Majestosa

É um paradoxo que o aniversário da Helê tenha caído no meio da pandemia, no meio do isolamento social, termo que por si só é uma contradição em termos, e que definitivamente não combina com nossa aniversariante do dia.

Helê é um ser social, um espírito agregador, uma alma solar. Ela é da música, do samba, dos bons drink, da risada escancarada.

Helê é majestosa como na foto aí de baixo, tirada no aniversário do ano passado com duas das nossas melhores amigas-leitoras.

A majestosa aniversariante

Dessa vez não vai ter festa em várias etapas. Vai ter festa guardada, para quando a gente puder finalmente se abraçar apertado novamente. Enquanto isso a gente deixa nosso amor aqui, em forma de comentários. Bora?

-Monix-

Sócia da ditadura

Relatórios indicam a contribuição da Volkswagen na repressão a trabalhadores durante a ditadura militar (Foto: Divulgação)

Esbarrei nessa matéria no Estadão: “Indenização de Volks será usada para investigar outras empresas que apoiaram ditadura“. Foi o que mais chamou minha atenção nos jornais hoje porque, como diz Monix, antes tarde que mais tarde ainda. Mas achei meio nebulosa, faltavam informações. Daí encontrei essa:

VOLKSWAGEN FECHA ACORDO DE R$ 36,3 MI PARA REPARAR VIOLAÇÕES DURANTE A DITADURA MILITAR

Essa sim, vale o clique: bem escrita e completa, sanou a maioria das interrogações que a outra provocou. Curioso que seja publicado na revista Autoesporte quando deveria estar na editoria de política. Mas considerando o governo atual, agradeça que saiu a matéria e olhe lá. Sintomático que uma empresa alemã faça um ajuste de contas que os governos democráticos não quiseram/puderam/conseguiram fazer em 30 anos (e deu no que deu… ).

Quando li no Estadão pensei que “a conta sempre chega”, até para as empresas. Pensei até em escrever sobre no Linkedin, alertando CEOs e gestores – mas talvez o tema seja indigesto para a plataforma e não ajude a me “recolocar no mercado” (esse eufemismo cínico para “superar o desemprego e ser contratada”). Depois da matéria no Autoesporte pensei: “R$36 milhões foi é pouco!”, porque se os caras, com um pesquisador próprio, toparam pagar, é porque devem mais do que admitem. Assinaram um TAC que os livra de futuras ações – quanto elas poderiam render? De todo modo, ainda que possa não ser o melhor acordo ou o mais justo, já é bom que exista. Afinal, nesta terra em que anistia é sinônimo de esquecimento e deus mercado rege tudo e todos, veja só, uma empresa expia sua culpa por ter ajudado um regime autoritário e espúrio. Quem diria.

Helê

Narciso maduro

Caetano Veloso anda em evidência nos últimos tempos, seja na internet, seja nos meios de comunicação tradicionais. O Sol entrou em Leão em julho e Caetano em nossa casa em 7/8, na lendária live em comemorou 78 anos cantando juntos dos filhos um repertório de sucessos mas que não foi óbvio. Pareceu escolhido com intenção desde a canção de abertura, a definitiva “Milagres do Povo”.

Quem descobriu o Brasil foi o negro que viu a crueldade bem de frente

e ainda produziu milagres de fé no extremo ocidente

Talvez o certo fosse dizer que nós entramos na casa de Caetano (mas aí eu perderia a metáfora do início do texto e o que a gente não faz por uma, não é mesmo?) O clima foi intimista, com aquela formação familiar em linha em frente a uma estante repleta de símbolos posteriormente comentados e decodificados no twitter, esse reino da semiótica e da frivolidade.

E então Caetano Veloso voltou a “bombar” por causa do lançamento de “Narciso em férias” o excelente documentário dirigido por Ricardo Callil e Renato Terra. É chocante e deprimente assistir esse filme no contexto de um governo militar eleito democraticamente. Mas ainda assim é necessário. Talvez nesse momento seja ainda mais importante destacar a violência arbitrária, brutal e burra de que são capazes os militares brasileiros. Não digam que depois que não sabiam.

“Narciso em férias” também é bastante intimista, com seu cenário duro e revelações igualmente despidas de enfeites, algumas surpreendentemente íntimas – brutally honest, dizem com precisão os americanos. Emociona, revolta, diverte até.

Em determinado momento, o baiano se manifesta com veemência um anti-comunista; em várias entrevistas de lançamento do documentário ele aproveitou para fazer uma nota de pé de página a essa afirmação e rever suas crenças liberais. Creditou ao jovem  historiador Jones Manoel essa mudança. Afirmou repetidas vezes que as falas de Manoel e sua indicação da obra de Domenico Losurdo abriram sua cabeça e o fizeram menos liberalóide.

O liberalismo, claro, atingido na alma, tratou de se mexer, e a internet foi palco de variadas tretas. Curiosamente, Caetano foi parcialmente poupado; Jones Manoel, o jovem historiador negro de origem periférica, foi tachado de stalinista e reduzido a mero “treteiro de twitter”.  Na verdade não há nada de curioso nisso, apenas o racismo e classismo nossos de cada dia.

Mas eu acho que a internet miss the point, como de costume. Pelo menos o meu ponto, que não estou interessada em discutir stalinismo a essa altura do campeonato. O que me parece mais cintilante nesse rebuceteio digital é o frescor de um homem velho (que deixa vida e morte para trás), aos 78 anos, capaz de mudar de opinião e defender essa mudança. Que reconhece a ascendência de um jovem professor sobre suas ideias. Caetano tem esse passe fluido e orgânico entre os mais jovens que ele (é colaborador da Mídia Ninja, por exemplo), sem querer ser ou parecer jovem. Sendo ele mesmo, um velho baiano, que faz menção à própria idade às vezes, outras não. Ele sempre tão leonino , se mostra nesse episódio  generoso e humilde – e, para mim, brilha ainda mais por isso. 

Helê

%d bloggers like this: