Papo de Fridas

Outro dia nosotras nos encontramos, com um petit comité de amigos/as-leitores/as na casa da Monix sob o pretexto de (não) assistir um filme enquanto bebíamos e conversávamos sobre outras coisas. Como o objetivo de beber e conversar era mais premente que o de assistir um filme, escolhemos um que já praticamente sabemos de cor: Harry e Sally – Feitos um para o Outro (que inclusive já assistimos juntas). Para brindar o primeiro encontro do ano, nada como um bom confort movie.

Mas você já sabe que quando as Fridas se encontram nada nunca é só o que era pra ser. A gente adora complicar e botar caraminholas nas nossas próprias cabeças. Então, uns dias depois, tivemos mais ou menos a conversa abaixo por WhatsApp (que aqui segue editada e ampliada, que nós somos dessas). Foi, em suma, um papo sem compromisso, bem pingue-pongue mesmo, mas que rendeu um bom fio de pensamento e que quisemos dividir com vocês.

Helê: Fiquei pensando depois que não tem um casal negro naquelas entrevistas de Harry e Sally.
Monix: Verdade. Outro dia eu Estava revendo Friends e pensei a mesma coisa, não tem personagens negros na série inteira.
Helê: Pensando bem, preto, no filme (Harry e Sally), só garçom, staff em geral. E aí eu fiquei pensando que ficou tão ok falar mal do politicamente correto, mas isso hoje não aconteceria.
Monix: Sem dúvida
Helê: [A maior presença de negros nos elencos] tem a ver com um ativismo maior? Sim. Mas com o politicamente correto também. E o que veio primeiro, quem puxou quem?
Monix: Acho inclusive que tem algum tipo de regulação nos EUA (não sei se governo ou autorregulação) que exige diversidade nos elencos. #pesquisar [A pesquisa não nos trouxe conclusões definitivas, mas este artigo leva a crer que não há regras nesse sentido, apenas uma discussão bastante rica e ainda em curso sobre a passagem do colorblind para o color-conscious.]
Monix: Representation matters !
Helê: Sim. Dá uma tristezinha admitir isso porque a gente ama o filme, né?
Monix: Mas não acho que isso diminua o valor do filme. Era o contexto da época.
Helê: Não, mas é como admitir defeito em amigo
Monix: Não dá pra julgar uma obra de 30 (?!) anos atrás com o raciocínio de hoje. A não ser coisas escandalosas, tipo o filme do Griffith que defendia a Ku Klux Klan. [O filme é O Nascimento de uma Nação.]
Helê: Entendo. Claro que eu não posso cobrar feminismo do Mario Lago e a sua Amélia. Mas como a gente gosta muito, preferia não tivesse esse defeito de cor, hahaha!
Monix: Hahahah verdade. Aliás, ótimo exemplo esse da Amélia.
Monix: Nem contei do problema que foi assistir 7 Noivas para 7 Irmãos no telão com o Fridinho. Ele ficou incomodadíssimo com o rapto.
Helê: Caramba! Nunca tínhamos visto desse jeito! Cárcere privado.
Monix: Lá pelas tantas ele disse que se no final as moças casassem com os sequestradores, ia ficar muito p*to. Quase mandei ele dormir 😬

E vocês, o que acham? Como assistir obras de arte criadas em outros contextos, com tudo o que sabemos hoje? Dá pra gostar, levar em consideração o contexto, ou fica difícil? Dividam seus pensamentos com a gente. A discussão é boa.

Las Dos Fridas

Anúncios

3 Respostas

  1. Eu acho que dá para gostar sim, sempre pensando no contexto, claro. Bem, com Friends eu tenho uma cisma, afinal são todos lindos, magros, caucasianos etc. e a gorda que existe no passado é a lembrança de um fracasso superado. Já Seinfeld, mais antiga ainda, porém ainda tão presente pra mim, pelo menos tem protagonistas feios ahahah porém homens – fuén. Já Elaine é a personagem feminina mais transona da história das séries, dizem. Gilmore Girls tem apenas uma oriental e uma mulher fora do padrão – gorda. Meio que parece cota. Enfim, dá pra gente se divertir sim, tendo essa leitura crítica. Com filmes o buraco é mais embaixo e quanto mais antigos, mais complicado, apesar de que há muita obra transgressora nas entrelinhas – e aí já estou partindo pra discriminação de orientação sexual, misturando tudo. O que não dá é pra jogar tudo no lixo de um passado que ainda tinha tanto a evoluir – e quem sabe o quanto estaremos erradas ou somos ignorantes em tantos outros aspectos daqui a um tempo? Ou já estamos?

    Gostar

  2. Acho que dá (ou eu gosto da ideia de que dê pra gostar). Mas é mais fácil quando a gente aprendeu a gostar antes de se dar conta dos problemas. Pra apresentar pra quem ainda não conhece, principalmente as gerações mais novas, precisa de um trabalho de contextualização grande.
    Acho que a própria fruição da arte e dos artistas ficou mais complexa, mais cheia de camadas, mas sou contra jogar no fogo e acabou. Acho importante nem que seja como história de um modo de pensar, de viver e de representar.

    Gostar

  3. Gurias, ótimas observações! Como eu sou “estilo Pollyana” (sempre vejo o lado bom das coisas) eu acho muito bom que tenhamos mudado tanto em 30 anos (o senso crítico).
    Nos últimos meses li “Americanah” e a biografia da Michele Obama e aprendi muito. O próprio sucesso editorial desses livros me leva a crer que cada um que lê é uma sementinha plantada contra o racismo, especialmente aquele “velado” ou que as pessoas “não se dão conta”.
    Os seriados progrediram. Os filmes também.
    Enfim, que os nossos filhos sejam melhores que nós!
    Beijos prá vcs!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: