OITNB

34872f05b0eee10a49a48370ce755dfa

Sei que agora Orange Is The New Black não está mais bombando. Todo mundo esperando a quarta temporada e eu querendo saber o que vai acontecer na segunda, blé. Mas deve ter alguém, sei lá, no Sri Lanka, no mesmo ponto que eu; então, colega cingalês, vamos trocar informações sobre a série. (Os demais também podem, mas sem spoilers, pfvr, como digita minha filha).

OITNB segue o que me parece uma tendência no mundo das séries que é a narrativa não-linear, que te faz querer juntar as peças do quebra-cabeça. Não é novo nem garantido – Sense 8, pelo que me lembro também vai por aí; assisti uns capítulos com interesse, mas abandonei e não fez falta, nem me mais lembro de nada. Orange tem uma protagonista, Piper, com a qual não simpatizei de cara e nem depois – eu ainda não decidi se é o personagem, a atriz ou os dois. E o cara que faz o noivo dela é o menino de American Pie, eu não consigo leva-lo a sério, mesmo sem nunca ter visto nenhum filme da franquia. Com o desenrolar da trama você fica se perguntando se a ideia era exatamente essa, ou se, novamente, o problema é o ator.

Talvez seja proposital, porque há uma quantidade enorme de personagens muito mais atraentes, como a transexual Sofia, a fanática religiosa Tiffany, a ex-viciada Nikki, a instrutora de ioga ou sexy Alex e suas impecáveis sobrancelhas.  Mesmo entre ‘os de fora’ há sempre figuras interessantes como o irmão de Piper, desequilibrado como ela, mas de um jeito totalmente diferente. A série aborda questões pertinentes, tão contemporâneas quanto atemporais, como as relações de gênero e raciais. Há um equilíbrio oscilante e satisfatório entre o drama e o humor, alguns diálogos realmente bem-escritos (a freira dizendo para a trans que, se ela está satisfeita com seu corpo ainda não é uma mulher de verdade) e cenas bacanas, como a mãe voltando para prisão depois de dar à luz e as sisters cantando no episódio final.

Fui fisgada e vi os 13 primeiros capítulos em uma semana (14, na verdade: tive que ver o 1º da segunda temporada, num guentei). Acho que estava cansada de tantas investigações de crime e julgamentos; precisei dar um passo à frente e ir para onde vão os criminosos depois. Depois das provas incontestes de laboratório, das deduções inesperadas de investigadores dedicados, geniais ou sortudos; dos closing arguments brilhantes de promotores e advogados. Um lugar às vezes bem mais sombrio que o mundo do crime itself – embora a penitenciária em questão nem seja de segurança máxima (o 1º episódio da 2ª temp. mostra que pode piorar, sempre).  O gênero prisional também tem lá seus  chavões e clichês (assim como as séries hospitalares, policiais e jurídicas), mas o sistema carcerário americano tem forte apelo: é um lado inquestionavelmente fracassado de um sistema que se pretende exemplar, de uma sociedade que gosta de se considerar superior. Em meio aos comentários sobre o protagonismo feminino na série – real e muito bem defendido pelas intérpretes -, a crítica a um sistema inepto e cruel como as prisões americanas não deve passar despercebida.

Beijo pro colega cingalês, vamos juntos pra segunda temporada! :-)

Helê

Incontido

61f09c5b21653bbbe96d437c8077b43f

(joriskuipers.exto.nl)

Da série Corações

Helê

 

Solidário

ceramichands06

(Rena | Hear Hear Amsterdam)

Da série Corações

Helê

 

 

Legendas, por favor

tumblr_ly1zhcvV8r1qdymlyo1_500

(Black & White)

Reeditando a série que só funciona com a participação dos nossos tímidos leitores: faça uma legenda para a foto acima nos comentários. Valendo uma das já lendárias mariolas Dufas. :-)

Helê

Simetria

tumblr_nfd800rbzj1rq1et8o1_1280
(arabamolsamontgiymezdimJesús Jaime Mota via findus)

tumblr_n9xpcmcF3S1qm6qwdo1_500 (1)

(theclassyissue; Photo: Janine Niépce)

Helê

São Sebastião, padroeiro: salve!

"São Sebastião", serigrafia, 1997, Glauco Rodrigues.

“São Sebastião”, serigrafia, 1997, Glauco Rodrigues.

“São Sebastião, proteja essa cidade linda e seu povo que, mesmo sofrido, tem uma alegria genuína!
Infundi em nós a energia necessária para que cuidemos bem de nossa terra e o discernimento e a inteligência suficientes para escolher vereadores e prefeitos que não maltratem e vilipendiem ainda mais esses quase 7 milhões de pessoas!
O senhor é guerreiro e há de nos proteger nas batalhas cotidianas!
Livrai-nos desta guerra contra pretos e pobres, e que todos possamos seguir a vocação à felicidade!
Amém!”

Oração da pastora Lucia Helena Almeida, carioca de raiz, flor e frutos, com quem eu vivo encontrando na mui leal e heróica cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Quase sempre da maneira mais carioca possível: na rua, no samba, sem combinação,  com muita alegria e alguma cerveja. Ninguém mais habilitado para dizer uma reza para nosso padroeiro, nossa cidade, por todos nós.

Helê

Inacabado

inacabado

(Um oferecimento de Cláudio Luiz, o lord)

Da série Corações

Helê

Afromatrioska

16c993414cbea91cbda0b9d060c43b0f

(Personal Illustration 2015 summer por Karol Banach em Behance)

Helê

 

Deserto

323e1dc68242

Morro de curiosidade de conhecer um deserto, acho fascinantes as cores, as proporções, as texturas. Dia desses vi um documentário sobre o deserto da Namíbia, que tem encantos peculiares como o encontro abrupto com a costa, a neblina formada a partir dessa junção, as dunas mais altas, atingindo até 300 metros de altura. Mas fiquei impressionada mesmo ao saber que, sendo o deserto mais antigo do mundo (tem algo em torno de 55 milhões de anos, enquanto o Saara não tem mais que sete), possui o maior número de espécies animais. Eu esperava o contrário, que num lugar inóspito há tanto tempo a vida animal fosse restrita, microscópica. Que nada: insetos, répteis e até mamíferos como antílopes e elefantes adaptaram-se como em nenhum outro ecossistema semelhante. No deserto mais antigo a vida animal é abudante porque aprendeu a se adaptar; o tempo mostrou-se uma vantagem  para que a vida encontrasse meios de resistir e se perpetuar, a despeito das condições, contra as expectativas.

Uma ensinamento que não consigo esquecer, embora suspeite que não tenha sido capaz de compreendê-lo plenamente. Lição tão poderosa que sequer ouso usá-la como metáfora para o que quer que seja. Mas, sei lá, me soprou uma esperança difusa.

Meu coração não se cansa.

fairy-circles-1

Helê

De escritor

04f115462e39e7d1bd2830c4e170a677

(Mitch Blunt Editorial Illustrations)

Da série Corações

Helê

%d bloggers like this: