Marli

marlisoares

Sobre feminismo, origens e referências, eu queria dizer que Marli Pereira Soares foi minha primeira representação de mulher maravilha. Sim, teve a Malu Mulher, a Linda Carter, a TV Mulher, a Simone cantando “Começar de novo” e emocionando a minha mãe, recém-separada. E teve também a Marli. Lembro com uma clareza impressionante (para quem tem a memória esburacada feito a minha) dessa mulher dizendo “Tenho pavor de barata. De polícia, não”. E da foto dela passando em revista um batalhão e apontando os responsáveis pela morte do irmão. Isso em 1979, em plena ditadura militar – e eu com longínquos 10 anos de idade. Marli Pereira, uma precursora na coragem e no sofrimento de milhares de mulheres negras brasileiras que choram seus parentes mortos pelo Estado – seja por omissão, incompetência ou genocídio puro e simples.

Helê

Anúncios

Enquete Dufas

e7c253e7f77f974052ca761d2e28088d

No plano cotidiano, já deixei muitas vezes de ir a algum lugar porque voltaria tarde, não tinha grana para um táxi e o combo mulher+pobre tornava perigoso o retorno pra casa, inviabilizando o programa.

Mas a pergunta me instiga num nível mais profundo, em termos de escolhas de vida. Não sei a resposta, mas tenho certeza que ela existe, e talvez seja plural.

E você, já se fez essa pergunta? Que resposta ou respostas encontrou?

Helê

As duas faces de Eva

Sou de uma geração que não assistiu Xuxa porque as manhãs eram ocupadas pela TV Mulher da Marília Gabriela, da Xênia, da Marta Suplicy, do Henfil, do Clodovil e do Ney Gonçalves Dias.
marilia_gabriela_-_tv_mulher_1_1

A volta da TV Mulher mostra que a história se repete, não em círculos, mas em um movimento espiral.

Durante muito tempo, sentia que fazer parte daquele momento era algo meio revolucionário. E de certa forma era mesmo: depois de duas décadas de censura, ver um programa matinal sobre direitos das mulheres, sexualidade, humor, era uma inovação considerável. (Se pensarmos nos programas matinais que existem hoje, 30 anos depois, talvez constatemos que aquela TV Mulher seria considerada ousada demais para nossa década de 10).
Por outro lado, como dizia o poeta e ativista norte-americano Gil-Scott Heron, “a revolução não será televisionada”. Quer dizer, se uma mudança de paradigma chegou à televisão, é porque o paradigma já mudou. Por sua própria natureza, a TV não é um meio que facilite a transformação social.
A história vai se repetindo em espiral, e não em círculos, e eis que a TV Mulher está de volta. Ainda é feminista, mas de um feminismo com roupagem contemporânea. O formato está muito mais pasteurizado, como pede a comunicação de massa do século XXI. Os quadros fixos tentam emular os da primeira versão do programa e são um pastiche involuntário dos colunistas que os inspiraram. Mas o mais curioso é que de um programa diário, matutino, exibido em TV aberta (até porque não existia TV paga no Brasil naquela época), o TV Mulher se tornou um programa semanal, noturno e exibido na TV por assinatura. Sintomas de que, mesmo que a revolução nunca tenha sido televisionada, há momentos em que a televisão pede para fazer parte dela, para se manter relevante. Em outros momentos, ela perde o trem e fica vendo a história passar, da plataforma da estação.
(Texto publicado originalmente no meu blogue profissional.)
-Monix-

Radfilha

Dia desses a gente conversava antes de dormir sobre religião, Deus e quetais – a pessoa, agora nem tão pequena, adora fazer questionamentos teológicos – e aí eu contei que quando ela era pequena dizia “Em nome do pai, da mãe, do filho, do Espírito Santo, Amém”. Ela riu muito, para completar depois, entre brincalhona e séria: “Se fosse hoje eu ia dizer “Em nome do pai, da mãe, da filha, do filho, do Espírito Santo e Santa, Amém”. Quer dizer.

b5fdad1e1146bc8589d06ff0baebcba1

Helê

Amélia 2.0

Cresci nos anos 1970 e 1980, numa família de classe média, na Zona Sul do Rio. Isso significa que tínhamos empregada em casa, dormindo no emprego de segunda a sábado. Mamãe era professora, papai funcionário público – não éramos ricos. Essa não era uma rotina de luxo.

Durante meus anos de mãe trabalhadora, repliquei esse esquema, com algumas adaptações aos novos tempos – folgas durante a semana para a empregada doméstica, fins de semana sem ajudante, etc. Mas, no geral, para manter a rotina de trabalho em horário integral, com direito a viagens pela empresa ou de férias, morando sozinha com uma criança pequena, nunca consegui encontrar outra fórmula que não fosse essa da exploração da mulher pela mulher.

Agora meu filho está adolescente e não só ficou bastante autônomo como passou a assumir algumas tarefas domésticas. Há coisa de um ano, passei a morar com minha irmã e os dois sobrinhos pequenos, e no meio desse furacão de mudanças, resolvi encarar o sonho antigo de trabalhar em home office (querendo contratar meus serviços, tamos aí). Mais tempo em casa, menos grana na conta, menos necessidade de alguém para fazer as tarefas de casa, e a PEC das Domésticas, lei justíssima que tornou a empregada-que-dorme um serviço de luxo, tudo isso somado e o resultado foi que reduzimos ao mínimo a atuação das diaristas (uma para a arrumação da casa e outra para cozinhar para nossa família de cinco).

Daí que agora passo mais tempo do meu dia dedicada a cuidar da casa. Não estou achando necessariamente ruim. Descobri que não posso avaliar os serviços domésticos em termos de “gosto” ou “não gosto”, e sim em termos de quais tenho mais ou menos preguiça de começar. Pôr a roupa na máquina, varrer, cozinhar – pouca preguiça. Estender a roupa para secar, lavar a louça, passar roupa – muita preguiça. São apenas tarefas do meu dia, assim como no dia a dia do escritório havia várias que também não me agradavam particularmente. Estou aprendendo a olhar para essa parte da rotina sem demérito nem glamour, apenas como o que é: uma rotina.

Essa “volta ao lar” é um fenômeno já mapeado por quem estuda as novas relações de trabalho. Disse Domenico de Masi, em seu emblemático “O Ócio Criativo”:

Também o número de pessoas ligadas ao trabalho doméstico e aos cuidados pessoais diminuiu: babás, governantas ou enfermeiras. Como o horário de trabalho se reduz, aumenta o tempo livre e, assim, as pessoas têm menos necessidade de contratar alguém para cuidar do filho ou dos pais idosos, ou ainda para fazer a faxina doméstica. A limpeza da casa passará a ser feita por cada um de nós, com o auxílio de eletrodomésticos sempre mais eficazes, inteligentes e flexíveis.

Sempre tive a preocupação de ensinar meu filho – desde pequeno – a participar dos cuidados com a casa. Dizia que a geração dele não terá empregada para fazer tudo em casa. A mudança chegou mais cedo do que se pensava, e essa já é uma realidade. Aqui os meninos não “ajudam” – eles têm obrigações, tanto quanto as mulheres “donas de casa”. São tarefas adequadas à idade de cada um, mas é responsabilidade deles cumpri-las. Nossa casa sobrevive bem. Sem a neurose de estar permanentemente impecável, mas, devo reconhecer, no geral bastante bem arrumada e funcional.

Nenhuma saudade da Amélia – agora sim é que seremos homens e mulheres de verdade.

-Monix-

♥ Viola

 

Pode me chamar de Viola Davis“, eu disse aqui neste blogue, no post sobre o Oscar deste ano.  Lembrei disso ontem com um orgulho danado depois de assistir a esse vídeo que me comoveu até a raiz dos cabelos. Um discurso absolutamente irretocável, desde o olhar dela para a plateia antes de falar até os aplausos emocionados das sisters ao final. Difícil destacar um trecho; fosse um livro meu seria um grande parágrafo sublinhado com exclamações nas margens. Ele é perfeito inclusive como peça de comunicação: tem a duração ideal, começa de maneira inesperada, possui a medida certa de emoção e racionalidade. Para ver e rever muitas vezes. Viola me represeta.

Helê

PS: Esse post inaugura a categoria “I’m black and I’m proud’, que reúne os textos que tratam de relações raciais, racismo e afins. Já falamos sobre o tema muitas vezes aqui, mas só agora tive essa inspiração de utilizar a canção de Mr. Dynamite para nomear a categoria.

Você é feminista?

tumblr_navcrsaZSl1s6nynxo1_500

Não quero defender tese alguma – pelo menos não por ora.

Mas é que eu li este texto (que infelizmente está em inglês, e surpeendentemente está na Cosmopolitan), depois de ler esse outro, e gostaria muito de ouvir as respostas de quem por ventura passsar por aqui.

Desde já agradecida.

Helê, feminista.

%d bloggers like this: