Alta ajuda

Um dos grandes segredos de Fátima revelados na vida adulta é o altíssimo grau de romantização da vida a que somos submetidos, e o quanto isso atrapalha as relações, atrasa soluções, cria expectativas às vezes impossíveis — quando atitudes outras, mais simples e acessíveis, poderiam ser suficientes. Digo ‘romantização da vida’ porque acontece em todos os aspectos (e não apenas as relações amorosas): aprendemos a valorizar um modo específico de expressão do afeto, em geral instintivo, sem palavras, quase mágico. Então os melhores amantes são os que advinham o que você precisa sem que você tenha que dizer; os verdadeiros amigos, ou pelo menos os mais preciosos, entendem como você se sente sem que seja preciso explicar: basta uma troca de olhares e, pimba, a conexão suprema entre vocês foi suficiente para saciar suas necessidades emocionais.

 

Mas na vida real as conexões falham — e nós também. Vivemos inundados de informação e afazeres e boletos, desatentos e sobrecarregados. Condições  que não podem, de forma alguma, ser naturalizadas, mas cuja supremacia não podemos deixar de notar. Por isso quis vir aqui dizer que se você precisa de atenção, cuidado, apoio de alguém de quem gostaria ou esperava, peça. Não de um jeito torto, meio brincando, meio sério, com indiretas. Peça ajuda, diga o que precisa, aceite e expresse a sua necessidade claramente, dê-se a chance de ser ouvido. Não vou mentir: não é uma receita infalível e pode até não funcionar. Mas se você não tentar, jamais saberá, nem dará ao outro a chance de estender a mão, pagar um chopp, carregar uma caixa, estar com você. Admitir que estamos vulneráveis é o primeiro passo para deixar esse lugar desconfortável.

Helê

 

(No mar) você nunca está sozinho

(handa reblogou petapeta)

Helê

Uma volta pela África

Dia desses eu descobri essa série, África 360°, e fiquei levemente obcecada, vi quase toda num fim de semana.

Antes, porém, preciso dizer que a descoberta foi um acaso total, porque o programa é exibido pelo Canal Off, que eu nunca assisto por muito tempo. O Off é uma espécie de distopia, um universo paralelo onde as pessoas nunca trabalham, não votam, não se preocupam com a previdência. Estão sempre em lugares incríveis que a gente não sabe direito onde é, fazendo um esporte que não entendemos bem como funciona, e faz sol o ano todo, até nas montanhas mais geladas. Poderia funcionar como um alívio da realidade, mas depois de um tempo eu começo a me incomodar com aquela gente esmagadoramente branca e aparentemente rica que parece não ter outra razão de viver a não ser se divertir. Aí, o que era relax vira raiva e mudo de canal.

Mas África 360º foge desse roteiro, a começar pelo local em que se passa e também pela proposta, que é percorrer todo o litoral do continente africano. Captaram minha atenção por isso, e fui ficando, assistindo um episódio atrás do outro, porque o surfe (que eu gosto mas não domino) é apenas um pretexto para a viagem. Os irmãos argentinos Joaquin e Julian Azulay a se interessam pelas culturas com as quais têm contato, se mostram abertos e respeitosos com as oportunidades de conhecer melhor as cidades por onde passam e os povos que visitam. Viajando num caminhão alemão reformado e equipado por eles, que serve de veículo e casa, eles encontram personagens interessantes e procuram oferecer, em legendas breves, informações básicas sobre os países e locais que visitam.

 

   
Mizu Mission: Senegal with The Gauchos Del Mar

Fiquei um pouco irritada pensando no privilégio macho – uma viagem dessas feita por quatro mulheres é praticamente inviável por questões de segurança, pela ameaça de um tipo de violência específico ao qual só nós estamos sujeitas. Mas a indignação não é com eles, e sim com o mundo patriarcal e machista em que vivemos.

O projeto ainda não está completo, nesta primeira temporada eles chegaram até a Costa do Marfim. Mas vale apena conferir para conhecer a África realmente sob uma perspectiva incomum, sem o foco nos problemas e conflitos, um continente diverso, surpreendente, com personagens incríveis. E locações espetaculares. Dignas de Canal Off.

(Ah, e a trilha sonora é um bônus .)

Helê

Divagações sobre o divã

A terapia segue desengavetando potências, rearrumando expectativas, tentando botar fora o que não me cabe mais, examinando crenças rotas, cerzindo o que ainda pode ser usado.

Uma espécie de Marie Kondo da cabeça.

Tenho a sensação clara que mudei de posição, saí de um lugar. Às vezes eu me sinto mesmo toda remexida por dentro, e as peças ficam em movimento constante. De vez em quando duas ou mais se encaixam e eu ‘Nuooossa, agora entendi!’

Mas é um processo de ritmo irregular, ainda que contínuo. Percebo que, muito lentamente, começo a gostar mais de mim.

Travis Bedel

Helê

Piscianos

(do Eat Sleep Draw)
(do Pinterest)

Da série Corações

Helê

Descartado

(Nick Gonzales salvou na pasta Hearts )

Da série Corações

Helê

%d bloggers like this: