Eu ♥ leitora

A foto está um pouco desfocada e não faz jus à beleza dessa moça – que é um mulherão da p*rra antes da expressão virar elogio e modinha. Companheira mothern, é das leitoras mais antigas e frequentes do boteco aqui. E ainda por cima sempre deixa pegadas –  para a noooosa alegria! Aí essa semana eu me deparei com essa foto, do nosso único encontro (presencial),  tirada no dia de uma efeméride rara e especialíssima. E me perguntei ‘wtf ainda não postei isso?!’ . Então taí a Simone, para agradecer a leitura fiel e o carinho dela, e para reeditar essa série que eu adoro e espero continuar, com o auxílio luxuoso de vocês . DSC_0735

Helê

Anúncios

Pop Frida

Por que Frida Kahlo virou um ícone contemporâneo, ninguém sabe explicar. Por que ela, por que agora? Como, afinal, nascem os ícones? (Hoje em dia, com memes e gifs, mas não só).

Tem a ver com a internet, parece claro, mas isso é apenas um fator para entender o fenômeno. De algum modo e a partir de certo momento ela virou um símbolo das mulheres, do feminismo, da esquerda, das mulheres feministas de esquerda, do latinamericanismo e outras tantas cositas mais. Razões há várias em sua trajetória, mas a questão é que parece que ninguém tinha notado isso até uns 15 anos atrás.

Diz uma matéria da Folha de S. Paulo que uma pintura dela encalhou na Sotheby’s em 1985 e foi leiloada por 3 milhões de dólares 10 anos depois. Mas uma aumento na cotação no seletivo mercado da arte não parece ter relação com o mundo pop – nem sempre, não necessariamente. E quando me perguntaram outro dia o porquê da recém conquistada popularidade da Madrinha, eu não soube responder.

Os indícios dessa popularização estão aí e vão desde a quantidade de Fridas no carnaval do Rio aos incontáveis produtos que ela estampa – entre eles,  uma controversa versão da Barbie. Frida tá hype, tá pop, como diria o Olodum. Uma versão feminina do Che – dizem aqueles que não resistem a usar um homem para definir uma mulher (como na matéria da Folha). “A inventora da selfie”, disse a acadêmica que fez uma tese que investiga a imagem pós-moderna da pintora – cujo hermético resumo não respondeu minhas indagações (mas pode ser ignorância minha).

9a1981f0907efe2e2ad2fbd02b0ddde3

O fato é que a gente entrou de gaiata nessa onda quando ainda era marola, e estabelecemos com ela uma relação de carinho e admiração. Por isso ela foi tema de vários posts, e levou em peregrinação até o MoMA, em ocasiões diferentes, essas duas mulheres que pegaram de empréstimo seu nome e criaram para si novas identidades (e talvez alguns super poderes).

Na verdade, o que faz da Lisa, Mona, e do Che esse símbolo tão replicado que se presta a qualquer coisa, até aos neozistas alemães? Não sei se chegaremos a descobrir um dia. Talvez o grande diferencial para nós é que o ícone Frida Kahlo a gente viu nascer e, muito, muito, muito modestamente, contribuímos para formar.

Frida Helê

%d bloggers like this: