Ainda o mar

Alertada pela Manu, eu passei a acompanhar a Tamara Klink na travessia que ela acaba de concluir, viajando sozinha num veleiro, vindo da França até o Recife. Peguei a viagem mais ou menos no meio do caminho; quando me juntei ao cardume de leitores e leitoras ela já havia deixado Nantes e fazia uma parada na Espanha, se não me engano. Só poucos dias antes da chegada descobri como acompanhar a rota do Sardinha, seu barco, via GPS, e então quase todo dia eu ia lá espiar em que ponto do Atlântico ela estava. E essa é a primeira das muitas e inevitáveis comparações com as viagens de seu pai, Amyr: no caso dele, era preciso esperar que elas terminassem e virassem livro para que a gente pudesse embarcar.

Tamara tem desenvoltura com os instumentos de navegação e também com as palavras: seus relatos quase sempre poéticos, mesmo que em prosa, não deixavam de captar a dimensão filosófica e transcendente de sua empreitada, uma jovem mulher de apenas 24 anos cruzando um oceano inteiro por conta própria. Observar a trajetória dessa moça tem um sabor todo especial para quem, como eu, navegou durantes anos entre as páginas dos livros de seu pai. Tenho a sensação parecida com a que tenho com as conquistas dos filhos de amigos: a (ilusão de) proximidade, a alegria por uma vitória que é dela, mas que perpassa também seu pai, de muitas e insondáveis maneiras.

Tenho um profundo respeito e admiração pelo Amyr Klink (foi a última pessoa a quem pedi um autógrafo; antes dele, só para o Veríssimo, pra você ter uma ideia). Seus livros me lançaram em paisagens nunca antes lidas e foram passaporte para muitas outras histórias incríveis sobre a descoberta dos polos ou a ascenção ao Everest. Assitir agora, na palma da minha mão, sua filha chegando em tempo real depois de uma temerosa e bem-sucedida jornada me comove um bocadinho, me fala sobre o tempo, tempo, mano velho correndo macio e sendo legal, me deixando testemunhar uma outra geração Klink de desbravadores – daqui do alto das minhas próprias conquistas, também vendo herdeira dando os primeiros passos para zarpar logo vida a fora. E enquanto escrevo lembro, pra deixar redondo esse moto-contínuo que é o tempo e seus assombros, que presenteei a Manu, anos atrás, exatamente com o “Cem dias entre céu e mar”, que ela de certa forma me devolve ao me contar da Tamara e sua travessia, que atravessa minha vida trazendo frescor, esperança e gratidão.

Helê

PS: E por alguma dessas coincidências da vida, o post sobre o autógrafo do Amyr foi publicado há exatos quatro anos. 

5 Respostas

  1. […] (na falta de outro H…). Investimentos. JujUFF. Klink, Tamara. Lula, […]

    Gostar

  2. Ai ai.. pra variar, vc trazendo poesia, beleza e um sorriso nos lábios ao final da leitura. Brigadim! Aline.

    Em qui., 4 de nov. de 2021 às 19:39, Duas Fridas escreveu:

    Duas Fridas posted: ” Alertada pela Manu, eu passei a acompanhar a Tamara > Klink na travessia que ela acaba de concluir, viajando sozinha num veleiro, > vindo da França até o Recife. Peguei a viagem mais ou menos no meio do > caminho; quando me juntei ao cardume de leitores e lei” >
    Obrigada vc, querida, pela leitura ❤️
    😚😚,
    H.

    Gostar

  3. Como leitoras assíduas do pai podemos dizer, então. que já acompanhamos a Tamara há muito tempo, desde que era uma das filhas gêmeas tão pequenas e tão mencionadas nos livros do Amyr.

    Ela comprou o próprio barco na Noruega, foi lá buscá-lo e trouxe na unha.
    Este Atlântico foi só o começo.

    Sim, Fer, sempre me volta à mente a imagem dele voltando da Antártica e a Marina entrando no mar com uma em cada braço. Mal posso esperar pelo que virá pela frente!
    Bjs,
    Helê

    Gostar

  4. Textão, querida.
    Eu que tenho essa terrível e, muitas vezes injustificada, confesso, implicância com os feitos dos muito bem nascidos fiquei totalmente simpática a família e com vontade de saber um pouco mais.

    Ah, querida, outras tantas vezes é tão justificada que dá pra entender :-D . Mas Tamara merece atenção, eu acho. Tem inegáveis privilégios, mas não limitou suas escolhas a eles.
    Que bom encontrar você por aqui !
    Beijos,
    Helê

    Liked by 1 person

  5. Quanta emoção nesse post Hele! Amir Klink é outra das nossas paixões compartilhadas, eu perdi essa travessia da Tanara mas hoje fui surpreendida com o vídeo dela pouco antes da chegada, e não deu pra segurar as lágrimas… como vc disse, é um pouco como se fosse a filha de um velho amigo!

    Ah, Dedear, de paixões compartilhadas é revestida nossa amizade! ;-)
    Beijoca,
    H.

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: