Ciências humanas para humanos melhores

Outro dia fui a uma palestra sobre Inteligência Artificial numa universidade. O palestrante era professor do Departamento de Informática, mas o evento foi promovido pela faculdade de Comunicação. Então lá pelas tantas, depois de apresentar muitas maravilhas que já são possíveis graças à tal da IA (que eu acho que devia ter outro nome, mas isso é outra história), ele começou a falar sobre algumas possibilidades, ainda remotas, de criação de máquinas cuja “inteligência” poderia substituir a humana. E aí a professora da Comunicação perguntou: mas por quê? A princípio, ele pareceu nem entender a pergunta. Para confundir ainda mais a lógica tecnocêntrica, ela ainda acrescentou: que eu saiba, não temos escassez de seres humanos no momento…

***

Hoje de manhã recebi uma mensagem com o vídeo do incrível Kodi Lee, o rapaz cego e autista que deixou mesmerizados os membros do júri do programa America’s Got Talent. (Se eu fosse você, parava tudo e ia agora assistir ao vídeo do link. É sério.)

A arte salva. Segundo sua própria mãe, a música salvou a vida de Kodi.

Assistir Kodi falando diante de uma plateia imensa, e cantando tão lindamente, me fez pensar que há algumas centenas de anos esse menino teria sido trancado em casa até enlouquecer. E há algumas décadas talvez tivesse sido internado em um asilo ou manicômio, afastado de uma sociedade que não sabia como lidar com pessoas como ele.

Então, gente, de certa forma, se não fosse por Foucault nós não veríamos Kodi Lee cantando na televisão hoje. Agradeço a ele, agradeço ao povo da luta antimanicomial, agradeço a quem estudou antes de nós e nos ajudou a melhorar como indivíduos e como sociedade.

***

As ciências humanas “servem”, entre outras coisas, para ajudar as outras ciências a entender o que fazem, por que fazem, e também como as coisas que estão sendo feitas afetam a todos nós.

E a arte, bem, a arte “serve” para nos salvar, em muitos níveis, de muitas coisas, inclusive de nós mesmos.

-Monix-

Anúncios

Inimigos imaginários

Quase todo mundo que eu conheço está reclamando de cansaço extremo. E eu não acho que seja por causa da “vida moderna”, o estresse da cidade grande, trabalho demais, nada disso.

Acho que é porque cansa demais levar pancada o tempo todo e não saber nem por onde começar a reagir. É isso: a minha turma foi escolhida como inimiga número um da sociedade – pelo menos pela parcela mais alucinada da sociedade.

O problema é que esses ataques são tipo a Ursal. Quando o Cabo Daciolo tirou da cartola essa teoria da conspiração, o que aconteceu? No dia seguinte, quebrou a internet (pelo menos a internet onde eu circulo). Mas por quê a minha turma achou tanta graça e criou tantos memes? Justamente porque a gente nunca tinha ouvida falar em Ursal. Assim como nunca tínhamos ouvido falar em “marxismo cultural” nem em “ideologia de gênero”. E aí é que mora o perigo: como a gente navega em bolhas, tem um pessoal de outra bolha que está nos julgando (e condenando) com base em coisas que simplesmente não existem.

Ou seja, é pior do que combater inimigos imaginários – coisa que desde Dom Quixote já sabemos que é bem difícil. É que nós fomos transformados em inimigos imaginários e estamos sofrendo ataques reais. Quem descobrir como se defender, capaz que ganhe o Nobel da Paz em 2020.

Então somos acusados de ser comunistas e tentamos responder dentro do conceito que a gente conhece de comunista, dizendo: olha, o comunismo já não existe mais em país nenhum do mundo, etc. Só que não é desse comunismo que se está falando. Comunista, na linguagem da direita populista, é qualquer um que se oponha ao seu projeto moralizante-autoritário travestido de anti-sistêmico. Incluindo a Veja, o Papa Francisco, etc.

E é com base nessa realidade que só podemos chamar de “alternativa” (aliás, faça um favor a si mesmo e leia esse artigo do linguista Jan Blommaert sobre “fatos alternativos”) que são tomadas decisões importantes sobre políticas públicas.

Tipo o contingenciamento de verbas das universidades e institutos federais.

Tirar dinheiro dos “doutrinadores” não vai fazer as pessoas mudarem seu pensamento. Se a UFRJ não tiver comida no bandejão, se a UFF não tiver segurança nos campi, se o Colégio Pedro II ficar sem luz elétrica (sem telefone já está, há mais de um ano)… os professores e os estudantes continuarão pensando as mesmas coisas que pensam hoje com luz, segurança e comida. Talvez eles só não possam mais debater essas coisas em sala de aula, porque as aulas terão que ser suspensas.

Mas isso seria exatamente o significado da metáfora “matar um mosquito com tiro de canhão”. Sendo que o mosquito, no caso, nem existe.

-Monix

Educação, balbúrdia, vida

Eu não fui, nos anos da educação básica, uma aluna estudiosa. Fui, sim, interessada, participativa, curiosa. Mas não estudiosa.

Daí que quando me formei na graduação fiz uma pequena cerimônia de libertação, rasgando as folhas do fichário que usei na faculdade, os textos em xerox que já não seriam mais necessários, etc. E à la Scarlett O’Hara fiz uma promessa mais ou menos solene de que nunca mais passaria fom… ops, não era isso. A promessa era de que nunca mais na vida eu iria estudar.

Mas aos vinte e poucos anos a gente é mesmo besta, não é? E “nunca mais” lá é promessa que se faça?

Enfim. Veio a necessidade de me aperfeiçoar e fui fazer uma pós-graduação. A sensação de ser a “tia” da turma foi engraçada. Eu tinha a idade dos professores, estava pagando para estudar pela primeira vez na vida, para fazê-lo deixava meu filho pequeno em casa com uma babá… não estava lá só pra ter um certificado bonito. Eu queria aprender. E então me vi quebrando minha promessa solene. Estudei, e gostei.

Depois que terminei a pós, fui convidada a dar aulas. Ensinei, e gostei.

Nos últimos anos tem sido assim: às vezes eu estudo, às vezes eu ensino. Acabei de terminar o mestrado. Estudei muito, mais do que nunca na vida. Fui feliz.

Hoje dou a última aula de um curso de extensão na Uerj. Foram cinco (ou seis?) semanas em que frequentei, pela primeira vez, este heróico campus. Cheguei um pouco mais cedo e estou escrevendo este post sentada em um corredor por onde passam estudantes de todos os tipos e tamanhos: uma universidade é, sem falta, um ambiente efervescente, fervilhante, onde a energia da criação é tão intensa que quase pode ser tocada. A Uerj vive porque toda Universidade vive.

Tem balbúrdia, sim, seu ministro que não merece nem ser linkado. Porque a juventude é barulhenta, graças aos deuses. Barulhenta, colorida, entusiasmada, esperançosa e ligeiramente transgressora, como nós, do alto da nossa idade e experiência, muitas vezes não conseguimos mais ser.

Acho que foi isso que vim buscar quando quis voltar a esse lugar. E encontrei.

-Monix-

Papo de Fridas

Outro dia nosotras nos encontramos, com um petit comité de amigos/as-leitores/as na casa da Monix sob o pretexto de (não) assistir um filme enquanto bebíamos e conversávamos sobre outras coisas. Como o objetivo de beber e conversar era mais premente que o de assistir um filme, escolhemos um que já praticamente sabemos de cor: Harry e Sally – Feitos um para o Outro (que inclusive já assistimos juntas). Para brindar o primeiro encontro do ano, nada como um bom confort movie.

Mas você já sabe que quando as Fridas se encontram nada nunca é só o que era pra ser. A gente adora complicar e botar caraminholas nas nossas próprias cabeças. Então, uns dias depois, tivemos mais ou menos a conversa abaixo por WhatsApp (que aqui segue editada e ampliada, que nós somos dessas). Foi, em suma, um papo sem compromisso, bem pingue-pongue mesmo, mas que rendeu um bom fio de pensamento e que quisemos dividir com vocês.

Helê: Fiquei pensando depois que não tem um casal negro naquelas entrevistas de Harry e Sally.
Monix: Verdade. Outro dia eu Estava revendo Friends e pensei a mesma coisa, não tem personagens negros na série inteira.
Helê: Pensando bem, preto, no filme (Harry e Sally), só garçom, staff em geral. E aí eu fiquei pensando que ficou tão ok falar mal do politicamente correto, mas isso hoje não aconteceria.
Monix: Sem dúvida
Helê: [A maior presença de negros nos elencos] tem a ver com um ativismo maior? Sim. Mas com o politicamente correto também. E o que veio primeiro, quem puxou quem?
Monix: Acho inclusive que tem algum tipo de regulação nos EUA (não sei se governo ou autorregulação) que exige diversidade nos elencos. #pesquisar [A pesquisa não nos trouxe conclusões definitivas, mas este artigo leva a crer que não há regras nesse sentido, apenas uma discussão bastante rica e ainda em curso sobre a passagem do colorblind para o color-conscious.]
Monix: Representation matters !
Helê: Sim. Dá uma tristezinha admitir isso porque a gente ama o filme, né?
Monix: Mas não acho que isso diminua o valor do filme. Era o contexto da época.
Helê: Não, mas é como admitir defeito em amigo
Monix: Não dá pra julgar uma obra de 30 (?!) anos atrás com o raciocínio de hoje. A não ser coisas escandalosas, tipo o filme do Griffith que defendia a Ku Klux Klan. [O filme é O Nascimento de uma Nação.]
Helê: Entendo. Claro que eu não posso cobrar feminismo do Mario Lago e a sua Amélia. Mas como a gente gosta muito, preferia não tivesse esse defeito de cor, hahaha!
Monix: Hahahah verdade. Aliás, ótimo exemplo esse da Amélia.
Monix: Nem contei do problema que foi assistir 7 Noivas para 7 Irmãos no telão com o Fridinho. Ele ficou incomodadíssimo com o rapto.
Helê: Caramba! Nunca tínhamos visto desse jeito! Cárcere privado.
Monix: Lá pelas tantas ele disse que se no final as moças casassem com os sequestradores, ia ficar muito p*to. Quase mandei ele dormir 😬

E vocês, o que acham? Como assistir obras de arte criadas em outros contextos, com tudo o que sabemos hoje? Dá pra gostar, levar em consideração o contexto, ou fica difícil? Dividam seus pensamentos com a gente. A discussão é boa.

Las Dos Fridas

Noção de tempo

Não sei se sou só eu, ou se outras pessoas do século passado têm a mesma relação estranha com o passar dos anos neste acelerado século XXI. É assim: desde pequena, desde que nasci, o “ano 2000” era um marco temporal muito forte, muito longínquo (embora nem fosse) e, claro, muito no futuro. A gente falava que tal coisa só aconteceria “depois do ano 2000” querendo dizer algo como “no dia de São Nunca”. Gilberto Gil, que tem uma música para cada situação (podem conferir), imortalizou esse zeitgeist no verso “pra depois do ano 2000″…

Daí vem meu problema com o tempo: como que de repente o ano 2000 não é mais um futuro remoto, mas sim um passado (quase) remoto? Como que daqui a um ano vai fazer duas décadas que o “futuro” chegou… e passou? Não tô sabendo lidar, gente. Tô confusa.

-Monix-

Recapitulação precoce

Eu não vou reclamar (ainda) desse ano porque não dá sorte; se tem uma coisa que sempre pode é piorar. 2016 parecia o fim do mundo e aconteceu a Chapecoense, então só acaba quando termina e até lá eu só posso dizer que este está sendo um ano longo, muuuito longo. Até aqui…não sei você, mas eu já vivi uns 15 meses em 2018. Essa impressão aumentou bastante depois que comecei a limpar meu celular de imagens e arquivos recebidos. A pessoa objetiva #NOT vai vendo um por um, ao invés de mandar aquele selecionar tudo + delete. Aí já viu, comecei uma retrospectiva antes do tempo, viajando por prints de apps desinstalados, conversas e fotos que eu não reconheço, uma avalanche de memes e piadas. O carnaval sempre me parece mais longe que o desejado, mas eu não lembrava que neste você podia encontrar um “CarnaCrush” via aplicativo.  A Copa do Mundo da Rússia, gente, a Praça Vermelha/Fiocruz, lembra? Parece que terminou há pelo menos seis meses! Chegamos a rir do cabelo do Neymar antes dele nos matar de vergonha, veja você. A greve dos caminhoneiros, meu pai! Achei fotos de tanques na reserva, e depois de pratos ostentação, repletos de verdura, além de foto-fetiche de dúzias de ovos! Não parece que isso aconteceu há pelo menos uns dois anos? E o Lulapaloosa na porta do Sindicato dos Metalúrgicos, que pareceu ter durado uma semana e terminou com Luiz Inácio Khalesi, o primeiro do seu nome, carregado nos braços do povo na foto tão icônica que já nasceu pintura? Já nem sei se foi antes ou depois do casamento real com direito a coral afro preto e pastor idem. E nem vou citar as tragédias cariocas/nacionais porque falei disso ainda pouco – há dias ou semanas? Até a Ursal, recém-fundada, já parece coisa do passado. Tudo tanto, tão intenso – e as eleições nem terminaram ainda! – que acho que essa retrospectiva fora de hora se justifica – sabe-se lá quantos meses mais teremos até dezembro?!

Exemplos de imagens aleatórias encontradas no meu celular sobre as quais não sei a procedência nem tenho nada a delcarar.

Helê

Ideias e argumentos

Há uns dois anos atrás, tive alguns (poucos) alunos particulares de Redação, que estavam se preparando para o Enem. Foi então que eu aprendi (e passei a ensinar) que hoje em dia todos os alunos do Ensino Médio precisam fazer redações segundo um modelo chamado “dissertativo-argumentativo”. A redação no Enem é eliminatória, ou seja, quem tirar zero nesta prova pode saber todas as Físicas e Matemáticas do mundo, mas não poderá cursar a faculdade de Engenharia (pelo menos não com a nota do Enem).

As bancas avaliam, nos textos, cinco competências, sendo que duas delas são: a) selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; e b) elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Fico pensando que, uau, será mesmo que teremos uma geração de pessoas capazes de sustentar um ponto de vista através de argumentos? (Infelizmente minha experiência direta com jovens não necessariamente confirma essa hipótese, mas estatisticamente as nossas experiências diretas todas, somadas, não significam nada.)

Enfim. Não seria lindo? Que as escolas conseguissem ensinar as novas gerações a, em primeiro lugar, saber qual é seu ponto de vista sobre os temas do mundo real, a ter opiniões sobre a vida, o universo e tudo mais; e, em segundo lugar, a sustentar esse ponto de vista por meio de argumentos? (Sendo que esses argumentos não podem ferir os direitos humanos!)

Foto: Pixabay

Escola é escola em qualquer canto…

Discutir ideias por meio de argumentos pode parecer que é o óbvio, mas vamos lá… quantas situações vocês são capazes de lembrar em que as pessoas confundiram argumentos com sarcasmo; argumentos com ataques ad hominem; argumentos com uma negação do fato, sem apresentação de evidências (não é porque não é). Ou, ainda, que confundiram informação com opinião.

Na minha geração (e nas mais velhas), conheço inúmeras pessoas que, de modo geral, estudaram nas melhores escolas do Brasil, e são incapazes de construir uma discussão a partir de argumentos. É uma competência perdida para muitos de nós. O mundo digital certamente não contribui para melhorar isso, mas, sei lá. Vai que as escolas – aquelas instituições que se mantiveram praticamente iguais nos últimos 200 anos – é que trarão uma parte da solução? Vai que, no fim das contas, o século XIX é que vai nos salvar?

-Monix-

%d bloggers like this: