Afromatrioska

16c993414cbea91cbda0b9d060c43b0f

(Personal Illustration 2015 summer por Karol Banach em Behance)

Helê

 

Anúncios

Deserto

323e1dc68242

Morro de curiosidade de conhecer um deserto, acho fascinantes as cores, as proporções, as texturas. Dia desses vi um documentário sobre o deserto da Namíbia, que tem encantos peculiares como o encontro abrupto com a costa, a neblina formada a partir dessa junção, as dunas mais altas, atingindo até 300 metros de altura. Mas fiquei impressionada mesmo ao saber que, sendo o deserto mais antigo do mundo (tem algo em torno de 55 milhões de anos, enquanto o Saara não tem mais que sete), possui o maior número de espécies animais. Eu esperava o contrário, que num lugar inóspito há tanto tempo a vida animal fosse restrita, microscópica. Que nada: insetos, répteis e até mamíferos como antílopes e elefantes adaptaram-se como em nenhum outro ecossistema semelhante. No deserto mais antigo a vida animal é abudante porque aprendeu a se adaptar; o tempo mostrou-se uma vantagem  para que a vida encontrasse meios de resistir e se perpetuar, a despeito das condições, contra as expectativas.

Uma ensinamento que não consigo esquecer, embora suspeite que não tenha sido capaz de compreendê-lo plenamente. Lição tão poderosa que sequer ouso usá-la como metáfora para o que quer que seja. Mas, sei lá, me soprou uma esperança difusa.

Meu coração não se cansa.

fairy-circles-1

Helê

De escritor

04f115462e39e7d1bd2830c4e170a677

(Mitch Blunt Editorial Illustrations)

Da série Corações

Helê

Casais

d9f95a88ff6076254837c1778ddf4467

(Shepard and Lange, encontrado em oldloves.tumblr.com)

Um momento de intimidade e ternura no impenetrável território formado por um casal. Adoro essa foto.

Helê

Inundado

2004351dd9ea7535c05ce090e80c4d6d

(Via Victor Kowalski)

Da série Corações

Helê

 

Vá ver o Chico

4617998_x720

Se ainda não viu, faça a você mesmo um favor e vá. Contra fel, moléstia, crime; para um coração mesquinho, contra solidão agreste: Chico Buarque Artista Brasileiro é inconteste. O filme, que continua lotando sessões no Rio, serve de antídoto para o inevitável pessimismo reinante (Veríssimo, meu rei, com a lucidez de sempre,  chamou de uma clareira de talento e sensibilidade em meio à estupidez crescente). Antítese desses tempos de império do Ego e supervalorização das Caras, o documentário é totalmente anticelebridade. A gente sai do cinema com a sensação de que bateu papo com o Chico por duas horas – o que, convenhamos, vale o ingresso. Um papo agradável, bem-humorado, cheio de reminiscências mas sem nenhuma nostalgia.

Logo no início ele avalia que, quando jovem, mergulhou na literatura para chegar até o pai, amoroso mas um tanto inacessível. “Eu tive que achar o caminho até o escritório do meu pai”, ele diz, e na hora pensei: “mas não é o que todos nós fazemos, seja um bar, a oficina ou só a cabeceira da mesa?”.  Também em outros momentos Chico se mostra gente como a gente,  lidando com desafios, surpresas e sobretudo percalços da vida.  Sobre os quais, aliás, ele parece ter até mais prazer em falar: lembra, entre risadas, da primeira turnê fracassada pela Europa, com Toquinho; diverte-se ao contar do surfista no Arpoardor que o reconheceu na foto ao lado de Bob Marley num museu em Kingston. Com a mesma leveza reflete sobre a velhice  – fazendo contas que depois abandona – e sobre as mudanças no país.

Há momentos emocionantes, como o depoimento do Carvana sobre a primeira vez em que Chico viu a Marieta. Minha emoção se liquefez nos trechos sobre o Rio de Janeiro e a Mangueira porque aí é, literalmente, muito amor envolvido. Eu saí da sessão leve e satisfeita com o meu guri, que além de suas muitas e decantadas habilidades, domina mais uma, rara: soube envelhecer bem, mantendo a fleuma, o charme, a mente aberta e a gargalhada farta. Melhor só se estivesse, como encantado, ao lado meu.

Helê

Abecedário 2015

Arquipélago, África e A mulher do fim do mundoBoyhood, Black-ish, Bataclã. Chico artista brasileiro e Costa BarrosDivertidamente. Encontro MothernEstudantes de São Paulo. Feminismo. Gracie & FrankieHello, Adele. Incêndios, com lord Cláudio. Je suis Charlie e Joel Rufino. Karina Kuschnir e seus desenhos. Lama, Love wins. Mitologia e Psicanálise, Museu da Língua Portuguesa. NBS, Niterói. Ó Menage no carnaval. #PrimeiroAssédio. Que corridaRéveillon Chez Geide e Robin Williams, by Ceelo. Sábado no Valongo. The web we have to save (Traduzido aqui) e Treino 25km do Grumari ao Pepê. Ubatuba com as melhores companhias <3. Vamos fazer um escândaloViola Davis.  Xô Cunha! Zoológico com filhote.

624a7fa911af7bcee81da5e08e9264f9

Helê

%d bloggers like this: