Quando o samba me salva

 

É de manhã cedo, e no primeiro post do dia Maria Bethânia, ao lado de Zeca Pagodinho, pede para buscar quem mora longe. Tiro o olho da tela por um instante e encontro ‘A Vida no Campo’ bem ao lado; momentaneamente parece haver uma relação entre as obras, mas talvez seja só a minha cabeça delirante. Sonho meu. Volto para a tela do lépi tópi. A princípio, Bethânia parece tímida ao lado de Zeca. Ele, indisfarçavelmente feliz, exercita a típica marra carioca: “Agora sou eu e ela!”.  Nas primeiras notas, some qualquer vestígio de timidez e Maricotinha ordena, sensual e dengosa: “Vá buscar quem mora longe, Sonho meu”. Tão bonito ouvir Betânia encontrando entonações surpreendentemente novas nessa canção já antiga; que cena prazerosa vê-la feliz, rodeada de músicos também extasiados com o momento, incluindo Zeca, orgulhoso, totalmente “pinto no lixo”! O maestro Rildo Hora rege tudo com entusiasmo e vigor, as usual. A ternura e o sorriso que o vídeo desencadeia em mim têm raízes fundas: me dou conta de que ouvi muito essa canção na infância; minha mãe tinha o disco, e houve um tempo, senhoras e senhores, em que Bethânia tocava no rádio e era sucesso de execução e vendas. O Gúgol me acode e denuncia minha velhice: o álbum é de 1978. Eu ainda contava a idade com um dígito; tudo desse tempo visto daqui parece feliz. “Sonho meu” encaixa na categoria confort music porque desperta intimidade, reconhecimento, soa familiar – na acepção mais positiva e agradável da palavra.  Reparo que a letra, breve, tem versos simples e belos, como sói acontecer com os sambas de qualidade. A música de Dona Ivone Lara e a poesia de Délcio Carvalho têm ainda um bocado de tristeza – como Vinícius advertiu ser necessário para fazer um samba com beleza. Traz a pureza de um samba sentido, marcado de mágoas de amor. Que, não obstante isso, nos envolve e leva ao movimento, seja com palmas, seja um leve balançar da cabeça ou remexendo as cadeiras. Um samba que mexe com o corpo da gente.  E essa gravação/congraçamento que reúne Santo Amaro e Rio de Janeiro, Recôncavo e Guanabara, a Abelha Rainha e o Rei de Xerém, me deu a alegria necessária (mesmo que não suficiente) para começar o dia e – por que não? – o mês com alguma esperança.

Obrigada, Cláudio Luiz, por postar o vídeo e pelas emoções subsequentes (e por me possibilitar escrever um post musical como eu não fazia há tempos e morria de saudade).

Helê

Mermão

Em inglês se diz brother-in-law; em francês, beau-frère – diferença que sempre achei interessante: o que uma língua determina pela lei a outra define pela beleza. Em português há uma palavra específica, cunhado – que a sabedoria popular diz que não é parente, enfraquecendo um parentesco já meio frouxo. Pois o Laerte foi todos esses e mais alguns. Cariocamente bróder, parceiro na alegria e no perrengue; legalmente cunhado, irmão no amor pela beleza das canções. Por um longo tempo fomos também brothers in arms, unidos numa feliz, debochada e resistente trincheira flamenguista, cercada de alvinegros por todos os lados.

Mas eu e Laerte fomos, somos – e desconfio que seremos sempre – irmãos em notas. Não as monetárias (que a gente não dispensa), mas as musicais, para nós vitais porque nos alimentam, orientam, constituem. No mundo mágico da música estabelecemos um território de entendimento, livre de preconceitos e dogmas: ouvíamos de tudo, gostávamos de muitas coisas e até nos divertíamos com as discordâncias. Não é que a gente goste das mesmas coisas, é que a gente gosta do mesmo jeito. Compartilhamos o mesmo entusiasmo pela canção recém-descoberta, a expectativa pelo próximo álbum, a excitação pela regravação Na trincheirainusitada, a rendição ao verso matador que justifica um disco inteiro. Nossos encontros, que quase sempre começavam com sorriso e abraço festivo na minha chegada, pareciam jam sessions em que a gente ia improvisando, mostrando um ao outro novas aquisições ou clássicos resgatados; nos entendíamos por música e tocávamos de ouvido: sem partitura, marcando o tempo na batida do coração. Gente como Laerte e eu ouve música como quem respira: para viver.

A vida, essa mesma que nos reuniu e nos deu a chance de conviver, sofrer e crescer juntos, também nos apartou. É da vida fazer isso, como a falta é do jogo. Se a gente for esperto aproveita enquanto pode, retém o que precisa, celebra o que permanece. E a nossa fraternidade se mantém porque o que a música (e o Flamengo) uniu nada separa. Então, Lau, nessa data querida  eu quero te desejar os batuques mais potentes, as mais belas melodias, os solos mais surpreendentes, todas as cores do som. Tims, e Bens e tais; para você o que você gosta diariamente: nem mais, nem menos; nem luxo, nem lixo, só beleza pura. Saúde pra gozar no final (no meio e no início também). Desses seus (primeiros) 50 anos eu só posso dizer o que a gente falava nas nossas festas memoráveis, depois que a música certa na hora exata fazia todos dançarem loucamente: pode melhorar – e vai.  Qualquer hora dessas a gente se encontra de novo e faz um som daqueles, mermão.

Helê

Mais da mesma

Lembrei da data, pensei nas imagens e postei para lembrar o inesquecível, que Amy Winewhouse não está mais entre nós. Fui tomar um banho e então as palavras começaram a escorrer na mente; corri para registrar, antes que secassem.

Cinco anos desde sua morte, cinco anos que parecem meses e também cinco décadas, o tempo sempre distorcido pelo filtro da saudade. Lembro exatamente onde estava quando soube da morte dela, quem me avisou, o impacto da confirmação do que se sabia previsível mas, ainda assim, era inaceitável. Porque a Amy é para mim o que foram Elvis, Lennon ou Colbain para outros. Embora eu sinta e lamente a perda de muitos outros nomes, tenho com Amy uma relação toda especial, que inclusive pode ser rastreada neste blogue jurássico: a primeira referência aparece em 2007, e retorna outras tantas vezes, antes e depois de sua morte em 23 de julho de 2011. E acho que voltarei a falar sobre ela, mesmo daqui a muitos anos.05981aefb4fe98dffbadbfc7c3d9c077

Claro que conta o fato de ter acompanhado sua trajetória – seu arco excessivamente dramático, eu diria, se sua vida tivesse sido uma ficção. Mas já tenho tempo de janela suficiente pra ter acompanhado muitos outros talentos; isso não explica tudo, não justifica essa falta que não passa, a sensação de injustiça por ela ter tido tão pouco tempo para existir nesse mundo. Não sei precisar exatamente o porquê da minha ligação com Amy; essas coisas de amor e amizade a gente sente e aceita, agradece e aproveita – mesmo quando dói.

Helê

Missing Amy

Helê

Casais

ed7122b23fde5c975e2320961e1b0d17

(Criative  Silence)

“Chega mais perto, moço bonito
Chega mais perto, meu raio de sol
A minha casa é um escuro deserto,
Mas com você ela é cheia de sol
Molha tua boca na minha boca
A tua boca é meu doce, é meu sal
Mas quem sou eu nessa vida tão louca?
Mais um palhaço no teu carnaval”

Tema de amor para Gabriela, Tom Jobim

Helê

Rolling Stones ou You get what you need

Dez anos atrás, perdi deliberamente o show dos Stones em Copacabana, para horror das minhas amigas roqueiras —  entre elas minha sócia Monix. Eu achava, não sem razão, que conhecia muito pouco para suportar os outros 999.999 espectadores. Declinei, mas a indignação dazamigue instigou meu interesse e comecei a aplicar doses regulares de RS na veia musical. Nesse meio tempo assisti “Shine a light“, do Scorsese, que eu adorei, e decidi então que não perderia nova oportunidade de ver Rolling Stones ao vivo, se tivesse. Tive*, e no sábado parti para o Maracanã, empolgada o suficiente para encarar a multidão de mais de 60 mil pessoas.

DSC_0879

A única boa foto que consegui foi de “Sympathy for the devil”. Eu, heim.

 

Som, luz e cenários de altíssimo nível, exatamente como se espera de um show desse naipe.

Ronnie Wood é o regular guy da parada porque, né, toda banda precisa de um.

Keith Richards, o Highlander, foi ovacioado no Maraca sem fazer gol, mas pelo conjunto da obra. Emo-cio-nan-te. Apesar de tocar há mil anos, deixa a impressão que ainda se diverte, e muito.

Mick fucking Jagger definindo o que é presença de palco e o que faz exatamente um leading man. Uma energia inacreditável e genuína, o tesudo mais improvável do rock. Sem vestígio de beleza, com sua dança desengonçada que só nele faz sentido, do alto dos seus 72 anos (!!!) ele continua sexy, e não é pouco.

12764774_944014535678998_5738843005513890786_oMas para mim a grande atração foi Charlie Watts, o baterista com cara de mordomo, a coluna mais ereta do show bussiness mundial. Parafraseando a Tina, no verbete “Impassível” do dicionário tem a foto dele. Em meio ao visual e estilo esfuziantes dos demais integrantes, Watts mantém a decantada fleuma britânica tocando bateria como se violino fosse: com precisão, classe, vigor e postura impecável. Vestindo uma calça azul e uma camisa amarela, parecia ter acabado de acordar. Ou que veio entregar um Sedex de Londres e aproveitou a viagem pra fazer um show. Fiquei hipnotizada, achando que ele é o cara, exatamente por não ser, sabe como?

Para minha alegria atravessar o mar só faltava uma música, e ela veio aos 42’ do segundo tempo. Dei um pulo quando vi um coral no palco e sim, era “You can’t always get what you want”, hino/mantra/oração/consolo que já me acudiu muitas vezes. Aí foi correr pro abraço e celebrar o fim da partida com “Satisfaction”, que I’ve got a lot, contrariando a letra da canção. Um show impecável e histórico, como só os grandes sabem fazer.

*Obrigada S., pela oportunidade e companhia perfeita.

Helê

Vá ver o Chico

4617998_x720

Se ainda não viu, faça a você mesmo um favor e vá. Contra fel, moléstia, crime; para um coração mesquinho, contra solidão agreste: Chico Buarque Artista Brasileiro é inconteste. O filme, que continua lotando sessões no Rio, serve de antídoto para o inevitável pessimismo reinante (Veríssimo, meu rei, com a lucidez de sempre,  chamou de uma clareira de talento e sensibilidade em meio à estupidez crescente). Antítese desses tempos de império do Ego e supervalorização das Caras, o documentário é totalmente anticelebridade. A gente sai do cinema com a sensação de que bateu papo com o Chico por duas horas – o que, convenhamos, vale o ingresso. Um papo agradável, bem-humorado, cheio de reminiscências mas sem nenhuma nostalgia.

Logo no início ele avalia que, quando jovem, mergulhou na literatura para chegar até o pai, amoroso mas um tanto inacessível. “Eu tive que achar o caminho até o escritório do meu pai”, ele diz, e na hora pensei: “mas não é o que todos nós fazemos, seja um bar, a oficina ou só a cabeceira da mesa?”.  Também em outros momentos Chico se mostra gente como a gente,  lidando com desafios, surpresas e sobretudo percalços da vida.  Sobre os quais, aliás, ele parece ter até mais prazer em falar: lembra, entre risadas, da primeira turnê fracassada pela Europa, com Toquinho; diverte-se ao contar do surfista no Arpoardor que o reconheceu na foto ao lado de Bob Marley num museu em Kingston. Com a mesma leveza reflete sobre a velhice  – fazendo contas que depois abandona – e sobre as mudanças no país.

Há momentos emocionantes, como o depoimento do Carvana sobre a primeira vez em que Chico viu a Marieta. Minha emoção se liquefez nos trechos sobre o Rio de Janeiro e a Mangueira porque aí é, literalmente, muito amor envolvido. Eu saí da sessão leve e satisfeita com o meu guri, que além de suas muitas e decantadas habilidades, domina mais uma, rara: soube envelhecer bem, mantendo a fleuma, o charme, a mente aberta e a gargalhada farta. Melhor só se estivesse, como encantado, ao lado meu.

Helê

%d bloggers like this: