Serena

serenawilliamscatsuit-e1535206276387
O uniforme que a Serena Williams usou em Roland Garros este ano não será aceito novamente “em respeito ao jogo e ao local“, afirmou um dirigente do torneio cujo nome eu não vou me dar ao trabalho de escrever aqui. Perguntado especificamente sobre o traje de Serena, esse macho afirmou “fomos longe demais”. Sim, ninguém foi tão longe quando Serena no tênis, monsieur. E é impressionante como uma mulher negra, de quem se exige força acima da média — de qualquer média — precisa ser contida, regulada, subjugada por normas que, se não existem, são rapidamente criadas. Uma mulher negra bem-sucedida incomoda muita gente, Serena Williams incomoda muito mais.
É de cair você sabe o que de onde.
**
Serena não entrou na controvérsia e quando perguntada deu uma resposta espirituosa, fazendo um jogo de palavras para dizer que na moda não é bom se repetir (“you don’t want to be a repeat offender“). Ela conhece bem todas as regras do jogo para não se indispor com dirigentes, muito menos pra bater palma pra maluco dançar. A roupa já foi usada e amplamente noticiada: na ocasião, Serena fez referência ao filme “Pantera Negra” e dedicou seu retorno às quadras às mães que, como ela, tiveram problemas no parto. Essa palhaçada toda serviu para me ensinar uma palavra nova para algo que eu conheço há muito tempo: misogynoir, a parceria perversa entre o machismo e o racismo. Ah, também serviu para ensinar uma lição de marketing para quem produziu aquele clip vexatório que deveria melhorar a imagem do Neymala. A Nike mostrou como se apoia um atleta e o que é publicidade inteligente (venceu até a minha repulsa a fazer propaganda gratuita)
“Você pode tirar o traje de um super herói, mas nunca pode tirar seus superpoderes”.
Helê
Anúncios
%d bloggers like this: