém é a favor da corrupção. É por isso que eu acho meio ingênuo fazer protestos contra corrupção. Será mesmo que o deputado antes de roubar vai pensar “ah, melhor não. .. o pessoal tá protestando, vou parar com isso.”? Não, né?

(20 de junho)

Monix, d’après vários posts no Facebook. Já conhece nossa página? Curte lá!

Anúncios

3 Respostas

  1. Oi, Monix!

    Essa pauta é importantíssima mesmo. Vale a pena conferir a organização Mães de Maio, que tem tocado essa pauta da desmilitarização da polícia, bem como o recorte seletivo (racista/classista) da atuação policial.

    O comite popular da Copa SP tá fazendo um ato sobre isso também:

    Gostar

  2. Vou repetir, gosto muito de saber a opinião de vcs!

    Gostar

  3. A-do-rei!! Leitura leve, gostosa, inteligente e despretensiosa. . .tá nos meus favoritos!!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: