Bi & Hepta

Achou que eu não ir falar do Mengão?

Achou errado, otário!

Foi absolutamente justo e necessário ganhar o campeonato brasileiro no dia seguinte da conquista da Libertadores, pra compensar o tanto de sofrimento que tivemos no sábado. Eu, que pensei que seria banida pra sempre da vida de M., com quem fui ver pela primeira vez um jogo decisivo, estou agora automaticamente escalada para todos dos próximos anos.

A alegria, a glória e o alento que o Flamengo me deu neste fim de semana não cabem em palavras. Recorro então às imagens para eternizar essa narrativa épica – que começou com a dancinha do Nego Ney, lembra?

Alexandre Vidal / Flamengo
Divulgação
Júnior, Gabigol e Pet
(Instagram do Pet)
(Instagram Renê Silva)
Não esqueceremos jamais!

Helê, Flamengo até morrê!

Grandes injustiças, pequenas vitórias

Eu vim aqui falar de outra coisa, mas essa notícia que la Otra compartilhou me fez chorar de alegria, e a cada vez que eu esbarro nela tenho um flash de contentamento. E eu achei que essa imagem ia ornar com a da Michelle aí embaixo. (Para saber mais, clica no segue o fio (https://twitter.com/jonasdiandrade/status/1192289351025221632 )

Update: e já que o assunto é Justiça, o twitter preto ontem tava comemorando a possível soltura do Renan da Penha e do Gabriel Braga. Na real, assim como o preso mais famoso do país, também eles deveriam ter suas sentenças anuladas porque seu processos foram viciados, injustos e prejudicados pelo ódio aos pobres, em geral, aos pretos pobres em particular.

Helê

Great power, great responsibilities

Um amigo meu tem uma teoria que seria cômica se não fosse trágica: após o quinto gol da Alemanha (vocês sabem qual era o jogo), o Brasil entrou no mundo paralelo e não conseguiu mais sair.

Faz sentido. Pensa bem: o Brasil perder de 4 X 0 para a Alemanha numa Copa do Mundo seria humilhante? Seria. Mas seria algo como um portal para o mundo bizarro? Não. O 7 X 1 nos transportou para uma dimensão tipo twilight zone e eu realmente me pego perguntando se um dia conseguiremos sair dela.

Mas há quem diga que não, que na verdade o que aconteceu foi que os maias (não confundir com os Maias) tinham razão e o mundo acabou em 2012. Não dá para dizer que os fatos não sustentam essa teoria… afinal, de lá para cá tivemos as jornadas de junho, a ascensão ao poder de figuras bizarras no mundo todo, enfim, muitas coisas estranhas aconteceram. E além disso 2012 foi o ano em que Barack Obama foi reeleito para seu segundo e último mandato na Casa Branca. Realmente, olhando em retrospecto, parece que de lá para cá o mundo só desceu a ladeira.

***

Essas reflexões me vieram à cabeça porque estou lendo a autobiografia de Michelle Obama, ex-primeira dama dos EUA. Cá entre nós, faz tempo que eu suspeito que a família Obama na verdade não existe – são atores contratados por Hollywood para encenar um grupo de pessoas maravilhosas e fazer o mundo parecer um grande comercial de margarina.

Tá, digamos que Michelle existe. Claro que numa autobiografia a pessoa seleciona os melhores aspectos de si mesma, faz uma edição do lado obscuro da vida,especialmente da política, e mostra só os fatos que servem para compor um bom retrato de si mesma.

Mas isso não vem ao caso para falar sobre o que me impactou no livro.

Resultado de imagem para michelle obama minha história

Porque um livro como este, com potencial para alcançar milhões de pessoas no mundo todo, carrega a força de uma mensagem. E a mensagem de Michelle é a de que o poder não é um fim em si, é um meio para causar impacto positivo na vida das pessoas. Com todas as suas limitações, o poder pode (ou deve) ser usado com responsabilidade sobre aqueles que o concederam – os eleitores, no caso de um representante eleito democraticamente.

E por isso, não importa se sinceras ou não, as palavras de Michelle mostram o poder não como algo fascinante, mas algo que a família encarava com grande seriedade. Fiquei comovida com diversos trechos da narrativa em que essa sensibilidade se revelou, mas especialmente neste parágrafo em que ela conta como se sentiu após passar uma noite passeando com o marido em Nova York, em um jantar seguido de teatro, algo que milhões de pessoas fazem, em milhares de cidades ao redor do mundo, corriqueiramente.

Era como se, com nossa noite a dois, Barack e eu tivéssemos testado uma teoria e provado tanto a melhor quanto a pior parte de uma longa suspeita. A parte boa era que podíamos sair de cena para uma noite romântica, como costumávamos fazer, anos antes, quando a vida política dele ainda não tinha assumido o controle. (…) A parte ruim era ver o egoísmo inerente a fazer isso, sabendo que nosso programa havia exigido horas de reuniões entre as equipes de segurança e a polícia local. Acarretara trabalho extra para nossos funcionários, para o teatro, para os garçons do restaurante, para as pessoas cujos carros haviam sido desviados da Sixth Avenue, para os policias na rua. Era parte do peso que nos acompanhava agora. Era muita gente envolvida, muita gente afetada, para qualquer coisa ser leve.

Neste mundo bizarro/pós-apocalíptico em que vivemos, é um sopro de alento vislumbrar uma visão tão consciente sobre o quanto nossos atos afetam os outros.

-Monix-

%d bloggers like this: