Até a volta

(Karly Mintz)

Ele partiu na madrugada passada, enquanto eu dormia. Assim fazem os amantes que não suportam despedidas. Eu permaneci sonhando: assim fazem os amantes que não suportam o abandono. O Verão se foi, retirou-se para dar lugar aos azuis únicos do Outono, encerrando um ciclo e dando início a um novo ano astrológico. Porque assim gira a roda da vida: despedidas, azuis, abandonos, sonhos, começos e retornos. Suportarei assim sua falta: resignada e confiante, distraída com outras cores, disfarçando saudades com expectativas.  Estarei aqui à espera e à espreita, porque cada volta tua há de apagar o que ausência tua me causou.

Valeu, Verão.

Helê

Anúncios

Here burns the sun

O Rio de Janeiro, como se sabe, só tem duas estações no ano: verão e inferno – a que ora vigora. Vivemos, pois, um novo estado, entre o líquido e o gasoso: o pastoso, resultado do suor constante que nos persegue e envolve. Essa condição nos obriga a exercitar a criatividade e descobrir novas habilidades, do tipo:

– como andar pelada pela casa mantendo o decoro;
– mil e uma possibilidades de apoiar um ventilador, inclusive no banheiro
– refrescando por inteiro: como girar o corpo a intervalos regulares para que o ventilador atue de maneira uniforme (ou “a técnica do frango assado”)

Vivendo a aprendendo, mes amis.
Helê

Rapidinhas de verão

Quarta-feira, Janeiro 16, 2008

Gente, faz um dia de sol tão lindo e luminoso no Rio de Janeiro que eu acho que todo mundo que foi trabalhar merecia um bônus. Por ter suportado a tentação de fazer qualquer outra coisa mais interessante num Dia de Verão assim, com maiúsculas.
*
Pela primeira vez em dez anos não tiro férias em janeiro. No entanto, não há como, nesta cidade, não sentir o clima de férias, não só pela já citada dupla Sol & Calor , mas também pelas pessoas que vem visitar, os mil programas que pintam, reencontros, o esquentar dos tamborins, as férias alheias respingando na sua vida. Uma delícia, viu?
*
Esta é a pior época do ano pro meu marido que, como se sabe, também atende pelo nome de Pacheco. Nada a ver com a estação: nenhum jogo de futebol inédito, só notícias desencontradas sobre contratações e mesas redondas mais redundantes que o normal. Chega dar dó do pobre, coitado. Ainda bem que o campeonato carioca começa no domingo
*
Falando em esporte e nada a ver com o resto: quando eu achava que não poderia haver nada mais insosso que o Rubinho Pé de Chinelo, aparece o Felipe Massa. Quanto carisma. Meu Deus.

*
Ah, por favor, comentários simples, sem muitas proparoxítonas nem superlativos: é que desde sexta-feira eu tô lôra. Crilôra.

Helê, que agora também atende por Kátia Flávia

%d bloggers like this: