História de livro

M. é uma bibliófila – eu ia dizer como eu, mas não tenho esse direito, ela me supera em muito. O amor aos livros era uma das coisas que nos unia, assim como uma grande amiga em comum e um emprego. Bom, esse também nos separava porque tínhamos cargos hierarquicamente desiguais. Mas para efeito dessa história valem nossas afinidades, e compartilhávamos o prazer da leitura com entusiasmo: podíamos falar por bastante tempo sobre o que estávamos lendo ou o que pretendíamos ler – fila que, estranhamente, nunca diminui.

Então, quando ela me pediu “Sonhei que a neve fervia” emprestei com gosto, porque nada agrada mais um leitor do que proporcionar boa leitura para outro. Sou generosa mas ciumenta com meus livros (anoto numa listinha os empréstimos). Especialmente os de gente que eu amo, como esse. Mas nem anotei quando emprestei o “Sonhei” para M., ninguém poderia ter mais cuidado com um livro do que ela.

No trabalho, vez ou outra eu perguntava se ela estava gostando, mas muito rapidamente porque não queria pressioná-la – nada mais arriscado do que jogar sua expectativa sobre os outros. Passou pela minha cabeça que M. estava demorando um pouco, já que costumava ser bem rápida, mas não me preocupei. Até que um dia ela trouxe de volta o livro, mas com o constrangimento de quem o tinha perdido. E começou a contar a história de como, de fato, o perdeu e depois recuperou.

Ela contava a história aflita, chegou a ficar vermelha algumas vezes. Sua angústia se devia ao fato de considerar que não se tratava apenas de um livro: além da dedicatória para mim e para minha filha, havia sublinhados, exclamações, comentários que nunca seriam recuperados; isso a atormentou por dias. (E devo dizer que foi exatamente a Fal que me libertou de certa reverência com o livro: com o aval dela passei a me sentir mais à vontade para imprimir minhas marcas, especialmente nos dela.) O que afligia M. era o mesmo que me consolava: a importância que dava àquele exemplar. Só alguém que realmente ama os livros e sabe do valor que eles têm sente tamanho pesar por deixar escapar um objeto que, afinal, poderia ser reposto. Isso a livrava de qualquer culpa, se houvesse alguma. Mas não havia: o meu livro, devidamente rabiscado, estava nas minhas mãos. Como?

Inconsolável com a perda, M. providenciou um novo e contatou a Fal, através da nossa amiga em comum (que vem a ser minha sócia nesse blogue), para que ele ao menos pudesse ter também uma dedicatória. Com o que a Fal concordou prontamente. Então, num inesperado plot twist (como devem ser todos), alguém entrou em contato com a Fal, via e-mail, avisando que tinha encontrado um livro dela, num banco 24 horas no Rio de Janeiro (onde M. havia voltado e procurado em vão). Lendo a orelha do livro descobriu o blogue da Fal e entrou em contato porque, como estava autografado, ela poderia conhecer a dona. Também imaginou que deveria ser importante, e então mais uma pessoa entrou nessa ciranda e trouxe de volta para mim o “Sonhei”, que agora carrega entre suas páginas também essa história de mulheres, cuidado e livros.

**

img_20180812_173745235

O “Sonhei” acomodado na minha estante, com seus irmãos e a companhia de Rosa, Isabel e Joel, entre outros.

Isso aconteceu já há alguns anos, mas só hoje, depois de assistir à “A sociedade literária e a torta de casca de batatas” (um bom filme baseado num livro incrível), me ocorreu contar aqui; o post veio quase completo assim que pensei em escrevê-lo. Acho que foi minha maneira de reverenciar os livros e seus poderes mágicos. E de pensar que às vezes a gente perde – livros, pessoas – mas as histórias e o afeto permanecem. O que te pertence volta pra você – ou nunca te abandona de fato.

Helê

Anúncios

Tempo, tempo, tempo, tempo – Benjamin Button

benbuttontrailer2top-440x215

Atenção: contém spoilers, sorry.

Trilha sonora no Chatô das Fridas : Tempo II

Quis ver “O curioso caso de Benjamin Button” desde que ouvi sobre ele no programa da Oprah. A idéia de uma vida que segue no sentido inverso, de alguém que nasce velho e morre criança, pareceu-me absolutamente irresistível, tanto pelos aspectos técnicos quanto pelas questões morais, filosóficas, emocionais com as quais poderia lidar. Assim, corri ao cinema na primeira oportunidade – logo eu que, em geral, vejo tudo depois de todo mundo (e posso levar meses para ler um post do meu próprio blogue para fugir dos spoilers).

Saí da projeção comovidíssima, depois de chorar baldes e me entregar totalmente àquelas histórias e àqueles personagens. Sabe quando ao sair do cinema e o mundo todo parece muito estranho, o xópin, os barulhos, as pessoas, tudo soa quase violento? Pois foi assim comigo, demorei a voltar, e quando recobrei o sentido da realidade certamente não era a mesma de antes.

Emocionei-me logo de cara com aquela pela situação terminal entre mãe e filha. Do mesmo modo fui tocada por Queenie e sua fé, fortaleza e farol de uma vida igualmente árdua e generosa. É verdade que ando tão à flor da pele que etceteretal, mas o filme me ganhou logo, em cenas e situações até prosaicas, que apesar ou por isso, também prenhes de poesia. Quase tanta quanto a bela história de amor que, se não chega a ser impossível, não dura para sempre – como de resto, nada, nos ensina Benjamin.

O clima de fábula, a alternância entre inocência e descoberta me fizeram lembrar de Forrest Gump (soube depois que trata-se do mesmo roteirista). De uma maneira menos atuante e mais introspectiva que Forrest, Benjamim atravessa boa parte do século XX – e não deixa de ser curioso que isso seja igualmente pontuado pela 2ª guerra mundial e por uma apresentação dos Beatles na tevê (viva eles, sempre!). Ao contrário de outros apelos à fantasia, neste filme o pacto de “suspensão da descrença” é estabelecido com mais cuidado e coerência. Assim, Benjamim cresce num asilo, onde ninguém vive tempo suficiente para perceber seu crescimento anormal. Lança-se ao mar e vive anos viajando, sem criar vínculos por longo tempo com ninguém. Pequenos detalhes que dão alguma verossimilança, apenas  o necessário para não incomodar o espectador nem fazê-lo de besta, justificando tudo por tratar-se de um história fantástica.

Há quem ache o filme longo, mas não pra mim, não percebi as horas passarem –  o que talvez comprove a excelência de um filme em que o tempo é o protagonista absoluto. Ah, o tempo – Caetano tinha razão, é um dos deuses mais lindos. Sim, há Brad Pitt em várias idades e a fabulosa Cate Blanchet (que pode ser qualquer coisa, bailarina, feia, velha, linda, que talento!). Ambos no auge do esplendor físico ou bem perto disso, mas eles passam boa parte do filme aparentando idades que ainda ou já não têm. It’s not about that, é sobre como nos tormamos as pessoas que somos, com as oportunidades que temos e também as que perdemos, para além do que aparentamos.

bradsSou eu envelhecendo ou começa a haver algum espaço para pensar na maturidade, na velhice, na morte, dentro da indústria sempre jovem-bela-magra do cinema? (Ou esse nicho sempre esteve aí e eu é que estava ocupada tentando ser jovem-magra-bela? Bom, agora desisti). O fato é que eu saudava com a Sócia o excelente “O clube de leitura de Jane Austen”, o mediano “Bonneville” e o saboroso “Mamma mia” (visto com a freguesa de caderno Ana Paula), filmes protagonizados por mulheres e homens maduros, tratando de questões mais relevantes que as das inervantes balzaquianas casadouras, seus diários, vestidos e mães.

Tenho a forte impressão que o filme permanecerá em mim de um modo indelével, e ainda há coisas a pensar e aprender com ele. Idéias a desenvolver ou abandonar. A solidão nos extremos da vida. O filho como um divisor de águas, um marco que separa ao invés de unir. Adélia Prado e o verso “Só a mulher entre as coisas envelhece”. A aceitação da morte como uma visita natural,  necessária até. Há muito para refletir e cada vez que eu falo com alguém que viu o filme descubro ainda outro viés que não notei, um bordado insuspeito. Como todo bom filme, ou como os melhores, é uma história sobre as relações humanas, laços, encontros, tempos. Tempotempotempotempotempo.

Termino aqui pra saber da opinião de vocês, deixando um citação especialmente tocante para mim, das cartas de Benjamim par a filha:

For what it’s worth, it’s never too late, or in my case too early – to be whoever you want to be. There’s no time limit; stop whenever you want. You can change, or stay the same – there are no rules to this thing. We can make the best or the worst of it. I hope you make the best of it. I hope you see things that startle you. I hope you feel things you never felt before. I hope you meet people with a different point of view. I hope you live a life you’re proud of. If you find that you’re not, I hope you have the strength to start all over again.

Helê

De dentro dos muros

Zona do Crime é uma alegoria, ainda que bastante verossímil, sobre o que perdemos quando abrimos mão, voluntariamente, das conquistas obtidas a partir de sucessivos pactos sociais elaborados ao longo dos séculos: as instituições, a lei e a ordem estabelecida (termos que vêm saindo de moda em velocidade assustadora), o Estado de Direito. Construir muros altos para impedir o mundo exterior de entrar pode se transformar numa armadilha. Em nome de nos mantermos seguros contra o que vem de fora, talvez estejamos nos transformando em carcereiros de nós mesmos. E pode chegar o dia em que o portão do condomínio fique fechado tanto para quem quer entrar quanto para quem quer sair – um efeito colateral indesejado, mas não de todo imprevisível.

***

Não sei se essa divagação faz sentido para quem não assistiu o filme.  Na dúvida, assista.

-Monix-

A propósito do mesmo tema, o filme faz uma bela dobradinha com o Amor Líquido do Zigmunt Bauman (livro que ganhei de presente da sempre constante Ana Paula).

Boa Noite, Boa Sorte

Boa Noite, Boa Sorte.
Recomendo fortemente a qualquer dos nossos leitores que tenham alguma ligação profissional ou emocional com a atividade da comunicação social, ou qualquer tipo de interesse na área. Sério. Não percam.
-Monix-

Update: no mesmo cinema, sessão seguinte, ia rolar o lançamento de Carnaval, Bexiga, Funk e Sombrinha, um documentário sobre os blocos de clóvis do subúrbio carioca. Estava bem animado, e também fiquei bem a fim de assistir o filme. Deve ser legal.

%d bloggers like this: