Divagações sobre o divã

A terapia segue desengavetando potências, rearrumando expectativas, tentando botar fora o que não me cabe mais, examinando crenças rotas, cerzindo o que ainda pode ser usado.

Uma espécie de Marie Kondo da cabeça.

Tenho a sensação clara que mudei de posição, saí de um lugar. Às vezes eu me sinto mesmo toda remexida por dentro, e as peças ficam em movimento constante. De vez em quando duas ou mais se encaixam e eu ‘Nuooossa, agora entendi!’

Mas é um processo de ritmo irregular, ainda que contínuo. Percebo que, muito lentamente, começo a gostar mais de mim.

Travis Bedel

Helê

Terapia

Na porta de todo consultório de analista deveria haver a seguinte advertência:

Tudo que você disser aqui pode ser (e provavelmente será) usado contra você.

Porque às vezes você está sendo apenas cordial, comentando sobre o tempo ou o resultado do futebol, e meia hora depois aquele seu comentário inocente aparece na boca do cidadão (ou da cidadã) usado pra mostrar alguma coisa que você não queria que aparecesse.

Entretanto, mesmo que pareça que a gente foi pego em flagrante, e que essa sensação gere um incômodo no começo, cedo ou tarde a gente descobre que esse contra é, na verdade, a favor (por isso o itálico). Daí que, entre lágrimas e sorrisos, eu quase sempre saio da sessão pensando :

Helê

%d bloggers like this: