Sobre patriotismos — e algumas notas olímpicas

Os japoneses são tão organizados que calcularam direitinho pra olimpíada cair bem no intervalo da CPI da Pandemia, garantindo o entretenimento dos brasileiros.

E a gente estava mesmo precisando de uma diversão que não fosse apenas passar raiva juntos.

***

Eu sou aquela que só gosta de futebol na Copa do Mundo. E dos demais esportes, quando os ventos favorecem, só mesmo em alguns Jogos Olímpicos. Em 2016 eu dei uma surtada com os Jogos no Rio e assisti um monte de eventos. Foi a última vez que minha cidade, que tanto amo, me fez realmente feliz.

Ano passado, quando adiaram os Jogos de Tóquio, eu estava mais preocupada com a crise global da pandemia. Não dediquei mais que dez segundos pensando “ah, fizeram bem”, e segui dando banho nas compras (a gente ainda estava nessa fase, lembram?). Mas desde semana passada, quando me caiu a ficha de que mesmo com a pandemia ainda nos ameaçando aí fora haveria, sim, olimpíada, convivo com um misto de sentimentos. O primeiro deles foi a saudade imensa do Rio olímpico, do alto astral daqueles dias. Revi vídeos e ri até das coisas que reclamei rabugentamente na época, como a zoeira exagerada da torcida carioca em esportes tradicionalmente mais “comportados”.

***

Pouco antes de começar a olimpíada, fiquei meio na dúvida se era certo assistir, afinal, pandemia né? Durante outros dez segundos fiquei pensando se era incoerente acompanhar os Jogos depois de criticar a vinda da Copa América para o Brasil*, tempo suficiente para concluir: eles que lutem.

***

O esporte é uma forma genial de canalizar o patriotismo das pessoas, construir um senso de nacionalidade, sem precisar levar todo mundo para a guerra. Assistir EUA X China no vôlei é um microcosmo de tensões geopolíticas que terminam quando o juiz dá o último apito. Este ano eu lembrei que adoro vôlei (sei lá por que tinha esquecido disso), e fico catando partidas nos inúmeros canais sem locução disponíveis no meu pacote. Mas não consigo assistir sem torcer, então escolho um país. Normalmente vou pela proximidade ou afinidade cultural: entre Irã e Venezuela, fiquei com nossos vizinhos. Perderam. Na partida entre americanas e chinesas, tentei de verdade torcer pelas representantes do nosso continente, Mas elas eram tão antipáticas, e as asiáticas, por outro lado, tinham tanta alegria (davam gritinhos a cada ponto), que mudei com cinco minutos de jogo.

***

E obviamente há o Brasil. No Twitter o que mais vejo são negociações sobre para qual atleta podemos torcer, quem é ou não bolsominion, se é melhor focar nos esportes individuais e escolher os mais confiáveis ou se nos coletivos para diluir o risco. Sinceramente? Estou zero preocupada com isso. Torço mesmo. O esporte, como eu disse, é uma forma de emoldurar nosso conceito de nação — e curiosamente ao mesmo tempo é mostrado como um instrumento de superação pessoal de dificuldades, etc. Paradoxos.

Mas enfim, digressões à parte, há alguns anos, principalmente a partir de 2013, me sinto um pouco lesada no meu direito de pertencer ao Brasil, de ser brasileira, de me ver representada por símbolos nacionais (os piores casos são a bandeira e a camisa da seleção de futebol, que foram roubados de nós pelos extremistas de direita e hoje causam desconforto na maioria das pessoas da minha turma). Por isso, tem sido bom aproveitar os Jogos Olímpicos para me reencontrar com o sentimento de brasilidade. De saber que ser brasileira, mais do que vergonha internacional, é fazer parte de um povo alegre, apaixonado e apaixonante, intenso de todas as formas (às vezes a ponto, sim, de ser vergonhoso, mas por motivos mais inofensivos do que destruir a Amazônia ou deixar a pandemia fora de controle para lucrar com vacinas superfaturadas e garantir popularidade no ano de eleições).

***

O maior símbolo do Brasil que eu quero e preciso resgatar no meu coração é a fadinha Rayssa Leal. O sorriso no rosto dessa menina, a leveza em cima do skate (e o próprio fato de o skate se tornar esporte olímpico), tudo isso me representa.

Aos 13 anos, Rayssa Leal, a Fadinha, conquistou a medalha de prata no skate stre
Valeu, garota :)

***

Ainda nesse quesito “reflexões sobre o patriotismo nos esportes”, chama a atenção a situação dos atletas russos. O país foi banido de competições internacionais, porque o governo estava dopando todo mundo pra conseguir os melhores resultados (resumindo em poucas palavras uma situação obviamente mais complexa que isso).

Esse caso da Rússia leva ao limite o argumento de que o esporte é uma forma de sublimar as guerras, de levar as tensões geopolíticas para dentro das quadras e pistas e etc. Hoje é século XXI, galera. O soft power é tão importante quanto qualquer outro, se não for mais.

Enfim, quando vi a bandeira olímpica e a a sigla ROC indicando que os atletas estão competindo pelo Comitê Olímpico Russo, e não pelo país, achei estranho e meio que como trocar seis por meia dúzia. Se são as mesmas pessoas, que diferença faz? Não é uma hipocrisia danada permitir isso?

Claro que há interesses comerciais que não podem ser contrariados. Um atleta de alta performance fora de uma olimpíada causa um prejuízo enorme para as marcas que investiram nele. Uma delegação inteira, ainda mais uma do porte da russa, seria incalculável.

Mas, negócios à parte, realmente não é a mesma coisa que competir sob a bandeira do país. Subir ao pódio e não ter o hino executado é um golpe no sentimento de patriotismo que vem junto com a vitória no esporte. Ainda mais quando se sabe que isso acontece porque o governo do seu país foi punido.

Além disso, na prática a medida significa que os atletas estão reunidos sob o Comitê Olímpico Russo, um órgão que o Comitê Olímpico Internacional consegue controlar.

***

Um silêncio veemente que se escuta é o do presidente Jair. Políticos e artistas que entendem essa relação umbilical entre os esportes e o conceito de nação estão parabenizando os atletas, vibrando com cada conquista, e na medida em que adjetivam e qualificam cada acontecimento, ajudando a emoldurar a ideia que fazemos de Brasil. O Brasil é o sorriso da Rayssa? É o choro emocionado do Ítalo? É a persistência dos caras do vôlei que viraram um jogo suado contra a Argentina? Sim. Somos um pouco de tudo isso. E o presidente? Soltou uma nota burocrática parabenizando os skatistas e aproveitando para falar de isenção de impostos para skates, como se alguém estivesse pensando nisso na hora de comemorar medalhas. Francamente. Fora isso, nada mais. É quase como se estivesse aproveitando que todos mundo está olhando pro outro lado para entregar de vez o governo ao fisiologismo.

Ou vai ver que ele só consegue mesmo se pronunciar quando é pra atacar a ideia de Brasil que esses atletas representam. Por isso, quando eles triunfam, não consegue dizer é nada.

***

Voltando ao começo, semana que vem a CPI recomeça e desconfio que o recreio vai acabar — ou seja, será o fim desse intervalo maravilhoso em que foi possível esquecer do Brasil sombrio de 2021 e acreditar que podemos ser muito, muito melhores que isso.

-Monix-

* Refletindo melhor, concluí que não, não é a mesma coisa. O Japão está há mais de um ano planejando e pensando em formas de realizar um evento deste porte em condições minimamente seguras para todos. O Brasil atravessou a rua para escorregar numa casca de banana que nem era nossa, e abrigou uma competição internacional com dias de antecedência, seguindo a lógica sanitária do salve-se quem puder.

Em busca do ânimo perdido

Tá tudo meio chato. Tudo meio assustador. Tudo meio deprimente. E esses “tudos” deixam a gente sem ânimo.

(Aliás, a palavra é bem essa mesmo. A gente costuma usar “ânimo” para falar de um estado de espírito, mas na origem a palavra significa o próprio espírito. E essa soma de coisas ruins — ou de nadas — parece estar matando o nosso espírito, não? Pelo menos é assim que eu me sinto, há uns bons meses.)

***

As últimas semanas foram particularmente difíceis nesse quesito do ânimo. Mas aprendi com a turma do Medo e Delírio em Brasília que passar raiva junto é melhor. Foi por isso que na sexta à noite, apesar de não me sentir exatamente motivada, resolvi na marra que iria à manifestação do sábado.

Na rua não teve Fla X Flu. Torcidas unidas na força do ódio.

Eu fui. E sim, passar raiva juntos é extremamente motivador.

Estou há um ano e meio em casa, durante uma pandemia fora de controle, sabendo que está tudo errado e que as coisas não precisavam ser tão desastrosas assim. Essa sensação de isolamento misturado com revolta é uma receita certa para desanimar, ou, mais exatamente, definhar. (Se você ainda não sabe o que é definhar, dá uma pausa na leitura aqui e clica no link. Depois volta aqui. Sério mesmo, essa matéria explica muita coisa.)

Estar na rua cercada por pessoas tão indignadas quanto eu teve o efeito contrário ao isolamento forçado da pandemia: foi revigorante. Não é natural para nós, humanos, estarmos longe de nossos pares, distantes de qualquer troca, alijados da vida em sociedade. Fazer parte de um grupo tão grande, tão diverso e tão potente me fez bem.

Durou pouco, é verdade. Assim como a destruição causada ao país vai demorar a ser recuperada, os danos à nossa saúde mental também não serão curados em um dia. Mas é preciso começar por algum lugar.

Então, leitores e leitoras do meu coração, fica a dica: na próxima manifestação, estejam lá. Faz bem ao país e, principalmente, faz bem para a nossa cabeça.

-Monix-

Lição

Eu devia ter uns dez anos, se muito. E estava conversando com meu pai, não lembro sobre o que exatamente, e ele me disse a frase fatídica: “Tudo é política. Tudo é um ato político”. Espanto. Descrença. Não é possível, meu pai devia estar exagerando ou só sendo impaciente. “Tudo tudo, pai?” E ele, irredutível: “Tudo!” Revirei todos os conhecimentos que tinha conseguido juntar até ali pra tentar combater aquilo que parecia uma senteça da frieza do mundo. Não podia tudo na vida ser aquilo que eu achava cinza, chato e de adulto como a política. E então usei o exemplo que me parecia o mais distante possível e me parecia irrefutável: “Um beijo na boca, pai? Beijo é política?” Ele nem perdeu tempo considerando meu argumento pretensamente definitivo: “Sim, claro, até um beijo é um ato político”, respondeu, inabalado.

Sem mais recursos, eu desisti, mas não me convenci. Fiquei ainda algum tempo chocada com o que me parecia uma heresia. Como podia ser político um gesto tão lindo? (Lembre que eu tinha só dez anos, sabia menos sobre beijo que sobre política…)

Só mais tarde – mas nem tanto assim, no começo da adolescência – eu compreendi o que meu pai quis dizer. Descobri, por exemplo, a potência de uma frase como “Faça amor, não faça a guerra”, que aos dez anos daria um curto-circuito na minha cabecinha. Mas na qual eu já não via contradição ou inconsistência, pelo contrário: estava impregnada de política – e também de afeto e de muitos outros significados. Eu agradeço por ter sido educada para compreender a política como algo amplo, ordinário, presente no cotidiano de todos, cientes ou não disso.

E me irrito praticamente todos os dias com uso equivocado da palavra, as falsas oposições (‘é um quadro técnico, não político’ – ahã…) e com a ignorância orgulhosa de quem acha que política é aquilo que se faz em Brasília e não as mensagens mentirosas que eles distribuem no zap da família. Leio estarrecida comentários do perfil de um sindicato: “Cuidem de nossos problemas e deixem a política de lado.” Tenho ganas de responder: “Amadah?!?!”

Barba 🏀 on Twitter: "No segundo o beijo fictício de 2018 entre Bolsonaro e  Trump do artista BadBoy Preto em Maracanaú, Ceará. Artistas diferentes,  lados diferentes do espectro politico, países diferentes... Mas
Mein Gott, hilf mir, diese tödliche Liebe zu überlebenobra do artista russo radicado na Alemanha, Dmitri Wrubel. 

Helê

Dos Cadernos da pandemia para o Diário da peste

Foi como silenciar, de uma hora para outra, um turbilhão de ruídos, informações, providências da vida cotidiana, desesperos governamentais para passar a ouvir o próprio corpo com o máximo de atenção e cuidado possíveis. Tudo o que vivemos, discutimos e lidamos há mais de um ano mudou quando senti os primeiros sinais de infecção. Saiu de cena a Pandemia, coletiva, mundialmente disseminada, assustadora porém distante e entrou no meu quarto a Covid-19; sentou na poltrona mais próxima sem ter sido convidada e passou a me olhar nos olhos todos os dias e respirar no meu cangote como se eu fosse uma presa. Tudo o que era real e terrível torna-se hiper-real, um baque. O Medo.

Senti muita febre nos primeiros dias, dores no corpo e um cansaço ancestral. Dormi por horas, alterando estados de consciência seja pela condição febril, seja pelos sonhos sempre intranquilos. Confinada no meu quarto, eu perscrutava atentamente o som da minha respiração para saber estava como deveria, com medo de perder qualquer mínimo indício de que as coisas podiam piorar. Entre muitos e obrigatórios litros d’água – das poucas coisas que sabemos que funcionam, ainda que também não curem. Porque, como se sabe, não há cura, a não ser a que o corpo engendra. Ter uma doença que já matou milhões de pessoas e para qual não há remédio, apenas esse conhecimento, provoca tonturas; eu me senti (e ainda me sinto às vezes) espreitada pelo mal e, por isso, não posso dar nenhum passo em falso.

A gente não quer pegar Covid. Se pega, torce pra ser leve. Se não é, torce pra ser rápida, para não precisar internar, para não precisar intubar, para se recuperar, para não ter sequelas. São muitas coisas que podem dar errado,  e até aqui tive mais sorte que o contrário, mas eu não dispenso nenhuma gota de fé, alto astral, carinho, esperança, good vibes, oração, vibração ou qualquer luzinha miúda na minha direção e agradeço cada uma delas, comovida. Contra o mal que a gente não conhece, só mesmo a força mais poderosa que a gente experimenta: o amor.

Helê, no 11° dia de infecção, tratada em casa 🙏🏾 pela filha mais amorosa e foda❤️. No gerúndio da melhora, um dia de cada vez.

Sete anos sem Cláudia da Silva Ferreira

Sentimos que nunca acaba de caber mais dor no coração

mas não choramos à toa

Arnaldo Antunes

Este blogue sempre fez questão de não esquecer de Cláudia, uma das incontáveis vítimas da Polícia Militar do Rio de Janeiro, arrastada por vários metros caída de um camburão onde nem deveria estar. Este crime completa hoje sete anos, com os indiciados ainda aguardando julgamento, todos em liberdade. Um deles quase foi nomeado superintendente de combate a crimes ambientais do estado do Rio. A divulgação do fato na imprensa e a imediata reação de entidades feministas fez com que a a secretaria voltasse atrás e desistisse da nomeação.

 

O marido de Claudia, os quatro filhos e os sobrinhos que ela também cuidava.

 

Como eu disse, não quero esquecer de Cláudia e de sua morte pavorosa em todos os aspectos na esperança desesperançada de que a justiça seja feita. Nos últimos anos, esse crime acabou ofuscado em meio à revolta pelo assassinato brutal de Marielle Franco, em 14 de março de 2018. De lá pra cá, nesta semana de março as atenções se voltam para homenagear a vereadora abatida numa via pública da cidade e para cobrar as razões e mandantes dessa selvageria.

 

 

Assim nós vivemos aqui no purgatório da beleza e do caos: acumulando perdas, colecionando dores. Cláudia, Amarildo, os rapazes de Costa Barros, Marielle, Eduardo,  Ágata, Evaldo dos Santos, Emily e Rebeca. Uma dor vai dando um passinho para o lado para caber outra, e seguimos empilhando corpos e tragédias, acumulando camadas de injustiça e impunidade. 

É sobre essa violência basilar cotidiana que se soma a violência governamental genocida que, atleticamente, quebra recordes mortais todos os dias.

Helê 

Atualizado em 18/3 (eu sabia que faltava um final, que só veio na newsletter de ontem).

Cinzas

Passei os dias mais tristes da pandemia neste último fim de semana, num banzo abissal. Uma ausência imperiosa, esmagadora, o silêncio ensurdecedor da rua. Suspirei pelos cantos como quem perdeu um amor. De vez em quando olhava pela janela pra ver se ele por acaso iria voltar. Temi que fosse exagero, mas um amigo, também feito no carnaval como eu, me disse que olhar para suas fantasias era como encontrar peças de roupa do ex esquecidas no armário. E suspiramos juntos, embora separados.

Não se trata propriamente de sentir falta da ilusão, porque pra mim o carnaval é de um realidade inconteste. Também não sinto falta do escapismo, como dizem alguns: eu escapo* o ano todo para que no carnaval eu possa estar e ser, plenamente.

Carnaval de Olinda, 2021. Foto de Ivanildo Machado.

Para atravessar esse feriado, esse deserto de folia, alegria e purpurina, recorri aos amigos, às lembranças e ao colo que Maria Bethânia deu ao Brasil em sua live transmitida no sábado de carnaval. Verdade, vacina, respeito e misericórdia exigiu a rainha, que nos vacinou com beleza e esperança, assegurando que a primavera virá, mesmo que esqueçamos seu nome. Dormi naquela noite aninhada na fé em Bethânia e em suas palavras.

12 de Fevereiro de 2021
O dia em que os nossos tambores não rufaram. Estamos em silêncio, não apenas por causa do carnaval, mas também por todos que perderam as suas vidas para o Covid-19! @OlodumOficial

Os outros intermináveis dias atravessei como foi possível. A minha alegria, que todo ano atravessava o mar e circulava sem âncora pela cidade, virou um refluxo, um travo. Não poder estar com os amigos celebrando o fato singelo e necessário de estar com eles me abateu demais. Ouvi repetidas vezes nesses dias: “Até eu, que não sou de carnaval, estou sentindo…”, o que só comprova a dimensão e potência do carnaval, que atinge mesmo aqueles que não se dão conta disso.

Meu coração ficou em desalinho, como disse Monarco; não fiquei feliz, como Bel Marques declarou. Mas fiquei satisfeita ao perceber que aqueles que amam o carnaval de verdade, que compreendem sua função e importância – mais na pele que intelectualmente -, esses comungaram dessa tristeza coletiva, sem tentativas de burlar a proibição. Porque quem ama o carnaval entende que não adianta uma festa pra mim ou para os meus: ou salvam-se todos ou não há carnaval possível.

Monarco vacinado na Praça da Apoteose no sábado de carnaval

Então vamos nos salvar, gente. Pela arte, pela fé, pela militância, pelo amor, como for possível. Salvemo-nos todos, bravamente; vamos nos manter vivos, a mais desafiadora e eficiente forma de resistência. Estaremos aqui quando o carnaval chegar – porque ele, assim como a primavera, também voltará.

Helê

*Ao falar sobre escapar a Rádio Cabeça começou a tocar “Feliz por um triz”, de Gil:
“Mal escapo à fome
Mal escapo aos tiros
Mal escapo aos homens
Mal escapo ao vírus
Passam raspando
Tirando até meu verniz”

 

 

Quem mandou matar, quem matou?

Pastilhas* eleitorais

O mais legal dessa eleição pra mim foi voltar a votar numa escola. Passei as últimas eleições todas votando num banco. Eu ficava muito incomodada porque, né, eu sou da geração que voltou a votar pra presidente da república depois da ditadura, festa da democracia, tanani tananã. Votar no Itaú era o maior anti-clímax, o Capetalismo parecia que tava rindo de mim escondido atrás do caixa.

***

Votar em banco: mó caído, como diria minha filha. Que votou comigo ainda na barriga, em 2002 – vocês sabem em quem (Lulalá!) -, neste mesmo colégio de domingo. Que depois veio a ser o dela, durante vários anos. Fomos lá novamente juntas, como diferentes nostalgias.

***

Por que isso foi o mais legal da eleição? Bom, Rildejanêro, né, mores? Entre a igreja evangélica e a milícia, ou pior, atordoada pela associação entre eles, lá vai a esquerda de novo fazer conta retroativa e considerar que “se tivéssemos nos unidos…” Odeio roteiro repetitivo.

**

E o carma, hein, bitches? Zoaram os ianques até enjoar e nossos resultados atrasaram…duas horas, se muito. O que eu achei impressionante foi a galera às 18h fazendo análise. De boca de urna. Do Datacu. Olha, vôticontá. Por que insistir feito criança birrenta? Ao invés de mandar um “Ó, vamos ali tomar um café e daqui a pouco a gente volta quando tiver o que comentar” – esse é meu sonho de jornalismo. A síndrome da lacração, de dizer logo, primeiro, apressadamente, ainda vai nos levar…ôpa, chegamos lá.

***

Ah, sim, tem as pequenas alegriazinhas: ver o Tarcísio, um professor, o vereador mais votado, com mais votos que o filho do coiso. A eleição de uma expressiva bancada do PSOL, a segunda maior, se não me engano. Eleger uma vereadora negra comprometida – bom mandato, Tainá de Paula! Impossível não pensar : eu espero que, dessa vez, não matem meu voto.

País de maricas: minha terra, minha gente

Helê

*Porque Drops, vocês sabe, só da Fal, primeira e única

Um alívio

Os leitores mais antigos aqui do blogue devem lembrar de um dos posts mais saborosos publicados aqui, no qual minha filha, então com seis anos de idade, expressou suas tendências feministas inatas. Foi durante a primeira posse de Barack Obama, e eu usei uma imagem para mostrar pra ela a importância do primeiro negro eleito presidente nos Estados Unidos.

Primeiro ela se espantou (“Só esse preto?”) e em seguida questionou: “e nenhuma mulher?!”

Corta para sábado passado, eu e a moça de quase 18 anos (!) comemorando Kamala Harris eleita vice-presidente.

Imagem
“A primeira mas não a última”

Os lacradores de plantão já estão levantando a lista de decisões condenáveis da ex- procuradora da Califórnia, junto com os iluminados que se esforçam em advertir que Joe Biden não é socialista (really?!). Eu só quero me permitir um minuto de alívio nesse ano implacável e celebrar sim, a ascensão de uma mulher preta a um posto de tamanha visibilidade. Porque representatividade não é tudo, mas importa à beça.

Entendedores entenderão

E, tão ou mais importante, vamos saudar também a derrota da deselegância, da brutalidade, do racismo, da xenofobia e do machismo predador representados pelo atual presidente. Both of them.

Helê

Seremos ação

Hoje é dia de comemorar.

Pode até ser que o presidente laranja consiga apoio para uma vitória no tapetão. Podem acontecer tumultos de rua, podem haver recontagens emocionantes. Mas em nome de tudo o que minha turma vem sofrendo nos últimos anos, hoje eu só quero comemorar. Como diria Scarlett O’Hara (curiosamente um símbolo de uma Georgia que parece finalmente ter ficado para trás esta semana), “amanhã eu penso nisso”.

Quando o nosso pesadelo eleito ganhou as eleições brasileiras, em 2018, eu tentei acreditar, como uma espécie de wishful thinking, que esse movimento neopopulista de direita que varria o mundo era reação, e não ação.

Ou, melhor dizendo, que nós, nossa turma, somos ação, e eles são reação.

Eu gosto de pensar assim, e esse pensamento tem me mantido na superfície nos últimos anos: há movimentos muito fortes em andamento no mundo, há mudanças muito profundas, há estruturas muito poderosas sendo desafiadas, e isso gera, claro, uma reação igualmente violenta. Mas eu me propus a atravessar esse período enxergando-o como um soluço na História. Um processo necessário, pelo qual teríamos que passar.

Espero, sinceramente, que o dia de hoje seja o início do fim desse soluço. Veremos.

-Monix-

%d bloggers like this: