Polaridade invertida

Esse período de campanha eleitoral é chato, toda hora tem debate, entrevista de candidato, o malfadado “horário eleitoral gratuito” (pago pelos nossos impostos, ou seja, de gratuito não tem nada), etc.

É chato. Mas é importante pra caramba.

Este ano, particularmente, a campanha no Brasil está atraindo as atenções até mesmo de especialistas internacionais, porque graças a algumas mudanças (assunto chaaaato, não vou entrar em detalhes aqui) na dinâmica da coisa, a propaganda política via mídias sociais supostamente terá um peso maior na divulgação dos candidatos e propostas.

No entanto, há muita gente da área argumentando que a inclusão digital no Brasil ainda está engatinhando, e que não dá para desprezar a força da televisão – pelo menos não em 2018.

(Eu particularmente acho que as mídias sociais podem fazer uma certa diferença nas eleições proporcionais; nas majoritárias, estou meio cética.)

Enfim, tudo isso pra dizer que assisti às cinco entrevistas dos candidatos ao Jornal Nacional – não porque quisesse saber mais sobre cada um, mas por curiosidade jornalística. Entender como cada candidato se saiu na entrevista ao Bonner e à Renata é, de certa forma, entender o que pode acontecer nas próximas pesquisas de intenção de voto.

Não sei quem ganhou mais simpatia dos eleitores, mas posso dizer que na minha opinião quem perdeu, de novo, foi o jornalismo careta da Globo. A emissora continua toda-poderosa, disso não tenho dúvida; por quanto tempo é que é a questão. A impressão que dá é que, por mais que tentem inovar em cenários giratórios e repórteres falando “tá” em vez de “está”, as cabeças pensantes da Globo estão longe de entender a nova lógica que vai se consolidando nos corações e mentes das novas gerações.

A dinâmica das entrevistas é muito ruim. Os âncoras do JN confundem jornalismo “combativo” (seja lá o que isso signifique) com jornalismo “pegadinha”. É uma técnica de entrevista acusatória, em que eles pesquisam possíveis “cascas de banana” e jogam aos pés do/da candidato/a. Como se fazê-los escorregar fosse sinônimo de “revelar” as contradições em seu discurso.

O problema é que esse formato não ajuda o eleitor a decidir. Pelo contrário . Só reforça a sensação de que nenhum político presta – ou, em muitos casos, a ideia de que o candidato é perseguido pela grande imprensa porque “diz as verdades” (está aí a vitória de Trump que não me deixa mentir).

Ao nivelar todos os políticos por baixo, cria-se um clima de que não adianta votar porque o jogo já está dado. E isso, convenhamos, não contribui em nada com o processo eleitoral. A história recente tem montes de exemplos de niilismo levando ao fascismo.

Acho que os âncoras do JN prestariam um serviço jornalístico muito mais relevante se abandonassem o tom “nós contra eles ” e perguntassem sobre o que cada candidato/a pretende fazer, realçando as inconsistências nas propostas e, claro, explicitando as questões sobre as quais as campanhas não querem lançar luz, como envolvimento em casos de corrupção, tráfico de influência, etc. No entanto, isso precisa ser feito com a polaridade invertida – uma conversa (pro)positiva, e não negativa.

Apontar incoerências e malfeitos dos políticos é uma das principais funções do jornalismo, sem dúvida. Mas da forma como está sendo feita, tenho sérias dúvidas se está funcionando.

-Monix-

Serena

serenawilliamscatsuit-e1535206276387
O uniforme que a Serena Williams usou em Roland Garros este ano não será aceito novamente “em respeito ao jogo e ao local“, afirmou um dirigente do torneio cujo nome eu não vou me dar ao trabalho de escrever aqui. Perguntado especificamente sobre o traje de Serena, esse macho afirmou “fomos longe demais”. Sim, ninguém foi tão longe quando Serena no tênis, monsieur. E é impressionante como uma mulher negra, de quem se exige força acima da média — de qualquer média — precisa ser contida, regulada, subjugada por normas que, se não existem, são rapidamente criadas. Uma mulher negra bem-sucedida incomoda muita gente, Serena Williams incomoda muito mais.
É de cair você sabe o que de onde.
**
Serena não entrou na controvérsia e quando perguntada deu uma resposta espirituosa, fazendo um jogo de palavras para dizer que na moda não é bom se repetir (“you don’t want to be a repeat offender“). Ela conhece bem todas as regras do jogo para não se indispor com dirigentes, muito menos pra bater palma pra maluco dançar. A roupa já foi usada e amplamente noticiada: na ocasião, Serena fez referência ao filme “Pantera Negra” e dedicou seu retorno às quadras às mães que, como ela, tiveram problemas no parto. Essa palhaçada toda serviu para me ensinar uma palavra nova para algo que eu conheço há muito tempo: misogynoir, a parceria perversa entre o machismo e o racismo. Ah, também serviu para ensinar uma lição de marketing para quem produziu aquele clip vexatório que deveria melhorar a imagem do Neymala. A Nike mostrou como se apoia um atleta e o que é publicidade inteligente (venceu até a minha repulsa a fazer propaganda gratuita)
“Você pode tirar o traje de um super herói, mas nunca pode tirar seus superpoderes”.
Helê

Posts de ouvir

tumblr_mrea59d10I1qacyauo1_1280

Sinatra e Cartola, Lenine e Maysa, ABBA e a Velha Guarda da Portela. Todo mundo se encontra no amor e na dor de sua perda. Em 2011 eu escrevi um post sobre músicas de separação, uma vertente das canções de amor. O post foi um sucesso de público, rendendo muitos comentários com contribuições. Agora, com a advento do Ispotifai, criei uma playlist com as canções citadas no post, as sugeridas pelos leitores e mais um punhado que eu considerei “incontornáveis” (como dizem os franceses).

 

Na verdade, o post anterior foi uma introdução para o que eu tinha em mente, que eram as canções feitas depois do fim e que olham com generosidade e carinho para a história de amor terminada. Uma lista muito mais modesta, mas de canções não menos importantes e belas; também nessa lista incorporei sugestões dos leitores e leitoras. Divirta-se!

Helê

 

Minha turma, parte 2

Uma das minhas características mais marcantes é a introversão, e um dos meus muitos defeitos é a preguiça. Daí que quando uma amiga muito querida me convidou para comemorar seu aniversário a 34 quilômetros da minha casa, em uma festa onde eu não conhecia ninguém*, claro que meus motivos para não ir eram muito maiores que a vontade de ir.

Mas eu fui.

Quem é introvertido/a sabe que nosso problema não é “não gostar de outras pessoas”; é mais uma questão do esforço despendido para interações sociais, especialmente com pessoas não conhecidas. Deve parecer estranho para quem tem uma personalidade diferente dessa, mas é realmente extenuante para mim conversar com pessoas que não conheço ou conheço pouco. Eu gosto, mas fico exausta.

Enfim, tudo isso pra dizer que ontem eu fui a uma festa que por todos os motivos não deveria ter ido, e puxa, como é bom às vezes lutar contra minha natureza de lone ranger. Os amigos da minha amiga são pessoas incríveis, que tocam Mutantes na viola de gamba e Supertamp no  teclado, e cantam Renaissance a capella. As filhas da minha amiga cozinham coisas deliciosas e homenageiam a mãe de um jeito lindo, que me fez pensar que nós motherns provavelmente fizemos alguma coisa muito certa mesmo, porque – modéstia à parte – nossas crias são tudibom.

bolo naked cake de morango

Vai um pedaço?

Volto pra casa e entro no Facebook, no Twitter, sei lá, no WhatsApp, e  embora minhas redes sejam em geral limpinhas e educadinhas, não tem jeito, as interações nesses ambientes são meio que condicionadas ao conflito, ao binarismo próprio do I/O do mundo digital. Aí só resta pensar, e cada vez mais acredito nisso, que nossas festas são melhores, nossos afetos são mais quentinhos, e, aconteça o que acontecer, o melhor antídoto contra um mundo deprimente é encontrar a nossa turma e ficar junto dela. A música, a bebida e a comida da minha amiga D. são tão reais quanto a política de Brasília ou o topete do Trump. E são muito mais legais, vai dizer?

-Monix-

*Helê ia comigo, depois precisou desmarcar. E agora, José? Fui sozinha, ué.
Obs.: Esse post vai ficar arquivado na categoria “Ágora“, porque é sempre bom lembrar que beber e cantar também são atos políticos.

Lula lidera

O malabarismo da imprensa para não dizer que Lula lidera as intenções de voto com 37% – é, perdoem o meu francês, de cair o cu da bunda. Eu vi as primeiras páginas dos jornais nacionais e há alguns, como a Falha de S.P e o Abestado de Minas*, que sequer citam a pesquisa. Os que citam Lula, quase todos, o fazem em referência ao 2o colocado, que alguns veículos dizem liderar. Sim, o “segundo lidera”, vejam vocês. Em que pese a provável impugnação da candidatura Lula, ao que me consta 1) hoje ele é candidato, como todos os outros e 2) é fato jornalístico de grande relevância que um candidato preso, há quatro meses sem nenhuma aparição pública, tenha mais votos que os quatro candidatos atrás dele somados.

O que disparou meu alarme foi o comedido Canal Meio, cuja newsletter eu assino, sapecar a manchete “Bolsonaro tem 20%. Marina, 12%; Ciro, 9%”. E o Lula foi aonde?, meu pai?! Se o Meio tá assim…fui ver alternativas aos jornalões.  O Nexo publica uma matéria sobre como ler as pesquisa, o que me parece oportuno, e mantém a coerência com a linha editorial deles, mais analítica que factual. Nas fontes estrangeiras, que utilizo quando quero me informar, a BBC não repercute a pesquisa (mas ela não tem mesmo uma pegada noticiosa); a Deutch Weller é a única que faz o básico (Lula lidera intenções de voto); El país procura dar um cenário amplo, mas sem omitir o que não pode ser omitido (“Ibope: preso, Lula reforça liderança. Sem ele, Bolsonaro tem 20% e Haddad, 4%).

Se ainda for necessário embasamento para a importância jornalística da liderança do candidato petista, o G1 destrincha a pesquisa por sexo, idade, escolaridade, renda, região, religião e raça. Lula lidera com maior ou menor folga em quase todos – só tem um empate com o milico entre os eleitores com ensino superior. Mas ninguém destacou isso na primeira página dos jornais ou nas telas de desaque das homes; no contorcionismo da chamada do G1, Lula e o candidato com 18% de intenções de voto parecem mais próximos do que realmente estão; afirmam que Lula lidera em 3 regiões e empata tecnicamente em duas (que eu sinceramente não identifiquei quais seriam).

Quer dizer: de cair o cu da bunda.

Resultado de imagem para pesquisa ibope

Helê

*Contribuição sábia da leitora idem,  Vera Guimarães ;-) .

*Pideite: La Otra escreveu um ótimo artigo no Linkedin sobre temas correlatos, “A desinformação como efeito do novo ecossistema de informações“. Leia, vale a pena; entre outras coisas interessantes ela diz: “a única solução eficaz para combater a desinformação é educar o público para consumir informações de forma crítica“. É isso.

 

Aretha

Na semana passada, a saber da morte de Aretha Franklin eu quis recontar aqui a história de “Respect”, talvez a mais conhecida canção da Rainha e uma de nossas favoritas. Mas não tive tempo e outras pessoas contaram, como a sempre admirável Daniela Abade.

Aí hoje, num momento de procrastinação, eu encontrei esse texto falando da atuação de Aretha junto à comunidade negra e ao movimento pelos direitos civis, e da oferta que ela fez para pagar a fiança de Angela Davis. Se puder, leia o artigo completo; aqui destaco essa frase lapidar:

“I know you got to disturb the peace when you can’t get no peace”. 

RIP and thanks, Mama!

Helê

Como fui parar na cidade do Stephen King – e só descobri depois de ir embora

Como vocês já sabem, em junho deste ano eu participei de um congresso acadêmico nos Estados Unidos, experiência que por si só valeria vários posts e/ou muitas horas de conversa. Não só pela parte acadêmica, que, claro, foi importantíssima, mas também pela oportunidade que tive de ir a alguns lugares que jamais teria visitado como turista.

O congresso foi realizado na Universidade do Maine. O Maine é aquele estado que fica no extremo nordeste dos Estados Unidos, já entrando pelo Canadá. Para vocês terem uma ideia, a cidade de Orono, onde fica o campus, é mais setentrional que Toronto, e quase na mesma latitude que Montreal. Para chegar lá, foi preciso voar até Boston, em Massachussets, alugar um carro e dirigir 400 quilômetros rumo ao Norte.

Mapa do Maine

O Maine fica lá no alto dos Estados Unidos…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ao pesquisar as possíveis rotas para chegar na universidade, aprendi que a cidade mais próxima onde há um aeroporto (que acabei não conhecendo porque optamos por ir de carro) chama-se Bangor.

Bangor, Maine.

Se você é fã de Stephen King, provavelmente reconheceu este nome. Eu não sou, por isso cheguei lá completamente desavisada.

Eu e minhas roommates passamos por Bangor duas ou três vezes durante os dias que ficamos na universidade. Já na chegada, fizemos uma primeira parada para um lanche (jantar “comida de verdade” nos Estados Unidos é sempre um desafio), depois de praticamente um dia inteiro de viagem – fizemos algumas paradas no caminho para conhecer a encantadora Nova Inglaterra. Nos dias que se seguiram, fomos à cidade comprar comida ou de passagem, em direção a outros lugares.

Bangor, Orono e outras cidades pelas quais passamos são muito parecidas. Há a indefectível Main Street, que no caso da Bangor é uma avenida larga, com várias pistas de cada lado, extensa, cheia de cruzamentos. Há o também indefectível McDonald’s, o Subway, a Wendy’s, a Best Buy, o Walmart, ou seja, todas as cadeias que nas décadas recentes vêm sendo acusadas, não sem razão, de destruir o comércio local nos Estados Unidos, criando grandes monopólios em seus segmentos. Nas ruas transversais, há casas e mais casas, em centro de terreno, com um gramado na frente e um backyard, sem cerca nem portão. Nada de comércio, nada de calçadas, nem iluminação pública. A impressão que dá é que é impossível fazer qualquer coisa sem pegar o carro. E em algum ponto da cidade, há, na beira da rua, sem aviso prévio, as woods. Sabe quando você vê nos filmes ou séries de TV (ou lê nos livros) que alguma coisa sinistra aconteceu numa mata ou floresta? Eu sempre ficava me perguntando – mas gente, que mata é essa? As pessoas estavam na cidade, de repente apareceu uma floresta na beira de um rio ou de um lago, do nada? Pois é. Do nada. É assim mesmo que são as cidades americanas, pelo menos as que conheci lá no extremo norte.

E tem mais: mesmo no verão, quando anoitece surge uma neblina fraca, uma névoazinha que basicamente só serve para dar aquele clima de filme de terror. Fico pensando que no outono e no inverno esses lugares devem exemplificar muito perfeitamente o adjetivo “lúgubre”.

Fonte: AA Roads

Chegando a Bangor, uma cidade como outra qualquer. Foto: AA Roads

Enfim, Bangor não era meu destino final, nem meu ponto de partida, e foi basicamente uma cidade por onde passei algumas vezes para resolver questões práticas, como comer ou chegar a algum lugar.

Foi só quando já tinha saído do Maine, de volta a Boston para pegar meu voo para o Brasil,  que vi no Instagram de um colega que foi ao mesmo congresso a foto:

casa do stephen king

Foto: Rafael Sobreira

Hã? Como assim?!?

Só então fui pesquisar e descobri que sim, Bangor, no Maine, é a cidade onde mora Stephen King, autor de tantos best-sellers, nenhum dos quais eu li, e muitos dos quais foram adaptados para grandes sucesso do cinema (alguns eu vi).

O que, claro, explica muita coisa. Aquela neblina de verão que me causou arrepios quando eu dirigia por uma estrada mal iluminada, cercada de woods por todos os lados, não apenas parecia um cenário de uma história de terror.

Era o próprio.

-Monix-

 

A princesa-memória

Esses dias eu estava pesquisando sobre inteligência artificial para um artigo acadêmico e me deparei com um autor chamado Heinz von Foerster, que, em 1984, já questionava o uso de metáforas “antropomórficas” para falar das máquinas:

Por exemplo, a perpétua referência à “memória”: mas os computadores não têm memória! Nunca teremos uma máquina capaz de escrever suas Memórias! Os computadores têm sim elementos de armazenagem que lhes permitem conservar números ou programas. Existe uma enorme diferença entre uma “memória” e um “sistema de armazenamento”: este último só pode reproduzir o que foi nele colocado, ao passo que a memória é um processo de transformação. (Grifo meu; a citação é desse livro aqui.)

(A propósito, e isso não tem nada a ver com o tema deste post – se é que este post tem um tema-, eu também já escrevi sobre minha implicância com essa história de “inteligência” artificial.)

***

Comecei falando sobre a memória ser um processo de transformação, e não foi à toa. Isso porque meu filho fez aniversário e eu, em um momento #maedecasarea, comprei para ele um livro que na verdade era eu que queria ler: A Princesa Prometida, de William Goldman. A obra foi (re?)lançada no Brasil, e uma breve folheada nas primeiras páginas já me fez entrar em um túnel do tempo e resgatar uma memória afetiva que eu sinceramente não sei se aconteceu ou não.

The-Princess-Bride

Reconhece essa mocinha? Não?

Lembrava perfeitamente de ter visto o filme A Princesa Prometida, o qual eu nem sabia que era baseado nesse livro delicioso, no cinema. Lembrava de ter gostado muito, muito, do jeito cômico com que o filme retrata o gênero capa-e-espada, tipo “mocinho vive altas aventuras para salvar mocinha em nome do amor verdadeiro”. Lembrava de diálogos que já nasceram memes, antes de sabermos que memes existiam, como o inesquecível “My name is Inigo Montoya. You killed my father. Prepare to die.” Por fim, lembrava que vi este filme em uma tarde de um dia de semana, provavelmente em férias escolares, quase com certeza no cinema Paissandu, e aí é que minha memória se turva: lembrava de sair do cinema com minha avó, rindo atrasada das cenas hilárias e curtindo a surpresa de constatar que todo o romantismo daquela mulher do início do século não tinha resistido ao cinismo satírico do fim do século (e essa interpretação é feita totalmente a posteriori, pela versão de mim que já está muito mais próxima da idade que minha avó tinha naquela época que da Mônica que viveu a cena).

Só que, embora eu traga bem nítida a lembrança de ter visto esse filme com minha avó, não sei por que motivo sempre que penso nisso, desconfio. Tenho uma sensação difusa de que talvez esteja confundindo duas situações e que não vi o filme com ela, talvez sozinha, ou com outra pessoa.

Por sorte, eu mantive um hábito, durante muitos anos, de registrar o que fazia em agendas/diários, como muitas mulheres da minha geração (e de outras). Então resolvi investigar. O filme foi produzido em 1987, portanto separei as agendas daquele ano e do seguinte, pois na época os filmes demoravam a ser lançados no Brasil. Mergulhei em anotações de estudante (ler capítulo tal, estudar para a prova de tal coisa), bilhetes de amigas (algumas de que nem me lembro mais), lembretes de aniversários, registros de brigas com o namorado, ingressos de shows, e muitas, muitas notas sobre filmes, peças de teatro e espetáculos que assisti quando adolescente.

Depois de um ano e meio de reminiscências, finalmente encontrei a anotação sobre A Princesa Prometida:

Casa da Fulana.

“A Princesa Prometida”.

Parque Recreio.

Assim, sem nenhuma explicação. Sem menção a quem estava comigo. Na grande maioria das minhas anotações eu registrava vários detalhes, como o cinema, as companhias, o que fiz depois, se gostei do filme. Neste, nada.

Minha memória acertou uma coisa: vi o filme em uma quarta-feira, dia 27 de julho de 1988, no meio das férias. Muito provavelmente acertou outra: o restaurante Parque Recreio ficava no Flamengo, pertinho do cinema Paissandu, então é certo que vi o filme lá. Assim, desconfio que minha companhia deve mesmo ter sido minha querida avó. Ao revisitar essas duas agendas, de quando eu tinha 17 e 18 anos, percebi que mesmo no auge da minha adolescência era muito frequente visitar a vovó ou passear com ela – e isso me deixou feliz, porque nos últimos anos de sua vida, por motivos diversos, alguns deles de ordem prática, outros de fundo emocional, não tive muitos momentos compartilhados com ela. Visitava, aceitava as deliciosas sopas e bolos que nunca faltaram em sua casa, ouvia histórias e reminiscências, mas a frequência era pouca.

Ainda bem que, como aprendi com minha amiga Maria João, a memória é uma velha louca, que joga comida fora e guarda trapos coloridos. Esse retalho amarelado pelo tempo me trouxe, nesta tarde de inverno, exatos 30 anos depois, uma lembrança que, na verdade, não importa que tenha (ou não) acontecido. Ao contrário do que creem os defensores da singularidade tecnológica, a gente lembra não é com o cérebro: é com o coração.

-Monix-

História de livro

M. é uma bibliófila – eu ia dizer como eu, mas não tenho esse direito, ela me supera em muito. O amor aos livros era uma das coisas que nos unia, assim como uma grande amiga em comum e um emprego. Bom, esse também nos separava porque tínhamos cargos hierarquicamente desiguais. Mas para efeito dessa história valem nossas afinidades, e compartilhávamos o prazer da leitura com entusiasmo: podíamos falar por bastante tempo sobre o que estávamos lendo ou o que pretendíamos ler – fila que, estranhamente, nunca diminui.

Então, quando ela me pediu “Sonhei que a neve fervia” emprestei com gosto, porque nada agrada mais um leitor do que proporcionar boa leitura para outro. Sou generosa mas ciumenta com meus livros (anoto numa listinha os empréstimos). Especialmente os de gente que eu amo, como esse. Mas nem anotei quando emprestei o “Sonhei” para M., ninguém poderia ter mais cuidado com um livro do que ela.

No trabalho, vez ou outra eu perguntava se ela estava gostando, mas muito rapidamente porque não queria pressioná-la – nada mais arriscado do que jogar sua expectativa sobre os outros. Passou pela minha cabeça que M. estava demorando um pouco, já que costumava ser bem rápida, mas não me preocupei. Até que um dia ela trouxe de volta o livro, mas com o constrangimento de quem o tinha perdido. E começou a contar a história de como, de fato, o perdeu e depois recuperou.

Ela contava a história aflita, chegou a ficar vermelha algumas vezes. Sua angústia se devia ao fato de considerar que não se tratava apenas de um livro: além da dedicatória para mim e para minha filha, havia sublinhados, exclamações, comentários que nunca seriam recuperados; isso a atormentou por dias. (E devo dizer que foi exatamente a Fal que me libertou de certa reverência com o livro: com o aval dela passei a me sentir mais à vontade para imprimir minhas marcas, especialmente nos dela.) O que afligia M. era o mesmo que me consolava: a importância que dava àquele exemplar. Só alguém que realmente ama os livros e sabe do valor que eles têm sente tamanho pesar por deixar escapar um objeto que, afinal, poderia ser reposto. Isso a livrava de qualquer culpa, se houvesse alguma. Mas não havia: o meu livro, devidamente rabiscado, estava nas minhas mãos. Como?

Inconsolável com a perda, M. providenciou um novo e contatou a Fal, através da nossa amiga em comum (que vem a ser minha sócia nesse blogue), para que ele ao menos pudesse ter também uma dedicatória. Com o que a Fal concordou prontamente. Então, num inesperado plot twist (como devem ser todos), alguém entrou em contato com a Fal, via e-mail, avisando que tinha encontrado um livro dela, num banco 24 horas no Rio de Janeiro (onde M. havia voltado e procurado em vão). Lendo a orelha do livro descobriu o blogue da Fal e entrou em contato porque, como estava autografado, ela poderia conhecer a dona. Também imaginou que deveria ser importante, e então mais uma pessoa entrou nessa ciranda e trouxe de volta para mim o “Sonhei”, que agora carrega entre suas páginas também essa história de mulheres, cuidado e livros.

**

img_20180812_173745235

O “Sonhei” acomodado na minha estante, com seus irmãos e a companhia de Rosa, Isabel e Joel, entre outros.

Isso aconteceu já há alguns anos, mas só hoje, depois de assistir à “A sociedade literária e a torta de casca de batatas” (um bom filme baseado num livro incrível), me ocorreu contar aqui; o post veio quase completo assim que pensei em escrevê-lo. Acho que foi minha maneira de reverenciar os livros e seus poderes mágicos. E de pensar que às vezes a gente perde – livros, pessoas – mas as histórias e o afeto permanecem. O que te pertence volta pra você – ou nunca te abandona de fato.

Helê

Leo

Mantendo a tradição: beijo para leoninos e leoninas que por ventura passam por aqui.

Helê

%d bloggers like this: