What’s wrong with being confident?

tumblr_o4b8ukEzSE1tiaa92o4_500

(Via Evolution of a Queen)

O título é de uma canção da Demi Lovato – porque o pop também pode ensinar valiosas lições.

Helê

tumblr_lm64p2X2071qhqfw3o1_500

(Tout  au bord de la Terre)

“É sem surpresa que eu lembro que estar só é irremediável e que a gente não se entende mesmo. É sem surpresa mas não sem tristeza.”

Luciana Nepomuceno, psicografando meus sentimentos.

Helê

No balcão

2014-05-21 16.54.27

 

“Um homem quando está só, precisa tanto dum balcão de um bar como do ar para respirar. É que o balcão engrandece a solidão, uma mesa reprime-a. Um balcão é um tapete de boas-vindas a quem anda sozinho pelas ruas, uma mesa é um dedo acusador. “Estás sozinho e aqui só se sentam pessoas acompanhadas”, diz-nos. É triste, mas é assim.”

Do sempre interessante “Não compreendo as mulheres“.

Foto tirada em um balcão do Eataly.

Lembrei demais desse texto em Nova York, onde os balcões dos bares deixaram minha solidão tão à vontade que algumas vezes ela saiu para dar voltas enquanto eu conhecia gente nova. 😉 . Apenas  um comentário breve para começar a falar da viagem e botar azeitona nessa empada que eu adoro – leiam o texto completo, perambulem pelo blog do moço;  vale a pena.

Helê

O pior sentimento do mundo – posts inesquecíveis

Gosto muito do Letters of note , embora visite pouco.  Trata-se de um  site com uma proposta tão simples que se explica em poucas palavras: “correspondence deserving for a wider audience”. Publica cartas, postais, telegramas  cujo conteúdo, contexto ou personagens despertam interesse. Difícil lembrar quando conhecemos um site pela primeira vez, mas tenho certeza que fui fisgada por essa carta do Thom Yorke, do Radiohead, por quem passei a nutrir enorme simpatia. As palavras delicadas, certeiras e reconfortantes de Yorke definitivamente merecem uma audiência maior.

” Cara  melissa,

Eu espero que você consiga sair de sua cidade e conhecer o mundo. O pior sentimento do mundo é achar que ninguém mais se sente do mesmo jeito que você, mas você ficaria surpresa ao descobrir quantas pessoas são assim. Espero que você esteja bem hoje.

com amor, Thom.”

 Dando crédito a quem de direito: cheguei até esta carta e ao site por um post do Trabalho sujo.
Helê

Inaugurando a série “Posts inesquecíveis” – Rubão, o boêmio

Ninguém

Ninguém precisa conviver com quem não presta. Ninguém merece compartilhar o tempo mais do que o minimamente necessário com os canalhas, os cretinos, os covardes. Ninguém tem que continuamente sofrer e achar que esse padecer intermitente é um fato normal, irrevogável e imutável. Ninguém tem que acatar ameaças, bravatas e ofensas sem ter o legítimo direito de reagir. Ninguém deve ficar calado quando bocas fétidas vertem merda para nausear e conspurcar um dia que não lhes pertence. Ninguém deve permanecer em silêncio diante de pessoas comprometidas com o seu fim.
Porque a vida é curta, curta, curta, amigos. Curta.
Rubão, no sempre lúcido Boêmios no divã.
.
Faz tempo que queria iniciar essa série, e achei por bem começar com essa pérola do Rubão porque logo terei a oportunidade de agradecer ao vivo,  a cores e embebida em álcool essas palavras libertadoras.  Um post que chegou na hora precisa, nem um dia antes, nem uma hora depois.  Com um lembrete mais necessário do que imaginamos, porque são muitas, sutis e poderosas as amarras com as quais nos deixamos atar ao longo do caminho. Uma lição que, como todas as importantes, sabemos de cor, só nos resta aprender.

Helê

Rosa, sempre ele

(Do sempre lindo De(coeur)ação, via Tudoaomesmotempoagora)

Bom finde pra vocês!

Helê

Helê

Um novo paradigma

“Segundo a OMS, o envelhecimento populacional impõe – por razões econômicas de Estado e por motivos psicológicos individuais e sociais – uma prorrogação da fase laboral ou um adiamento da aposentadoria. No entanto, as políticas públicas devem trabalhar a favor de um processo de convencimento e criar condições sociais e legais para a sociedade atingir essa meta sem fazer concessões às visões preconceituosas da figura do idoso. De acordo com a OMS, o novo paradigma a ser adotado desafia o ponto de vista tradicional de que aprender é função de crianças, trabalhar, dos adultos, e aposentar-se, dos idosos. [grifo meu]

“Viver muito: outras ideias sobre envelhecer bem no sec .21 ( e como isso afeta o seu futuro)”, Jorge Félix (Ed. LeYa)

(via Alessandro Martins)

Achei o conceito revolucionário, uma maneira absolutamente desafiadora de olhar para o mundo. Gostei.

Helê

%d bloggers like this: