Abraço grátis

Novembro 29, 2006

Na segunda-feira de manhã, saindo pra trabalhar já um pouco atrasada e correndo, vi uma mulher na esquina da minha rua com uma placa dizendo ”Abraço grátis”. Exatamente como no vídeo da internet. Não pensei duas vezes, fui na direção dela, dizendo ”Aqui também?”, talvez para me certificar não sei exatamente do quê. E ela abriu um sorriso e disse ”É, aqui também!” E eu dei nela um abraço apertado, dizendo e desejando a ela: ”Tenha um bom dia”. Que ela retribuiu me desejando paz, num abraço igualmente intenso e feliz. E eu me afastei comovida, emocionada mesmo, com lágrimas nos olhos. Uma reação forte e inesperada pra mim mesmo. Como me fez bem aquele abraço! Se tiver a oportunidade, experimente. Eu recomendo.

*
Depois contei a uma amiga, que perguntou incrédula: ”Você abraçou uma desconhecida?!” Gostei da surpresa que provoquei nela, de me perceber capaz de fazer coisas loucas ou improváveis.

*
Primeiro dia de terapia. Bom e doloroso. Como era de se esperar.

Helê

Novembro 29, 2006

O assunto Transtorno Bipolar de Humor não é exatamente minha área de interesse – na minha família o histórico é mais de Transtorno Obsessivo-Compulsivo, o famoso TOC. Mas fui ao lançamento para prestigiar a fascinante Marina W., e comprei o livro na certeza de que seria bem escrito – conhecendo a autora, não tinha como errar.
Cheguei em casa às onze da noite e fui dormir às duas da manhã. O livro está lido, por inteiro. Li não como um tratado sobre psiquiatria, e sim como uma autobiografia informal (e incompleta) de uma pessoa interessantíssima. Tudo que a Marina escreve é gostoso de ler, isso a gente sabe.
Não deve ter sido fácil contar essa história, mas garanto que o resultado vale a pena. Tenho certeza que o livro vai ajudar muita gente que possivelmente nem sabe que tem essa DO-EN-ÇA (como ela mesma chama). E vai deliciar outras tantas pessoas que simplesmente gostam de uma boa leitura. Tá esperando o quê?

-Monix-

A propósito dos primeiros sinos natalinos Novembro 23, 2006

Novembro 23, 2006




Helê

Em outras palavras…

Novembro 23, 2006

Qualquer maneira de amor vale a pena
(Paula e Bebeto, Milton Nacimento e Caetano Veloso)

Toda

Novembro 22, 2006

Consideramos justa toda forma de amor.

Sisterhood

Novembro 21, 2006


A Bela publicou a letra na semana passada, e me inspirou a postar a canção. Uma das minha favoritas, porque evoca todas as maravilhosas mulheres que passaram por e que povoam a minha vida, sem as quais tudo seria infinitamente desinteressante, praticamente impossível.

Helê

Novembro 17, 2006

fazer drenagem, querer mudar a cor das unhas, escrever documentos importantes, chorar no dia de chuva andando sozinha em uma das ruas mais bonitas da cidade, mandar o orçamento, ter um ataque de ciúme, ter vergonha do ataque, malhar, e tomar dois porres em um dia, andar de bicicleta até suar e tomar chopp no belmonte e pilotar a bicicleta meio alucineide, ir no filme do almodovar, e chorar e rir, ver little miss sunshine e rir e chorar. ser mulher é uma loucura.

Também acho, Angela. Também acho.

Monix, blogueira e preguiçosa

2:56 PM

%d bloggers like this: